O jornalismo e os professores: os jogos de imagens

  • Katia Zanvettor Ferreira Universidade do Vale do Paraíba
Palavras-chave: professores, discurso jornalístico, ideologia

Resumo

Este trabalho pretende fazer uma reflexão acerca das intersecções entre o professor e o jornalismo, trazendo uma reconstrução das imagens do professor que predominam nas publicações dos jornais. A análise dos textos nos mostrou que um dos recursos utilizados pelo jornalismo para produzir uma imagem positiva de si é o apoio em um discurso de cientificidade, com base no uso de fontes de informação, que reforça a perspectiva de que seus discursos são representações objetivas da realidade. Outra conclusão a que chegamos foi que a imagem dos professores continua se constituindo sob uma perspectiva negativa, acrescida de um dado novo, que é a crescente proposição de exclusão dos professores e substituição desses profissionais por outros melhores, como saída para os problemas da educação. Neste artigo, pretendemos problematizar essas duas conclusões, apresentando em primeiro lugar os dados sobre as fontes de informação no jornalismo quando se trata de educação e, em segundo lugar, apresentar a análise dos textos jornalísticos e os sentidos construídos para o professor no jornal hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia Zanvettor Ferreira, Universidade do Vale do Paraíba

Pesquisadora colaboradora junto ao Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade (Nudecri/Unicamp) e professora do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Paraíba (Univap).

Referências

ANJOS, Cleriston Izidro dos. A educação infantil representada: uma análise da revista Nova Escola (2005-2007). Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2008.

BARBARA, L.; BERBER-SARDINHA, T. Professor: A imagem projetada na imprensa. Ilha do Desterro. (UFSC), v. 17:2, 2004, p. 117-125.

BARZOTTO, V. H. Olhares oblíquos sobre sentidos não muito dissimulados. In: GREGOLIN, Maria do Rosário; BARONAS, Roberto. (Org.) Análise do Discurso: as materialidades do sentido. São Carlos-SP: Claraluz, 2001, p. 205-217.

_______________. Leituras de revistas periódicas: forma, texto e discurso. Uma leitura da revista Realidade (1966-1976). Tese de doutorado. Campinas, Unicamp, 1998.

CARMAGNANI, A. M. G. Técnicas de Vigilância e Punição: O discurso da mídia sobre o professor e a escola. Verso & Reverso. Rio Grande do Sul, v.2, 2004, n. 39, p.1-13.

FERREIRA, R. Entre o sagrado e o profano: o lugar social do professor. Rio de Janeiro: Quartet, 3 ed., 2002.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. da Unicamp, 2009.

_______________.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2010.

______________. A Análise do Discurso: três épocas. In: GADET, F.; HAK. T. Por uma Análise Automática do Discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. da Unicamp, 1997.

ROCHA, Andreza Roberta. Relatos de experiência publicados na revista Nova Escola (2001-2004): modelo de professora ideal. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2007.

Publicado
2016-12-16
Como Citar
Ferreira, K. (2016). O jornalismo e os professores: os jogos de imagens. Comunicação & Educação, 21(2), 49-57. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v21i2p49-57