Elogio à masturbação: materialismo e saúde em Diderot

  • Paulo Jonas de Lima Piva CCNH/UFABC

Resumo

Resumo: Partindo da premissa ontológica de que a realidade é única e essencialmente matéria e que o ser humano é tão-somente corpo, o filósofo francês Denis Diderot (1713-1784) desenvolveu, sobretudo no decorrer da sua maturidade filosófica, uma ética hedonista, baseada na moderação dos prazeres e na preocupação com a utilidade pública. Simultaneamente eudemonista, essa perspectiva materialista entende a felicidade como um estado psicofisiológico, mais precisamente como uma necessidade orgânica que depende da saúde do corpo que constitui e que consiste no próprio indivíduo. É quando, na sua Continuação da conversa, de 1769, Diderot se faz médico e, de forma inusitada, provoca uma reflexão de alcance ético sobre a masturbação. É desta reflexão filosoficamente heterodoxa e dos seus desdobramentos éticos que trata este artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-20
Como Citar
Piva, P. (2018). Elogio à masturbação: materialismo e saúde em Diderot. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(33), 65-78. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/150483
Seção
Artigos