Panela de barro, água de batata, linha de embaúba:

práticas xamânicas das mulheres tikmũ’ũn-maxakali

  • Claudia Magnani Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ana Maria Rabelo Gomes Universidade Federal de Minas Gerais
  • Suely Maxacali
  • Maisa Maxakali
Palavras-chave: Arte indígena, vida cotidiaa, etnologia ameríndia, xamanismo, mulheres indígenas

Resumo

Mulheres e homens tikmũ’ũn-maxakali vivenciam seu território por meio de encontros, relações e alianças com os múltiplos seres não-humanos que o habitam­ – os povos-espíritos yãmĩyxop – reproduzindo constantemente seu mundo sócio-cosmológico por meio de diversas e graduais formas de xamanismo. Neste contexto, a partir de uma etnografia realizada em Aldeia Verde, pretende-se vislumbrar a complexidade da agência das mulheres, ressaltando práticas femininas que reatualizam importantes vínculos com a terra e o território: a produção de panelas de barro, a preparação de alimentos e a tecelagem de linha de embaúba. Geralmente compreendidas como meras atividades ordinárias, estas são, ao contrário, práticas mediante as quais as mulheres intervêm na socialidade do grupo, interagem com os espíritos yãmĩyxop e realizam procedimentos de ordem xamânica. São essas mulheres – fortes, xamãs, artesãs, cantoras e conhecedoras das histórias ancestraisque, de formas diferentes e complementares aos homens, através da manipulação de substâncias femininas, cuidam de seu mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Magnani, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoura em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2018), com mestrado em Antropologia (2009) e Graduação em Antropologia, ambos pela Universidade de Bolonha (2006)

Ana Maria Rabelo Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Pedagogia pelo Instituto de Educação de Minas Gerais, doutorado em Educação pela Universidade de Bolonha (1996) e pos-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (PPGAS/MN-UFRJ) em 2007-2008. Atualmente é professor titular na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais

Suely Maxacali

Presidente da Associação Maxakali de Aldeia Verde

Referências

BELAUNDE, Luisa Elvira. Viver bem e a cerâmica: técnicas artefatuais e sociais na Amazônia. R@U – Revista de Antropologia da UFSCar, São Carlos, v.9, n.2, p. 185-200, jul./dez. 2017

CAMPELO, Douglas Ferreira Gadelha. Das partes da mulher de barro: a circulação de povos, cantos e lugares na pessoa tikmũ’ũn. 2018. 457f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis, 2018.

CICCARONE, Celeste. Drama e sensibilidade: migração, xamanismo e mulheres mbyá. Revista de Índias, v. LXIV, n.230, p. 81-96, 2004.

COLPRON, Anne-Marie. Monopólio masculino do xamanismo amazônico: o contra-exemplo das mulheres xamã shipibo-conibo. Mana, Rio de Janeiro, v.11, n.1, p. 95-128, jan./apr. 2005.

ESTRELA, Ana Carolina. Cosmopolíticas, olhar e escuta: experiências cine-xamânicas entre os Maxakali. 2015, 240 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, 2015.

JAMAL, Ricardo Júnior. Sensibilidade e Agência: reverberações entre corpos sonoros no mundo tikmũ,ũn-maxakali. 2012. 141f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Música, Belo Horizonte, 2012.

LASMAR, Cristiane. Antropologia feminista e etnologia amazônica: a questão do gênero nas décadas de 70 e 80. 1996. 148 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Rio de Janeiro, 1996.

LEVI-STRAUSS. A Oleira ciumenta. São Paulo: Editora brasiliense, 1985.

MAGNANI, Claudia. Ũn Ka’ok - Mulheres Fortes: uma etnografia das práticas e saberes extra-ordinários das mulheres tikmũ’ũn – maxakali. 2018. 368 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Belo Horizonte, 2018.

MCCALLUM, Cecilia. Aquisição de gênero e habilidades produtivas: o caso Kaxinawá. Revista de Estudos Feministas da UFSC. Florianópolis, v.7, n.1-2, p. 157-175, 1999.

MCCALLUM, Cecilia. Alteridade e sociabilidade kaxinauá: perspectivas de uma antropologia da vida diária. Revista brasileira de ciências sociais, São Paulo, v.13, n.38, s/p., out. 1998.

OLIVEIRA, Luciane Monteiro. A produção cerâmica como reafirmação de identidade étnica Maxakali: Um estudo etnoarqueológico. 1999. 205 f. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 1999.

OVERING, Joanna. “Elogio do cotidiano: a confiança e a arte da vida social em uma comunidade amazônica”. Mana, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p. 81-107, 1999.

OVERING, Joanna. Men control women? The cath22 in the analysis of gender. International Journal of Moral and Social Studies, v.1, n.2, p. 135-156, 1986

ROSSE, Eduardo, Pires. Explosão de xũnĩm. 2007. 160 f. Dissertação (Mestrado em Emtnomusicologia). Universidade Paris 8. Vincennes, Departamento de Música, Saint-Denis, França, 2007.

STRATHERN, Marilyn, O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2013 [1988].

TUGNY Rosângela de. Trem do progresso. Piseagrama, Belo Horizonte, n.02, p. 7-9, 2011a.

TUGNY Rosângela de. Escuta e Poder na Estética Tikmũ’ũn_Maxakali. Museu do Índio, Rio de Janeiro, 2011b.

TUGNY Rosângela de. Cantobrilho Tikmũ’ũn no limite do país fértil. Rio de Janeiro: Museu do Índio/Funai, 2011c.

VAN VELTHEM, Lucia Hussak Mulheres de cera, argila e arumã: princípios criativos e fabricação material entre os Wayana. Mana, Rio de Janeiro, v.15, n.1, p. 213-236, out. 2009.

VILAÇA, Aparecida. O que significa tornar-se outro. Xamanismo e Contato Interétnico na Amazônia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.15, n.44, p. 56-72, 2000.

VILAÇA, Aparecida. Comendo como gente. ANPOCS & Editora da UFRJ, Rio de Janeiro, 1992.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A Inconstância da Alma Selvagem e Outros Ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify. 2002.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
Magnani, C., Gomes, A. M., Maxacali, S., & Maxakali, M. (2020). Panela de barro, água de batata, linha de embaúba:. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 29(1), 247-266. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i1p247-266
Seção
Especial