Materialidades do Trabalho Digital no Sul Global e Invisibilidades Comunicacionais

  • Rafael Grohmann Faculdade Cásper Líbero
Palavras-chave: trabalho digital, mundo do trabalho, Sul Global, classes sociais, comunicação

Resumo

O livro O Privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital, de Ricardo Antunes, oferece uma leitura sobre as mutações e contradições do mundo do trabalho, passando pelas materialidades do trabalho digital e as morfologias da “classe-que-vive-do-trabalho”, em um diálogo tanto teórico-conceitual a partir do Sul Global quanto em uma análise conjuntural dos últimos anos no Brasil, incluindo a contrarrevolução burguesa e a devastação do trabalho no governo Temer. Procuramos, então, trazer um diálogo da obra com a comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Grohmann, Faculdade Cásper Líbero

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero.

Referências

ABILIO, Ludmila Costhek. Sem maquiagem. São Paulo: Boitempo, 2014.

AMPUJA, Marko. A sociedade em rede, o cosmopolitismo e o “sublime digital”: reflexões sobre como a história tem sido esquecida na teoria social contemporânea. Parágrafo, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 55-67, 2015.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2001.

______. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Éve. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

BREITER, Andreas; HEPP, Andreas. The complexity of datafication: putting digital traces in context. In: HEPP, Andreas; BREITER, Andreas; HASEBRINK, Uwe (org.). Communicative figurations: transforming communications. London: Palgrave, 2018. p. 387-405.

BROWN, Wendy. El pueblo sin atributos: la secreta revolución del neoliberalismo. Barcelona: Malpaso, 2016.

BURAWOY, Michael. O marxismo encontra Bourdieu. Campinas: Editora Unicamp, 2010.

CARVALHO, Laura. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.

DANTAS, Marcos. Trabalho com informação: valor, acumulação, apropriação nas redes do capital. Rio de Janeiro: CFCH, 2012.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo, 2016.

DURAND, Cedric. El capital ficticio. Barcelona: NED, 2018.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil. São Paulo: Globo, 2006.

FÍGARO, Roseli. Relações de comunicação no mundo do trabalho. São Paulo: Annablume, 2008.

FÍGARO, Roseli; NONATO, Cláudia; GROHMANN, Rafael. As mudanças no mundo do trabalho do jornalista. São Paulo: Atlas, 2013.

FISHER, Mark. Capitalist Realism: is there no alternative? Winchester: Zero Books, 2011.

FUCHS, Christian. Social media: a critical introduction. London: Sage, 2017.

GAULEJAC, Vincent de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2007.

GORZ, André. O imaterial. São Paulo: Annablume, 2005.

GROHMANN, Rafael. Os discursos dos jornalistas freelancers sobre o trabalho: comunicação, mediações e recepção. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

______. As classes sociais na comunicação: sentidos teóricos do conceito. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo. São Paulo: Martins Fontes, 2016. v. 2.

HUWS, Ursula. Mundo material: o mito da economia imaterial. Mediações, Londrina, v. 16, n. 1, p. 24-54, 2011.

______. Labor in the global digital economy. New York: Monthly Review Press, 2014.

______. A ignição no motor: trabalhadores criativos na economia global. Parágrafo, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 85-92, 2015.

LUKÁCS, Gyorgy. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, Karl. O capital: livro I: capítulo VI (inédito). 1. ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

______. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

______. O capital. São Paulo: Boitempo, 2017. v. 3.

MURDOCK, Graham. Refeudalização revisitada: a destruição da democracia deliberativa. MATRIZes, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 13-31, 2018.

NEGRI, Antonio; HARDT, Michael. Multidão. Rio de Janeiro: Record, 2005.

NOUROUDINE, Abdallah. A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In: SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília; FAÏTA, Daniel. Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002. p. 17-30.

PRADO, José Luiz Aidar. Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo: Educ, 2013.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

QIU, Jack. Goodbye iSlave: a manifesto for digital abolition. Urbana: University of Illinois Press, 2016.

______. China’s digital working class and circuits of labor. Communication and the Public, Hangzhou, v. 3, n. 1, p. 5-18, 2018.

QIU, Jack; GREGG, Melisa; CRAWFORD, Kate. Circuits of Labour: a labour theory of the iPhone era. TripleC, London, v. 12, n. 2, p. 564-581, 2014.

RONSINI, Veneza. A crença no mérito e a desigualdade. São Paulo: Sulina, 2012.

ROSENBLAT, Alex. Uberland: how algorithms are rewriting the rules of work. Berkeley: University of California Press, 2018.

ROSSI-LANDI, Ferrucio. A linguagem como trabalho e como mercado: uma teoria da produção e da alienação linguística. São Paulo: Difel, 1985.

SCHOLZ, Trebor. Uberworked and underpaid. London: Polity Press, 2016.

SCHRADIE, Jen. Ideologia do Vale do Silício e desigualdades de classe: um imposto virtual em relação à política digital. Parágrafo, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 85-99, 2017.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Elefante, 2017.

SODRÉ, Muniz. A ciência do comum. Petrópolis: Vozes, 2014.

SOHN-RETHEL, Alfred. Intellectual and manual labor: a critique of epistemology. New Jersey: Humanities Press, 1978.

SRNICEK, Nick. Platform Capitalism. London: Polity, 2017.

TOSEL, André. Teoria política e trabalho imaterial em Marx. Entrevista cedida a Henrique Amorim. Lutas Sociais, São Paulo, n. 23, p. 163-169, 2009.

TUROW, Joseph; COULDRY, Nick. Media as data extraction: towards a new map of a transformed communication field. Journal of Communication, Oxford, v. 68, n. 2, p. 415-423, 2017.

VAN DIJCK, José; POELL, Thomas; DE WAAL, Martijn. The platform society: public values in a connective world. New York: Oxford, 2018.

VIEIRA PINTO, Álvaro. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

WILLIAMS, Raymond. Meios de comunicação como meios de produção. In: ______. Cultura e materialismo. Tradução André Glaser. São Paulo: Editora Unesp, 2011. p. 69-85.

ZEHLE, Soenke; ROSSITER, Ned. Mediations of labor: algorithmic architectures, logistical media, and the rise of Black Box Politics. In: MAXWELL, Richard (org.). The Routledge Companion to Labor and Media. New York: Routledge, 2017. p. 40-50.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Grohmann, R. (2018). Materialidades do Trabalho Digital no Sul Global e Invisibilidades Comunicacionais. Comunicação & Educação, 23(2), 153-163. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v23i2p153-163