A arqueologia e a política do antihumanismo

Palavras-chave: Foucault, Arqueologia, Prática, Representação, Humanismo

Resumo

Trata-se de interpretar a arqueologia como uma prática ao analisá-la como um método que pretende não apenas circunscrever os campos discursivos que tornam possíveis os saberes de cada tempo, mas também definir aquilo que se localiza na fronteira do que é pensável em cada um desses campos. Ao descrever os limites do pensável, torna-se tarefa do arqueólogo também tornar possível o impensável por meio da experiência da diferença. Pretendemos, assim, identificar esse movimento do pensamento foucaultiano, que certa tradição acadêmica identifica como “ anti-humanista ”, ao descrevermos o círculo antropológico que caracteriza a episteme moderna em As palavras e as coisas, a consequente crítica de Foucault a esse problema e sua posterior solução em textos que iniciam seu percurso genealógico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Pimentel Figueira Anastacio, Universidade de São Paulo
Formada em Direito pela FGV-SP. Atualmente realizo mestrado sobre o pensamento de Michel Foucault no Departamento de Filosofia da USP, sob orientação do prof. Pedro Paulo Pimenta.

Referências

BURGELIN, P. “L’archéologie du savoir”. In: Esprit, n° 5, 1967, pp. 843-886.

CANGUILHEM, G. “Mort de l'homme ou épuisement du cogito?”. In: Critique, n° 24, 1967, pp. 599-618.

DELEUZE, G. Foucault. Tradução de Claudia Martins. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G. Nietzsche et la philosophie. Paris: Presses universitaires de France, 1962.

FOUCAULT, M. Naissance de la clinique. Paris: Presses Universitaires de France, 1963.

FOUCAULT, M. Les mots e les choses Paris: Éditions Gallimard, 1966.

FOUCAULT, M. L’archéologie du savoir. Paris: Tel Gallimard, 1969.

FOUCAULT, M. L’ordre du discours: Leçon inaugurale au Collège de France. Paris: Gallimard, 1971.

FOUCAULT, M. Dits et écrits I. 1954-1969. Paris: Éditions Gallimard, 1994.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. Curso no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HAN, B. L’Ontologie manquée de Michel Foucault, entre l’historique et le transcendantal. Grenoble, Jérôme Million, 1998, pp. 66-117.

KANT. Os progressos da metafísica. Tradução de Artur Morão. Lisboa: edições 70, 1995.

LEBRUN, G. “Notes sur la phénoménologie dans Les Mots et les Choses”. In: Michel Foucault, philosophe, Rencontre internationale, Paris, 9, 10, 11 janvier 1988, Paris, Seuil, Des Travaux, 1989, pp. 33-53.

MACHADO, R. Ciência e Saber: a trajetória da arqueologia de Michel Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

MACHADO, R. Foucault, a ciência e o saber. 3ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

MANIGLIER, P. The order of things. In: A companion to Foucault. New York, NY: Wiley-Blackwell, 2013. pp. 104-121.

NIETZSCHE. Werke. Berlin: Walter de Gruyer & Co, 1968.

NIETZSCHE. Werke. Sobre verdade e mentira no sentido extramoral. Tradução de Fernando de M. Barros. São Paulo: Hedra, 2008.

NIETZSCHE. Werke. Assim falou Zaratustra. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

PALTRINIERI, L. L’Expérience du concept, Michel Foucault entre épistémologie et histoire. Paris: P.U.S., 2012, pp. 120-144.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Anastacio, L. (2019). A arqueologia e a política do antihumanismo. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(35), 200-215. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i35p200-215
Seção
Foucault, Políticas da arqueologia – 50 anos de A arqueologia do Saber (1969)