O jovem Boal e a censura ontem e hoje

  • Celso Frederico Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Filha moça, Augusto Boal, censura, teatro, editais

Resumo

O artigo parte da análise da peça teatral Filha moça, escrita em 1956 pelo dramaturgo Augusto Boal, para ser montada pelo Teatro Experimental do Negro. A peça, que foi totalmente censurada antes mesmo de ser encenada, a exemplo de vários espetáculos da época, dificilmente seria censurada hoje. Embora não se apresenta de forma brutal e direta, como naquela época, a censura da atualidade aparece de outras maneiras mais sutis, mas nem por isso menos eficazes. Os editais, que derivam do poder econômico e do controle público ou privado dos meios de divulgação artística, são, por ironia, uma conquista da classe teatral e também uma forma de censura. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celso Frederico, Universidade de São Paulo

Professor titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. 

Publicado
2016-12-16
Como Citar
Frederico, C. (2016). O jovem Boal e a censura ontem e hoje. Comunicação & Educação, 21(2), 103-111. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v21i2p103-111