Da guerra às drogas à guerra ao vírus: necropolítica e resistência na Cracolândia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp319-328

Palavras-chave:

Cracolândia, Necropolítica, Covid-19, Resistência

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar as formas de resistência presentes na Cracolândia paulistana diante da pandemia da Covid-19 e de suas consequências. Para tanto, nos valemos de documentos públicos e artigos acadêmicos sobre os temas abordados no sentido de descrever as ações de resistência, por parte de militantes e outros frequentadores daquele território. A análise dessas ações, ante a repressão policial e o ataque midiático à Cracolândia, foi empreendida tendo por referencial teórico as ideias de Achille Mbembe. Vimos como, apesar de marcados pela necropolítica, os usuários de crack, com militantes de diversas entidades e coletivos, negam diariamente, por vezes de modo festivo, o necropoder. Resistem por suas vidas com táticas de contenção da letalidade materializadas em oficinas de autocuidado, distribuição de alimentos e iniciativas de ajuda mútua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ygor Diego Delgado Alves, Universidade Federal de São Paulo

Pós-doutorando em Saúde Coletiva na Universidade Federal de São Paulo, com doutorado em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia, e mestrado e graduação em Ciências Sociais pela PUC São Paulo.

Pedro Paulo Gomes Pereira, Universidade Federal de São Paulo

Professor Livre Docente da Universidade Federal de São Paulo. Possui título de doutor e mestre em Antropologia pela Universidade de Brasília.

Referências

ADORNO, Rubens Camargo Ferreira; RUI, Taniele; SILVA, Selma Lima; MALVASI, Paulo Artur; VASCONCELLOS Maria da Penha; GOMES, Bruno Ramos; CALIL, Thiago Godoi. (2013). “Etnografia da cracolândia: notas sobre uma pesquisa em território urbano”. Saúde & Transformação Social, v. 4, n. 2, p. 04-13, 2013.

ALVES, Ygor Delgado. (2014). “A Cracolândia como ‘communitas’ e o frade craqueiro”. In: RAMMINGER, Tatiana; SILVA, Martinho (Orgs). In: Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede UNIDA.

ALVES, Ygor Delgado. (2017). Jamais fomos zumbis: contexto social e craqueiros na cidade de São Paulo. SciELO-EDUFBA.

ALVES, Ygor Delgado; PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. (2019). Sob fogo cruzado: antecedentes, construção e desmonte do programa De Braços Abertos na Cracolândia paulistana. Salvador: EDUFBA.

BALANÇO GERAL. (2020). Justiça nega pedido do Ministério Público para esvaziar a Cracolândia em SP. Youtube, 14 maio 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hom6YPYH3yQ . Acesso em: 14 maio 2020.

BENICIO, Luis Fernando de Souza; BARROS, João Paulo Pereira; RODRIGUES, Jéssica Silva; SILVA, Dagualberto Barboza da; LEONARDO, Camila dos Santos; COSTA, Aldemar Ferreira. (2018). “Necropolítica e pesquisa-intervenção sobre homicídios de adolescentes e jovens em Fortaleza, CE”. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. SPE2, p. 192-207.

BORTOLOZZI JUNIOR, Flávio. (2018). Resistir para re-existir: criminologia (d)e resistência diante do governamento necropolítico das drogas. 294f. Tese de Doutorado em Direito. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

CALIL, Thiago Godoi. (2016). “Relatos e imagens da cracolândia: modos de vida e resistência na rua”. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 5, n. 2, p. 91-102.

CIDADE ALERTA RECORD. (2020). “Cracolândia lotada gera preocupação em meio à pandemia de coronavírus”. Youtube, 20 mar. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KYqohwAQHWE . Acesso em: 11 maio 2020.

G1. (2020). Coronavírus não muda rotina nas cracolândias. Globo.com, 31 mar. 2020. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/videos/v/coronavirus-nao-muda-rotina-nas-cracolandias/8446857/ . Acesso em: 14 maio 2020.

LEMES, Conceição. “Morador: ‘Contra o coronavírus, aqui na Cracolândia, é bomba, muito bomba!’”. VIOMUNDO, 24 ABR. 2020. Disponível em: https://www.viomundo.com.br/denuncias/morador-contra-o-coronavirus-aqui-na-cracolandia-e-bomba-muito-bomba-video.html . Acesso em: 14 maio 2020.

LOPES, Carmen. (2020a). “Para as pessoas que tem me perguntado sobre o território da Cracolândia”. São Paulo, 25 mar. 2020. Facebook: Carmen Lopes. Disponível em: https://www.facebook.com/carmen.lopes.7547 Acesso em: 29 maio 2020.

LOPES, Carmen. (2020b). Ação no território da Cracolândia hoje!! São Paulo, 1 abr. 2020b. Facebook: Carmen Lopes. Disponível em: https://www.facebook.com/carmen.lopes.7547 Acesso em: 29 maio 2020.

MACRAE, Edward.; TAVARES, Luiz Alberto.; NUÑEZ, Maria Eugênia. (Orgs). (2013). Crack: contextos, padrões e propósitos de uso. Salvador: EDUFBA.

MBEMBE, Achille. (2016). “Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte”. Arte & Ensaios, vol.32, pp.123-151.

MEDEIROS, Flavia. (2017). “A necropolítica da ‘guerra’: tecnologias de governo, ‘homicídios’ e ‘tráfico de drogas’ na região metropolitana do Rio de Janeiro”. Abya Yala, v. 2, n. 2-2018, 2017.

MEDEIROS, Regina. (2015). “A epidemia do crack a quem interessa”. (2015). In: SUDBRACK, Maria Fátima Olivier; CONCEIÇÃO, Maria Inês Gandolfo; SILVA, Isabela Machado; LORDELLO, Sílvia Renata (Orgs). ABRAMD: compartilhando saberes, v. 1, p. 208-224.

NETO, Olegario da Costa Maya. (2018). “Necropolítica da colonialidade no Brasil: segregação e desumanização no Hospital Colônia de Barbacena e na Cracolândia, em São Paulo”. Meridional. Revista Chilena de Estudios Latinoamericanos, n. 11, p. 149-177.

OLIVEIRA, Nathália; RIBEIRO, Eduardo. (2018). “O massacre negro brasileiro na guerra às drogas”. SUR 28, v. 15, n. 28, pp35-43.

PINTO, Rodrigo Teixeira. (2015). “Transformando-se em zumbi: a representação monstruosa do usuário de crack”. Sociologias Plurais, vol.3, n.1, p.106-116.

RIBEIRO JÚNIOR, Antônio Carlos. (2016). “As drogas, os inimigos e a necropolítica”. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, n. 238, p. 595-610.

RUI, Taniele. (2014). “Usos da ‘Luz’ e da ‘cracolândia’: etnografia de práticas espaciais”. Saúde e Sociedade, vol.23, p. 91-104.

STOCHERO. Tatiana. “PM cancela autorização para bloco desfilar na Cracolândia; 'Vamos sair, faça chuva ou faça bomba', diz organizador”. G1, 21 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2020-10-02

Como Citar

Alves, Y. D. D., & Gomes Pereira, P. P. (2020). Da guerra às drogas à guerra ao vírus: necropolítica e resistência na Cracolândia. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(supl), 319-328. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp319-328

Edição

Seção

Artigos e Ensaios