A razão da(s) língua(s). Na produção de conhecimento e na Educação superior.

  • María Teresa Celada Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Línguas, Inglês, Produção de conhecimento, Educação superior

Resumo

O presente artigo aborda questões relativas ao funcionamento, tanto no plano da produção de conhecimento quanto no da educação superior, da evidência segundo a qual "o inglês é a língua universal da ciência". Nesse sentido, após abordar as razões pelas quais essa vocação monolingue deve ser interrompida, traz propostas de inovação – fundamentalmente, a partir das formuladas por Hamel (2013, 2016) – focalizando a questão de que, no debate acadêmico contemporâneo, se torna fundamental refletir sobre o funcionamento da linguagem e abrir espaço para as diversas línguas nas práticas presentes nas referidas esferas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

María Teresa Celada, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professora doutora do Departamento de Letras Modernas / FFLCH/USP

Referências

Arnoux, Elvira Narvaja de. Minorización linguística y diversidad em torno al español y al portugués como lenguas científicas. In: Rinesi, E. (ed.). Hombres de una América Libre. Univesidad, inclusion social e integración cultural em Latinoamérica. Buenos Aires: Universidad Nacional de General Sarmiento, 2016.

Baldini, Lauro J. Discurso e cinismo. In: Mariani, B.; Medeiros, V. (orgs.). Discurso e... Rio de Janeiro: 7Letras-Faperj, 2012, p. 103-112.

Hamel, Rainer Enrique. El campo de las ciencias y la educación superior entre el monopolio del inglés y el plurilingüismo: Elementos para una política del lenguaje en América Latina. In: Cadernos de Lingüística Aplicada, 52.2, 2013, 321-384. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-18132013000200008>. Acesso em: 21 fev. 2017.

______. Los flujos del imperio. La construcción del monopolio del inglés en el campo de las ciencias y la educación superior – Alternativas desde América Latina, México: manuscrito, 2016. Disponível em: <http://hamel.com.mx/Archivos-Publicaciones/Hamel-2016-Los-flujos-del-imperio.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2018.

Milner, Jean-Claude. (1978). O amor da língua. (Trad. Paulo S. de Souza Jr.). Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

Nóvoa, António. Em busca da Liberdade nas Universidades, é tempo de dizer “não”. In: Revista da ADUSP, 60, maio de 2017.

Orlandi, Eni. A linguagem e seu funcionamento. São Paulo, Editora Brasiliense, 1983.

______. Interpretação, autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Rio de Janeiro: Vozes, 1996, 63-78.

Tatián, Diego. La lengua del saber. In: Página/12. Buenos Aires: Editorial La Página, 2012. Disponível em: <https://www.pagina12.com.ar/diario/universidad/10-206420-2012-10-26.html>. Acesso em: 20 fev. 2018

Zoppi-Fontana, Mónica. Slow science: A temporalidade da ciência em ritmo de “impacto”. In: Revista Leituras, v. 2., n. 56, 2015, 223-257.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Celada, M. T. (2018). A razão da(s) língua(s). Na produção de conhecimento e na Educação superior. Caracol, (16), 190-216. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i16p190-216