Lendo Celan no Brasil: a recepção de Celan em "Logocausto", de Leandro Sarmatz

  • Odelia Hitron Freie Universität Berlin
Palavras-chave: Paul Celan, Leandro Sarmatz, pós-memória, tradução, presente.

Resumo

Este artigo aborda a recepção de Paulo Celan no cenário poético brasileiro contemporâneo, tomando como exemplo a poética típica de Celan presente em Logocausto (2009), de Leandro Sarmatz. Sugiro que os dois poetas compartilham de uma preocupação profunda com a destruição do judaísmo europeu, que moldou suas respectivas poéticas de maneira semelhante. Minha análise investigará o motivo poético de presentear e retratará o processo de recepção como um modo de aceitação ou de recusa do presente, neste caso, tratando-se de um corpus linguístico. Em termos históricos, a recepção de Paul Celan em português deve ser analisada em termos de posicionamento da voz poética: enquanto Celan constrói uma poética da extinção a partir da perspectiva do testemunho – isto é, a partir da linguagem do evento – Sarmatz a descreve a partir da perspectiva de um observador envolvido, porém estranho, um tradutor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odelia Hitron, Freie Universität Berlin
Atualmente, é bolsista da Gulbenkian e doutoranda no Instituto de Línguas e Literaturas Românicas da Freie Universität de Berlim.
Publicado
2015-04-29
Como Citar
Hitron, O. (2015). Lendo Celan no Brasil: a recepção de Celan em "Logocausto", de Leandro Sarmatz. Cadernos De Língua E Literatura Hebraica, 1(12). https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.cllh.2015.97553
Seção
LITERATURA HEBRAICA E JUDAICA