O processo maquínico primitivo: Pierre Clastres em "Mil platôs"

  • Sandro Kobol Fornazari UNIFESP

Resumo

Partindo da apresentação das principais teses da etnologia de Pierre Clastres, onde se desenvolve o tema da máquina de guerra primitiva, o artigo procura analisar a influência desse pensamento em Mil platôs, de Deleuze e Guattari, mostrando de que modo eles abordam a recusa do evolucionismo para determinar o surgimento do Estado, preocupação presente também em Clastres. Mas, essa influência se faz presente sobretudo na definição do conceito de processo maquínico das sociedades primitivas a partir do mecanismo de conjuração-antecipação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Kobol Fornazari, UNIFESP

Departamento de Filosofia

Coordenador do Grupo de Pesquisa em Filosofia da Diferença - Unifesp

Referências

CLASTRES, H. Terra sem mal. Tr. Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 1978.

CLASTRES, P. Arqueologia da violência – pesquisas de antropologia política. Tr. Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

_______. A sociedade contra o Estado – pesquisas de antropologia política. Tr. Theo Santiago. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs – Capitalismo e esquizofrenia. Vol.5. Tr. Janice Caiafa; Peter P. Pelbart. São Paulo: 34, 2002,

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Fornazari, S. (2018). O processo maquínico primitivo: Pierre Clastres em "Mil platôs". Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(33), 21-30. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/142605
Seção
Artigos