Possibilidades e (in)viabilidades do espanhol na educação básica: as leis da metade

  • Fernanda Peçanha Carvalho Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Língua espanhola, Políticas linguísticas, Acontecimento discursivo, Lei 13.415/2017, Análise do discurso

Resumo

Problematizamos neste artigo dois conjuntos de discursividades: os sistemas de enunciabilidade tanto da possibilidade quanto da (in)viabilidade do ensino-aprendizado de espanhol. Nosso corpus está constituído pela textualidade da Lei nº 11.161/2005,  Resolução nº 2.742/2015, Lei nº 13.415/2017 e por dizeres de professores de espanhol. Sob o paradigma discursivo-psicanalítico, a partir do viés interpretativista, acionamos a vertente francesa da Análise do Discurso com atravessamento da psicanálise e em diálogo com as Ciências Sociais (Pêcheux, 2008; Foucault, 2003, 2013). Desse modo, depreendemos os efeitos de sentido das discursividades das leis e as representações dos dizeres dos sujeitos-professores acerca desses dispositivos. Concluímos que a enunciabilidade da possibilidade ressignificou os conflitos decorrentes do processo de textualização da Lei do Espanhol. E que os dizeres da (in)viabilidade agravam assimetrias, reproduzem e legitimam desigualdades sociais, reduzindo as perspectivas de uma educação linguística plural nas escolas brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Peçanha Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda e mestra em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Licenciada em Letras, com habilitação em língua portuguesa e em língua espanhola. Formação em Magistério, nível médio técnico. Atualmente é professora de língua espanhola do Colégio Técnico da UFMG. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando, principalmente, nos seguintes temas: internacionalização de experiências escolares, análise do discurso franco-brasileira em interface com a psicanálise, ensino de línguas estrangeiras e letramentos.

Referências

Amaral, Eduardo Roque Tadeu; Almeida, Elizabeth Guzzo de. “Qual é o lugar do espanhol nas escolas de ensino médio de Minas Gerais?” In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PROFESSORES DE LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL, 1., 2010, Foz do Iguaçu. Anais do I CIPLOM. Foz do Iguaçu, 2010. 313-323.

Authier-Revuz, Jaqueline. “Heterogeneidade(s) enunciativa(s)”. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 19, jul./dez., 25-42, 1990. Disponível em: ‹http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/cel/article/view/3012/4095›. Acesso em: 02 fev. 2014.

Barros, Cristiano Silva de; Costa, Elzimar Goettenauer de Marins. Espanhol: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2010.

Bertoldo, Ernesto Sérgio. “Ensinar e aprender língua estrangeira: desafios pela problemática da subjetividade”. In: CAVALLARI, J. S.; UYENO, E. Y. (Orgs.). Bilinguismos: subjetivação e identificações nas/pelas línguas maternas e estrangeiras. Campinas: Pontes Editores, 2011. 337-343.

Bourdieu, Pierre. “Les trois états du capital culturel ”. In: Actes de la recherche en sciences sociales, Paris, n. 30, nov. 3-6, 1979. Disponível em: <https://www.persee.fr/doc/arss_0335-5322_1979_num_30_1_2654>. Acesso em 05 jul. 07 2018.

Brasil (a). Lei Nº 11.161, de 05 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Palácio do Planalto, Brasília, DF, 05 ago. 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11161.htm>. Acesso em: 28 mar. 2019.

Brasil (b). Lei 13.415/2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20152018/2017/Lei/L13415.htm#art22>. Acesso em 27 mar. 2019.

Brasil (c). LDB 9697. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

Canclini, Néstor García. A globalização imaginada. Tradução de Sérgio Molina. 2. ed. São Paulo: Iluminuras, 2003.

Carvalho, Fernanda Peçanha. Representações dos professores de espanhol a respeito da lei federal nº 11.161 e do ensino da língua após sua promulgação. 2015. 185 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

Dahlet, Patrick. “(Re)produzir o inquestionável: nominalização, generalização e naturalização no discurso neoliberal”. In: EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 8, 206-221, jun. 2015.

Eckert-Hoff, Beatriz Maria. O dizer da prática na formação do professor. Chapecó: Argos, 2002.

Foucault, Michel. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2013.

Foucault, Michel. (1973). A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Moraes. 3ª ed. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2003. 158 p. Título original: La vérité et les formes juridiques.

Kumaravadivelu, Bala. “A Linguística Aplicada na era da globalização”. In: Moita Lopes, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MINAS GERAIS (a). RESOLUÇÃO SEE Nº 2.742, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Disponível em: <http://www2.educacao.mg.gov.br/images/documentos/2742-15-r.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

Minas Gerais (b). Resolução Nº 2.742/2015. In: Diário do Executivo, 23/01/2015. p. 9 Disponível em: http://jornal.iof.mg.gov.br/xmlui/handle/123456789/137325. Acesso em: 29 mar. 2019.

Orlandi, Eni de Lourdes Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 6. ed. Campinas: Pontes, 2007.

Pêcheux, Michel. A análise do discurso: três épocas. In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. Unicamp, 2010. 307-315.

Pêcheux, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni P. Orlandi. 5. ed. Campinas: Pontes, 2008.

Reis, Isabel Martins. O lugar da língua espanhola em escolas de ensino técnico: um olhar crítico sobre a implantação da disciplina em Minas Gerais. Dissertação. 149f. (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

Rodrigues, Fernanda Castelano. Língua viva, letra morta: obrigatoriedade e ensino de espanhol no arquivo jurídico e legislativo brasileiro. São Paulo: Humanitas, 2012.

Santos, Boaventura de Souza (Org). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2011.

Publicado
2020-06-24
Como Citar
Carvalho, F. (2020). Possibilidades e (in)viabilidades do espanhol na educação básica: as leis da metade. Caracol, (19), 676-703. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i19p676-703