Um observatório de imprensa na Amazônia: o papel educativo do Lacrima

  • Rafael Bellan Rodrigues de Souza Universidade Federal do Amazonas
Palavras-chave: Observatórios, Media Watching, Educação, Contra-Hegemonia, Amazônia

Resumo

O texto relata a experiência educativa do Laboratório de Crítica de Mídia do Amazonas (Lacrima), debatendo o papel dos observatórios de imprensa na formação da audiência ativa. Parte de uma aprendizagem não escolar, por meio dos observatórios críticos de mídia ventila-se uma superfície de comunicação unificada entre especialistas e não iniciados, em que são compartilhados saberes que podem ampliar a consciência sobre as relações entre mídia e poder. Iniciativa acadêmica associada ao curso de Jornalismo da UFAM, o observatório constituiu-se como uma mídia radical alternativa na cidade de Parintins (AM), objetivando não apenas o exercício do media watching, mas também o aprendizado do público no sentido da construção de uma contra-hegemonia comunicacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Bellan Rodrigues de Souza, Universidade Federal do Amazonas
Professor adjunto do curso de Comunicação Social/Jornalismo do Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia (ICSEZ) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), em Parintins (AM). Possui doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), mestrado em Comunicação Midiática pela Unesp (2006) e graduação em Comunicação Social - Jornalismo também pela Unesp (2003). Lidera o Grupo de Pesquisa Estudos Sociais Interdisciplinares do Baixo Amazonas. Tem experiência nas áreas de Comunicação, Jornalismo e Sociologia, atuando principalmente nos seguintes temas: mídia, comunicação alternativa, ideologia, teoria e ética do jornalismo, produção de sentido, marxismo e movimentos sociais.

Referências

BRAGA, José Luiz. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo: Paulus, 2006.

CHRISTOFOLETTI, Rogério & MOTTA, Luiz Gonzaga. Observatórios de Mídias: olhares da cidadania. São Paulo: Paulus, 2008.

DOWNING, John D.H. Mídia radical: Rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. São Paulo: Editora Senac, 2002.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Editora Insular, 2012.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

KELLNER, Douglas e SHARE, Jeff. Educação para a leitura crítica da mídia, democracia radical e a reconstrução da educação. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 104 - Especial, p. 687-715, out. 2008.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

MORAES, Dênis de. Mídia, poder e contrapoder. Da concentração monopólica à democratização da informação. São Paulo: Editora Boitempo, 2013.

MORAES, Dênis de. Comunicação, hegemonia e contra-hegemonia: a contribuição teórica de Gramsci. Debates, Porto Alegre, v.4, n.1, p. 54-77, jan.-jun. 2010. RAMONET, Ignácio. A explosão do jornalismo: das mídias de massas à massa de mídias. São Paulo: Publisher Brasil, 2012.

ROMANO, Vicente. La formación de la mentalidad sumisa. Madrid: Ensayo, 1998.

ROTHBERG, Danilo. O conceito de enquadramento e sua contribuição à crítica de mídia. In: CHRISTOFOLETTI, Rogério (Org.).Vitrine e vidraça: crítica de mídia e qualidade no jornalismo. Covilhã, UBI, LabCom, Livros LabCom, 2010.

SOUZA, Rafael Bellan Rodrigues de. A radiodifusão aberta e a democratização da comunicação no lulismo: hegemonia dos coronéis eletrônicos. Animus: Revista Interamericana de Comunicação Midiática. v.14, n. 28, 2015.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. Volume I: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2005.

Publicado
2016-05-02
Como Citar
Souza, R. (2016). Um observatório de imprensa na Amazônia: o papel educativo do Lacrima. Comunicação & Educação, 21(1), 127-136. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v21i1p127-136