Política agrária brasileira pós 64 e sua relação com a redução do trabalhador rural à condição análoga à de escravo

  • Luiz Augusto Silva Ventura do Nascimento Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Trabalho em condições análogas à de escravo – política agrária – reforma agrária – Estado

Resumo

O presente estudo objetiva mapear, a partir de 1964, como a falta de uma política agrária nacional direcionada à distribuição de terras e com condições de propiciar autonomia ao trabalhador rural contribuiu para a formação de um contingente suscetível à exploração do trabalho rural em condição análoga à de escravidão presente até os dias atuais. Trata-se de pesquisa qualitativa com base em revisão bibliográfica sociológica e política para a construção de uma análise crítica. Por fim, conclui-se que as ações do Estado pró-ativo da modernização contribuíram para impedir a melhoria da condição de vida do homem do campo e para empobrecê-lo e sujeitá-lo ao trabalho em condições análogas à de escravo. Não houve planejamento social ou viabilização de condições para autonomia e independência do trabalhador rural – falta de acesso à terra

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Augusto Silva Ventura do Nascimento, Universidade Estadual de Londrina
Mestrando do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina (UEL)
Publicado
2015-06-04
Como Citar
Nascimento, L. A. (2015). Política agrária brasileira pós 64 e sua relação com a redução do trabalhador rural à condição análoga à de escravo. Cadernos CERU, 25(2), 107-130. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/98766
Seção
Dossiê Amazônia