Democracia como Antiutopia

Autores

  • Douglas Ferreira Barros

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v1i36p49-60

Palavras-chave:

democracia, utopia, liberdade, não-dominação, agonismo

Resumo

O objetivo do artigo é estudar concepções da democracia como uma antiutopia. Pretendemos
observar o estatuto das relações estabelecidas entre cidadãos e o poder político para mostrar como estas
versões rebaixam as expectativas quanto às promessas do bom governo ou das ficções políticas. Não
se trata aqui de fazer o recenseamento das democracias contemporâneas. Pretendemos destacar duas
acepções para diferenciá-las das ficções políticas ideais e dos modelos utópicos. Na democracia, a
condução do poder político e a ordenação do todo social é demarcada por interrupções e desajustes
constantes. Seja para negar a dominação desmedida do poder político sobre os cidadãos, seja para
afirmar a pertinência dos conflitos, democracias como antiutopias se afastam do ideal de uma sociedade
reconciliada e estática. As mudanças, os impasses e a superação de desafios não demarcam avanços
necessários ou recuos definitivos. A sua trajetória histórica não descreve um percurso teleológico com
vistas a atingir o bem superior. A passagem entre momentos históricos não ocorre como resultado de
uma acumulação de resultados do passado que mira a transição para a redenção definitiva de mazelas
políticas. Partimos da questão: em que sentido a democracia como forma de ordenamento social e de
estrutura do poder político é um modelo antiutópico? Nossa hipótese é que as acepções mencionadas
a seguir advogam em favor de um realismo filosófico político, apresentando a democracia como
experiência política que demanda a constante indagação e reformulação acerca dos limites da liberdade
dos cidadãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTHUSSER, L. Política e História. – de Maquiavel e Marx. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
BERLIN, I. Limites da Utopia – ensaios de história das ideias. São Paulo: Companhia das Letras,
1991.
CLAEYS, G. Utopia – a história de uma ideia. São Paulo: Edições SescSP, 2013.
ESPINOSA, B. Tratado Político. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.
MAQUIAVEL, N. Tutte le Opere. Firenze: Sansoni, 1992.
MOUFFE, Ch. The Democratic Paradox. London: Verso, 2000.
PETTIT, P. On the people’s terms - A Republican Theory and Model of Democracy. Cambridge:
Cambridge University Press - Edição do Kindle, 2012.
RODRIGUES, L. La comunidad o la interrupción de la palavra fundadora. In.: Spinoza –
octavo colóquio. Córdoba: Editorial Brujas, 2012. pp. 41-52.

Downloads

Publicado

2020-06-28

Como Citar

Ferreira Barros, D. (2020). Democracia como Antiutopia. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 1(36), 49-60. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v1i36p49-60

Edição

Seção

Dossiê - Leituras do Iluminismo

Dados de financiamento