Aprendizagem ativa conectada em meio ao caos do estudante-ator-rede

  • Magaly Parreira Prado Faculdade Cásper Líbero
Palavras-chave: Conectivismo, Actor-Network Theory, Tecnologia social, Aprendizagem ativa, Interação., teoria ator-rede

Resumo

Este artigo traz uma reflexão sobre educação na comunicação. Modelos topdown são postos em discussão e em paulatino desuso desde a chegada da internet. Professores em conjunto aos alunos descobrem e atualizam o conhecimento em tempo real e compartilham saberes criando laços. Eis apenas dois dos princípios da base deste estudo, o Conectivismo, que Siemens (2005) postula:  a manutenção de um conhecimento atualizado e rigoroso é o objetivo de todas as atividades de aprendizagem coletivistas e a aprendizagem pode residir em dispositivos não humanos. Sua teoria além de levar em conta as tendências da aprendizagem, o uso da tecnologia e das redes enfatiza a diminuição da meia-vida do conhecimento. Assim, uma das propostas foi cruzar o pensamento de Siemens com autores como, entre outros, Downes, Brown, Santaella, e Latour que nos inspira a aplicar no dia a dia as ações, transcrições, interações com os estudantes a colaborar nesta reflexão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magaly Parreira Prado, Faculdade Cásper Líbero

Jornalista, pesquisadora e escritora. Doutora em Comunicação e Semiótica e mestre em Tecnologias da Inteligência e Design Digital, ambos programas da PUC - Pontifícia Universidade Católica (SP). Pós-graduada em Comunicação Jornalística pela Faculdade Cásper Líbero, onde graduou-se em Jornalismo, e é professora titular de Produção de Rádio. No MPPJM, da ESPM: Mestrado Profissional em Produção Jornalística e Mercado, é pesquisadora, orientadora de projetos e ministra aulas de 1) Ferramentas Digitais em Dispositivos Móveis e 2) Análise e Monitoramento em Redes Sociais. Faz parte do grupo de pesquisa Produção de Conteúdo. Na graduação em Jornalismo ministra aulas de Produção e Edição de Conteúdo Multiplataforma, orienta projetos e é diretora do programa de telejornalismo “Linkados na Área” há cinco anos. magalyprado@espm.br 

Referências

BANK, J. A morte das ciências humanas vai matar também as exatas. Disponível em: <http://pt.aleteia.org/2016/01/26/a-morte-das-ciencias-humanas-vai-matar-tambem-as-exatas-2/?ru=b4127ec0c12e59207195a9bc32e85f72>. Acesso em: 18 set. 2016.

BECKER, B. Vida na Mídia: além do jornalismo. Entrevista com Mark Deuze. Nº 19. vol. 1. 2016. Revista Eco Pós. Disponível em <https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/3354/2629>. Acesso: 12 nov. 2016.

BROWN, J.S., (2002). Growing up digital: Como as mudanças na web funcionam, educação e as formas de aprendizagem das pessoas. Associação de Ensino a Distância dos Estados Unidos. Disponível em: <http://www.usdla.org/html/journal/FEB02_Issue/article01.html>. Acesso em: 25 jan. 2016.

DOWNES, S. (2006). Redes de aprendizagem e conhecimentos conexos. Disponível em <http://it.coe.uga.edu/itforum/paper92/paper92.html>. Acesso: 14 nov. 2016.

JONASSEN, D. Computadores, ferramentas cognitivas: desenvolvendo o pensamento crítico nas escolas. Porto-Portugal: Porto Editora. Coleção Ciências da Educação Século XXI, nº 23, 2007.

LEMOS, A. L.M.; Rodrigues, L. P.B. – Internet das coisas, automatismo e fotografia. Revista Famecos. Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 1016-1040, setembro-dezembro 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2017.

MATTAR, J. Aprendizagem em ambientes virtuais. Revista Teccogs n. 7, jan.-jun., 2013. Disponível em: <http://www.pucsp.br/pos/tidd/teccogs/artigos/2013/edicao_7/2-aprendizagem_em_ambientes_virtuais-joao_mattar.pdf>. Acesso em: 17 out. 2016.

MORA, F. “É preciso acabar com o formato das aulas de 50 minutos”. Especialista em Neuroeducação aposta na mudança de metodologias, mas pede cautela na aplicação da neurociência na educação. El País/Madri 23 fev. 2017. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2017/02/17/economia/1487331225_284546.html>. Acesso em: 23 fev. 2017.

PERNIOLA, M. Do sentir. Editorial Presença, Lisboa. Tradução de Tom Guerreiro. 1999.

SANTAELLA, L. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. Paulus, São Paulo. 2013.

_______. Curso de especialização em educação na cultura digital. Linguagens do Nosso Tempo. 1ª Edição. Brasília, DF. MEC. 2014. Disponível em <http://catalogo.educacaonaculturadigital.mec.gov.br/hypermedia_files/live/linguagens_do_nosso_tempo/apresentacao.html>. Acesso em 12 dez. 2016.

ScienceWeek (2004) Matemática: Teoria da catástrofe, atractores estranhos, caos. Disponível em: <http://scienceweek.com/2003/sc031226-2.htm>. Acesso em: 14 dez. 2015.

SIEMENS, G. (2003). Learning ecology, communities, and networks: Extending the classroom. Disponível em <http://www.elearnspace.org/Articles/learning_communities.htm>. Acesso em: 16 jan. 2015.

_______. (2005). Connectivism: A learning theory for a digital age. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning. Disponível em: <http://www.itdl.org/Journal/Jan_05/article01.htm>. Acesso em: 18 fev. 2015.

_______. (2006). Knowing knowledge. Disponível em: < http://www.elearnspace.org/KnowingKnowledge_LowRes.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2015.

_______. (2008). A world without courses. Disponível em <http://www.elearnspace.org/media/worldwithoutcourses/player.html>. Acesso: 16 jan. 2015.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Prado, M. (2018). Aprendizagem ativa conectada em meio ao caos do estudante-ator-rede. Comunicação & Educação, 23(2), 35-47. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v23i2p35-47