Persistência e mudança em sociedades de "folk" no Brasil

  • Gioconda Mussolini Universidade de São Paulo

Resumo

No Brasil, e muito particularmente no Es-
tado de São Paulo, “zona velha” e “zona nova”
de povoamento são expressões que correspon-
dem não só a áreas geografìcamente distintas,
como também, pelo menos numa representa-
ção ideal, a dois tipos extremos em matéria de
estabilidade social e de sedimentação cultural.
Quanto à primeira, encontramo-nos no do-
mínio da integração cultural, da atividade ro-
tinizada, de um ajustamento mais equilibrado
do homem ao meio físico, onde ainda se pode
procurar pela vigência de “folk ways”, “folk
lore” e “folk songs” em pleno funcionamento
se se quiser caracterizar, pela sua posse, uma
população campesina ou rústica2. Quanto à
segunda, deparamos com aquele quadro típico
que levou Pierre Monbeig a dizer que nas zo-
nas pioneiras “em tôda a parte, na cidade como
no campo, o viajante sente que nada é estável,
nada é definitivo” (1952, p. 11). De um lado,
portanto, a pouca mobilidade espacial e uma
definição assentada da posição ecológica das
várias cidades que exercem função de “centros
de dominância” ou “capitais regionais”. De
outro, o verdadeiro nomadismo daqueles in-
divíduos que se habituaram a estar sempre no
extremo de um trilho de estrada de ferro, na
“boca do sertão”, no ponto da última arran-
cada da “marcha para o oeste”, muito embora
tenham deixado atrás de si a situação próspera
de outro centro ainda novo e promissor; zona
de intensa competição entre as várias cidades
pela disputa da posição de dominância sobre as
áreas circundantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gioconda Mussolini, Universidade de São Paulo
Professora da Cadeira de Antropologia/USP
Mestre em Ciências (Sociologia)/Escola Livre de Sociologia e Política

Publicado
2009-03-30
Seção
Especial