Quando duas epidemias se encontram

a vida das mulheres que têm filhos com a Síndrome Congênita do Zika Vírus na pandemia da COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp329-340

Palavras-chave:

COVID-19, ZIKA, EPIDEMIAS, DEFICIÊNCIA, cuidado

Resumo

Este artigo analisa os impactos da COVID-19 na vida das mulheres e crianças atingidas pelo Zika. Embora a emergência em Zika tenha finalizado, estas mulheres precisam lidar com uma “eterna emergência” para garantir sua sobrevivência e dos filhos. A partir de relatos enviados pelas mulheres construímos um panorama sobre a situação destas e das crianças em tempos de COVID-19, aprofundando questões como a dificuldade em fazer isolamento; efeitos da suspensão das terapias de reabilitação nas crianças; e a morte de crianças. Destacamos ainda que a Antropologia contribui para entendermos que epidemias globais são vivenciadas distintamente por grupos específicos, como nas mulheres e seus filhos com Síndrome Congênita do Zika Vírus que foram expostos à ansiedade, angústia, incerteza, medo, empobrecimento, adoecimento e morte em duas epidemias em menos de cinco anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Sobreira de Matos, Universidade Federal de Pernambuco

É doutora em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco e mestra em Antropologia pela mesma instituição. Também possui título de mestra em Sociologia pela Università degli Studi Roma Ter, e graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Campina Grande.

Ana Cláudia Rodrigues da Silva., Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Antropologia, trabalha com as temáticas das relações raciais, gênero e saúde. Desenvolve pesquisas sobre ambientes e relação humano animal. Integra o Núcleo de Estudo Família, Gênero e Sexualidade e Saúde (FAGES/UFPE) e o grupo de pesquisa Ayé: natureza, cultura e técnica.

Referências

ALVES, Raquel Lustosa C; FLEISCHER, Soraya. (2018). ‘O Que Adianta Conhecer Muita Gente e no Fim das Contas Estar Sempre só?’ Desafios da maternidade em tempos de Síndrome Congênita do Zika Vírus. revista Anthropológicas vol. 29, n.2, pp.6-27.

AMARAL, Lígia Assumpção. (1994). “Corpo desviante/olhar perplexo”. Psicologia USP, vol.5, n.1. São Paulo, pp.245-268.

BIEHL, João; GÜNAY, Onur. (2020). “How to teach anthropology in a pandemic?” Somatosphere - Series: Dispatches from the pandemic. s/l,s/p. Disponível em: http://somatosphere.net/2020/how-to-teach-anthropology-in-a-pandemic.html/

BIROLI, Flávia. (2020). A tragédia brasileira. Boletim Cientistas Sociais e o coronavírus, n.81. São Paulo, s/p.

CASTRO, Luísa Reis; NOGUEIRA, Carolina Oliveira. (2020). “COVID-19 e Zika: narrativas epidêmicas, desigualdades sociais e responsabilização individual”. Boletim Cientistas Sociais e o coronavírus, n.31. São Paulo, s/p.

DINIZ, Debora. (2016a). Zika: do Sertão nordestino à ameaça global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

DINIZ, Debora. (2016b). Vírus Zika e mulheres. Cadernos de Saúde Pública, vol. 32, n.5. Rio de Janeiro, pp.1-4.

DINIZ, Debora. (2017). Zika em Alagoas: a urgência de direitos. Brasília: Letras Livres.

FIETZ, Helena; MELLO, Anahí Guedes de; FONSECA, Claudia. (2020). “Conexões íntimas e corporalidades singulares: deficiência em tempos de pandemia da Covid-19”. Boletim Cientistas Sociais e o Coronavírus, n.61 São Paulo, s/p.

FLEISCHER, Soraya. (2017). “Segurar, caminhar e falar: notas etnográficas sobre a experiência de uma mãe de micro no Recife/PE”. Caderno de Gênero e Diversidade, v. 3, n. 2, pp. 93-112.

FLEISCHER, Soraya. (2018). “Cenas de microcefalia, de cuidado, de antropologia (Recife, setembro de 2017)”. Cadernos de Campo, vol.27, n.1. São Paulo: pp.118-131.

IRRAZÁBAL, Gabriela; ÁLVAREZ, Ana Lucía Olmos. (2020). ¿Cómo se gestionan la muerte y el duelo en situaciones de pandemia? Boletim Cientistas Sociais e o coronavírus, N. São Paulo, s/p.

JOHNSON-HANKS J. (2002). On the limits of life stages in ethnography: toward a theory of vital conjunctures. American Anthropologist, vol.104. n.3. S/l: pp.865-80.

LIRA, Luciana; SCOTT, Russel Parry; MEIRA, Fernanda. (2017). “Trocas, gênero, assimetrias e alinhamentos: experiência etnográfica com mães e crianças com síndrome congênita do Zika. Anthropológicas vol.28, n.2. Recife, pp.206-237.

MATOS, Silvana Sobreira de. (2020). “Unidos pelo contágio?” Novas precarizações das famílias que tem filhos com a Síndrome Congênita do Zika Vírus em tempos de pandemia da COVID-19. Boletim Cientistas sociais e o coronavírus, n.53. São Paulo, s/p.

MATOS, Silvana, QUADROS, Marion Teodósio; SILVA, Ana Claudia Rodrigues. (2019). “A negociação do acesso ao Benefício de Prestação Continuada por crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus em Pernambuco”. Anuário Antropológico, vol.44, n.2. Brasília: pp.229-260.

