Os diferentes olhares das descrições dos estudos linguísticos sobre o espanhol no Brasil: um passo a mais na questão da distância

  • Maria Mercedes Riveiro Quintans Sebold Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Géssica Santana de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Línguas próximas, Distância textual, Estratégias de retomada, PB, Variedade de Medelín

Resumo

Os estudos descritivistas possuem uma sólida tradição nos estudos linguísticos do espanhol no Brasil. Nosso objetivo é retomar a relação entre o espanhol e o PB considerando a distância textual. Para isso, comparamos alguns dados de entrevistas do PB e da variedade do espanhol de Medelín. Com relação aos antecedentes mais distantes, a estratégia de retomada por SN foi a mais selecionada tanto no PB quanto no espanhol de Medelín. No que diz respeito aos antecedentes mais próximos, encontramos uma particularidade. No PB, ao contrário do esperado, a estratégia mais produtiva foi a retomada por SN, com uma oração entre antecedente e o elemento anafórico. Na variedade de Medelín, embora a estratégia mais selecionada tenha sido a retomada por clítico, também encontramos um número bem próximo de retomada por SN. Chamou-nos a atenção que na variedade analisada (tal como no PB) encontramos grandes distâncias entre antecedente e elemento anafórico

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Mercedes Riveiro Quintans Sebold, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Letras Português Espanhol pela Universidade Federal Fluminense (1988), mestrado em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994) e doutorado em Línguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Atualmente é Diretora Adjunta de Pós Graduação da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando principalmente nos seguintes temas: espanhol língua estrangeira, aquisição de língua estrangeira, sintaxe do espanhol, formação de professores, ensino- aprendizagem de língua estrangeira e línguas próximas.

Géssica Santana de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Géssica Santana de Oliveira é graduada em Letras - Português/Espanhol pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2017). Possui Mestrado em Letras Neolatinas pela mesma instituição (2019). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas (Língua Espanhola).

Referências

Becker, Idel. Manual de Español. São Paulo: Nobel, 71ª. ed, 1984.

Celada, Maria Teresa. O espanhol para o brasileiro: uma língua singularmente estrangeira. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP: 2002.

Crystal, David. Dicionário de linguística e fonética. Tradução e adaptação: Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

Fant, Lars M. “Procesos anafóricos y valor enfático en el español hablado”. In: Español Actual: Revista de español vivo. Madri: Editorial La Muralla, nº 43, 1985, 5-26.

Glossary of Linguistics Terms. Disponível em: https://glossary.sil.org/term. Acesso em setembro de 2018.

Kulikowski, Maria Zulmo Moriondo y González, Neide T. Maia. “Español para brasileños. Sobre por dónde determinar la justa medida de una cercanía”. In: Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos, IX. Brasília, Consejería de Educación y Ciencia de la Embajada de España en Brasil, 1999, 11-19.

Huang, Yan. “Anaphora and the Pragmatics-Syntax Interface”. In: HORN, L. R. & WARD, G. (ed) The Handbook of Pragmatics. USA: Blackwell Publishing Ltd, 2004, 2006, 288-314. Disponível em: http://dl.icdst.org/pdfs/files/672c9963977dc12889ec5d10efb832fb.pdf. Acesso em: Julho de 2017.

Maia González, Neide Therezinha. “Cadê o pronome? - O gato comeu. Os pronomes pessoais na aquisição/aprendizagem do espanhol por brasileiros adultos”. Tese de doutorado, FFLCH/USP, São Paulo: 1994a, inédita.

Maia González, Neide Therezinha. “Pero ¿qué gramática es está? Los sujetos pronominales y los clíticos en la interlengua de brasileños adultos aprendices de Espanhol/LE”. In: RILCE 14.2: Español como lengua extranjera: investigación y docência, 243-263. Pamplona: Universidad de Navarra, 1998.

Maia González, Neide Therezinha. “ La expresión de la persona en producción de español lengua extranjera de estudiantes brasileños: perspectivas de análisis.”. In: TROUCHE, A. L. G. y L. F.REIS (orgs.). Hispanismo 2000. Brasília, Ministerio de Educación, Cultura y Deporte/ABH, 2001, vol 1, 239-256.

Maia González, Neide, Therezinha. “Quantas caras tem a transferência? Os clíticos no processo de aquisição/aprendizagem do Esppanhol/Língua Estrangeira”. In: BRUNO, F. C.(org.) et alii: Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras: reflexão e prática. São Carlos (SP), Claraluz, 2005, 53-70.

Nascentes, Antenor. Gramática da língua espanhola. 5ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1920/1943.

Nebrija, Elio Antonio de. Gramática de la lengua castellana. Estudio y edición de Antonio Quilis. Madrid: Nacional, 1984.

Oliveira, Géssica Santana de. “O preenchimento dos slots e as diferentes estratégias de retomada do objeto direto anafórico no espanhol de Medellin”. In: Anais do X Congresso Brasileiro de Hispanistas, V. 1, Ensino de Línguas e Estudos de Linguagem – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão – SE, ISBN: 978-85-66188-16-5, 2019a, p. 89-99.

Palacios Alcaine, Azucena. “Variación sintáctica en el sistema pronominal del español paraguayo”. In: Anuario de Lingüística Hispánica, XIV, 1998.

Palacios Alcaine, Azucena. “El sistema pronominal del español Paraguayo: un caso de contacto de lenguas”. In: J. Calvo (ed.): Contacto de lenguas en América: el español en el candelero. Frankfurt-Madrid, Vervuert-Iberoamericana, 2000.

Pinheiro-Correa, Paulo. “Clíticos de acusativo que duplicam SN’s em espanhol: natureza, funções e representação sintática”. Estudos Linguísticos (São Paulo), v. 32, p. 191, 2003.

Pinheiro-Correa, Paulo. A expressão da mudança de estado na interlíngua de aprendizes brasileiros de espanhol. Tese de Doutorado, UFRJ, Rio de Janeiro: 2007.

Fanjul, Adrián Pablo. Deslocando a Proximidade. Discursividade no contato português-espanhol. Tese de Doutorado, UNESP, São Paulo: 2002.

Fanjul, Adrián Pablo. “Português-Espanhol: línguas próximas sob o olhar discursivo”. Claraluz: São Paulo, 2002.

PRESEEA (2014): Corpus do Proyecto para el Estudio Sociolingüístico del Español de España y de América. Medellin: Universidade de Antioquia. Disponível em: . Acesso em: 2015.

PROJETO NURC-RJ: Projeto Norma Linguística Urbana Culta –RJ. Disponível em: http://www.nurcrj.letras.ufrj.br/home.htm. Acesso em 2018.

Sebold, Maria Mercedes Riveiro Quintans. Retomada do objeto em espanhol e no PB e o aprendizado do espanhol l2 por falantes brasileiros, Tese de Doutorado, UFRJ, Rio de Janeiro: 2005.

Vázquez Rozas, Victoria. “Algunas reflexiones sobre el cálculo de la distancia referencial”. In: D.E.L.T.A, 20:1, 2004, p. 27-47. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/delta/article/view/37862/25568>. Acesso em 2017.

Publicado
2020-06-24
Como Citar
Sebold, M. M., & Oliveira, G. (2020). Os diferentes olhares das descrições dos estudos linguísticos sobre o espanhol no Brasil: um passo a mais na questão da distância. Caracol, (19), 38-65. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i19p66-109