Arqueologia e Magia

  • Tiago Brentam Perencini Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Marília
Palavras-chave: Arqueologia, Magia, Enunciado, Assinatura, Michel Foucault

Resumo

A natureza não deixa nada sem assinar. Parece haver, no gesto da emissão de sinais, um propósito ético que pouco pode ser compreendido à luz das ciências humanas. Pensando diferente do registro científico, o objetivo geral deste artigo será descrever o jogo de penumbra pela qual a arqueologia de Michel Foucault aproxima-se do paradigma da magia. A magia é uma prática espiritual consigo, com o outro e com o mundo, que não se pode reduzir à representação e à significação. A hipótese que levanto busca averiguar em que medida o paradigma da magia é presente nos escritos arqueológicos de Michel Foucault, ainda que o pensador francês pouco se refira diretamente a ele, tarefa que implica uma escavação sobre os rastros deixados nas entrelinhas de seu pensamento, como fez seu contemporâneo Giorgio Agamben. Para tanto, enfocarei a ressonância existente entre os conceitos de (a) enunciado e assinatura e (b) a priori histórico e mana. Sabemos que enunciado e a priori histórico são dois operadores centrais ao pensamento arqueológico. Minha tarefa será mostrar que eles são íntimos à assinatura e à mana, ambas noções provenientes do campo da magia. Não será difícil percebermos que a arqueologia bebe no paradigma da magia ao ponto de se embriagar, o que permite pensar com saberes e práticas que foram eclipsados desde o pensamento secularizado e o iluminismo. Dessa maneira, a Arqueologia se inscreve como um ethos ainda a ser desvendado, espécie de anticiência das assinaturas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, G. Signatura rerum – sobre el método. Córdoba: Adriana Hidalgo Editora, 2009.

AGAMBEN, G. O fogo e o relato: ensaios sobre criação, escrita, arte e livros, trad. Andrea Santurbano, Patricia Peterle, 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

BENJAMIN, W. Destino e caráter. In: Iluminationem. Frankfurt: Fischer Verlag, 1981.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura, obras escolhidas vol. 1, Trad. Sergio Paulo Rouanet, 3ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

CARVALHO, A. F. “Foucault e a espiritualidade como o real da filosofia: do ultrapassamento de si ao ultrapassamento do mundo”. Fermentario, nº 8, Vol. 2, p. 1 – 16, 2014.

CARVALHO, A. F. Anarqueologia e aleturgia em Foucault: ¿e se as verdades fossem outras para a educação? In: CORTÉS, O. P.; VACA, M. T. S.; BERNAL, O. O. E; (org). Pensar de outro modo. Herramientas filosóficas para investigar en educación. Tunja, Editorial UPTC: 2017.

DELEUZE, G. Foucault. Trad. Claudia Sant’Anna Martins; revisão Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2013.

DELEUZE, G. La subjetivación: curso sobre Foucault III, 1ª ed., Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Cactus, 2015.

DÍAZ, E. A filosofia de Michel Foucault. Trad. Cesar Candiotto, 1ª ed. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

DREYFUS, H. RABINOW, P. Michel Foucault: Uma Trajetória Filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

DOSSE, F. Renascimento do acontecimento: um desafio para o historiador: entre Esfinge e Fênix. Trad. Constancia Morel, São Paulo: Editora Unesp, 2013.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax, São Paulo, Elefante, 2017.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail, 8ª ed., Martins Fontes: São Paulo, 2002.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves, 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos II. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Org. e Sel. De Textos Manoel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro, 2ª ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008b.

FREITAS, A. S. de. “O cuidado de si e os perigos de uma ontologia ainda sem cabimento: o legado ético-espiritual de Foucault”. Pro-posições. v. 25, nº 2 (74), p. 121-138, maio-ago, Campinas-SP, 2014.

GERNET, L. Antropología de la Grecia Antigua. Madrid: Taurus, 1984.

GROS, F. Desobedecer. Trad. Célia Euvaldo, São Paulo: Ubu Editora, 2018.

LECOURT, D. A Arqueologia e o Saber. In: O Homem e o Discurso: A arqueologia de Michel Foucault. 2ª ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

MACHADO, R. A arqueologia do saber e a constituição das ciências humanas. Ano V, nº 5. São Paulo: Revista Discurso (USP), 1974.

MACHADO, R. Foucault, a ciência e o saber. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

PERENCINI, T. B. “O enunciado no pensamento arqueológico de Michel Foucault”. Kínesis, v.VII, nº 15, p. 135–150, Marília-SP, 2015.

PERENCINI, T. B. Uma arqueologia do ensino de filosofia no Brasil: Formação discursiva na produção acadêmica de 1930 a 1968. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017.

PERENCINI, T. B. “Tarot como prática possível ao processo de individuação”. Revista Jung Marília, Vol. 1, n. 1, p. 10-34, Marília-SP, 2018.

STENGERS, I. No tempo das catástrofes – resistir à barbárie que se aproxima, Trad. Eloisa Araújo Ribeiro, São Paulo: Cosac Naify, 2015.

STENGERS, I. “Reativar o animismo”. Cadernos de Leitura, nº 62, Belo Horizonte: Edições Chão da Feira, 2017.

VEYNE, P. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Trad. Marcelo Jacques de Morais, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Perencini, T. (2019). Arqueologia e Magia. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(35), 232-249. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i35p232-249
Seção
Foucault, Políticas da arqueologia – 50 anos de A arqueologia do Saber (1969)