MELLO, Anahi Guedes de; NUERNBERG, Adriano Henrique. (2012). “Gênero e deficiência: interseções e perspectivas”. Estudos Feministas, vol.20, n.3. Florianópolis, pp:635-655.

MELLO, Anahí Guedes de. Gênero, (2014). Deficiência, Cuidado e Capacitismo: uma análise antropológica de experiências, narrativas e observações sobre violências contra mulheres com deficiência. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Florianópolis: PPGAS/UFSC.

ORTEGA, Francisco. (2009). Deficiência, autismo e neurodiversidade. Ciência & Saúde coletiva, vol.14, n.1 Rio de Janeiro, pp.67-77.

PIMENTA Denise. (2020). “Pandemia é coisa de mulher: Breve ensaio sobre o enfrentamento de uma doença a partir das vozes e silenciamentos femininos dentro das casas, hospitais e na produção acadêmica”. Tessituras, vol.8. n.1. Pelotas: pp. 08-12.

PIMENTA Denise. (2019). O cuidado perigoso: tramas de afeto e risco na Serra Leoa (A epidemia do ebola contada por mulheres, vivas e mortas). Tese de doutorado em Antropologia Social. 351f. São Paulo: PPGAS/USP.

QUADROS, Marion Teodósio de; MATOS, Silvana Sobreira de; SILVA, Ana Cláudia Rodrigues. (2019). “Emergência, cuidado e assistência à saúde de crianças com Síndrome Congênita do Zika vírus: Notas sobre os serviços de saúde e a atuação das mães, em Pernambuco”. Revista AntHropológicas,vol.30,n.2, pp.263-289.

SCOTT, Russell Parry; QUADROS, Marion Teodósio; SILVA, Ana Cláudia Rodrigues, LIRA, Luciana Campelo; MATOS, Silvana Sobreira; MEIRA, Fernanda; SARAIVA, Jeíza. (2017). “Epidemia de Zika e as articulações das mães num campo tensionado entre feminismo, deficiência e cuidados.” Cadernos Gênero e Diversidade, vol.3, n.2. Salvador, pp.73-92.

SCOTT, Russel Parry; LIRA, Luciana Campelo; MATOS, Silvana Sobreira de; SOUZA, Fernanda Meira; SILVA, Ana Claudia Rodrigues; QUADROS, Marion Teodósio. (2018). “Itinerários terapêuticos, cuidados e atendimento na construção de ideias sobre maternidade e infância no contexto da Zika.” Interface vol. 22, n.66, Botucatu, pp.673-684.

SCOTT. Russel Parry; LIRA, Luciana Campelo. (2020). “A gestão do tempo no tempo da emergência: o cotidiano das mães e crianças afetadas pela Síndrome Congênita do Zika”. Ayé: Revista de Antropologia v.2, nº 1. Buenos Aires, pp.14-29.

SCOTT. Russel Parry. (2020). “Sendo prioridade entre prioridades: Fortalecimento mútuo e desentendimentos na articulação de cuidados entre casa, serviços e áreas de conhecimento”. In SCOTT, Russel Parry; LIRA, Luciana Campelo; MATOS, Silvana Sobreira de. (orgs). Práticas sociais no epicentro da epidemia do Zika. Recife: EdUFPE, pp. 12- 24.

SEGATA, Jean. (2020). “Covid-19: escalas da pandemia e escalas da antropologia”. Boletim Cientistas sociais e o coronavírus, n.2. São Paulo, s/p.

SILVA, Ana Cláudia Rodrigues da; Matos, Silvana Sobreira de Matos; Quadros, Marion Teodósio. (2017). “Economia Política do Zika: realçando relações entre Estado e cidadão”. Anthropológicas vol.28, n.1. Recife, pp.223-246.

SILVA, Ana Cláudia Rodrigues da; LIRA, Luciana Campelo. (2020). “Questões sobre Antropologia e Emergências em Saúde: algumas palavras sobre a experiência do Zika Vírus e a Pandemia da Covid-19”. Boletim Cientistas Sociais e o coronavírus, n.31. São Paulo, s/p.

SILVA, Andreia Vicente da. (2020) “Velórios em tempos de Covid-19”. Boletim Cientistas Sociais e o coronavírus, n. 25. São Paulo, s/p.

VAN GENNEP, Arnold. (1978). Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes.

VEENA DAS, (1995). Critical events: An anthropological perspective on contemporary India. Delhi: Oxford University Press.

VON DER WEID, Olivia. (2020). ‘A escolha de Sofia’? Covid-19, deficiência e vulnerabilidade: Por uma bioética do cuidado no Brasil. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, suplemento Reflexões na Pandemia. Rio de Janeiro: pp. 1-20.

VON DER WEID, Olivia. (2018). “Entre o Cuidado e a Autonomia: deficiência visual e relações de ajuda”. Revista ANTHROPOLÓGICAS vol.29, n.2. Recife, pp.49-82.

WILLIAMSON, Eliza. (2020). “What Comes After COVID-19”. Somatosphere. s/l, s/p. Disponível em http://somatosphere.net/forumpost/what-comes-after-covid-19/

Downloads

Publicado

2020-10-05

Como Citar

Matos, S. S. de, & da Silva., A. C. R. (2020). Quando duas epidemias se encontram: a vida das mulheres que têm filhos com a Síndrome Congênita do Zika Vírus na pandemia da COVID-19. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(supl), 329-340. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp329-340

Edição

Seção

Artigos e Ensaios