A alteridade na Educomunicação

estudos de gênero, interseccionalidade e performance

  • Cláudia Lago Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
  • Ferdinando Martins Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
  • Cláudia Nonato Revista Comunicação & Educação
Palavras-chave: educomunicação, alteridade, estudos de gênero, performatividade, interseccionalidade

Resumo

A questão da alteridade se consolida no campo da Educação a partir da década de 1990, e aparece como essencial no campo da Educomunicação. Este artigo parte do conceito de alteridade, relacionando-o aos Estudos de Gênero, de Performatividade e ao conceito de interseccionalidade. O objetivo é apresentar chaves que permitam pensar as diferenças que constituem as relações sociais, aproximando estes conceitos da perspectiva educomunicativa. Espera-se, assim, caminhar no sentido de ampliar a compreensão da Educomunicação em sua relação com a emancipação dos sujeitos, em um mundo marcado pelos conflitos com o Outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Lago, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutora em Ciências da Comunicação e Professora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade e São Paulo.

Ferdinando Martins, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutor em Ciências da Comunicação e Docente da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Cláudia Nonato, Revista Comunicação & Educação

Doutora em Ciências da Comunicação e Editora Executiva da Revista Comunicação & Educação.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete; RODRIGUES, Tatiane; CRUZ, Ana Cristina. A diferença e a diversidade na educação. Revista Contemporânea, São Carlos, v. 1, n. 2, p. 85-97, 2011.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro, 2019.

ARÁN, Márcia. Lacan e o feminino: algumas considerações críticas. Revista Natureza Humana, São Paulo, v. 5, n. 2, p 293-327, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BALLARIN, Josep; MARIN, Francesc-Xavier; NAVARRO, Angel-Jesús. Knowledge and acknowledgement: the concept of alterity as a tool for social interaction. Ramon Llull Journal of Applied Ethics, Farmington Hills, v. 3, n. 3, p. 135-154, 2015.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-365, 2006.

BUBER, Martin. Eu e Tu. São Paulo: Centauro, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan. Buenos Aires: Paidós, 2005.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 31, n. 1, p. 99-217, 2016.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

DA MATTA, Roberto. O ofício do etnólogo, ou como ter anthropological blues. In: NUNES, Edson (org.). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 23 35.

FONSECA, Claudia. Quando cada caso NÃO é um caso. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 10, p. 58-78, 1999. Trabalho apresentado na XXI Reunião da Associação Nacional de Pesquisadores em Educação, Caxambu, 1988.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. Unesp, 1991.

JABARDO, Mercedes. Introducción: construyendo puentes: en diálogo desde/con el feminismo negro. JABARDO, Mercedes (ed.). Feminismos negros: una antología. Madrid: Traficantes de Sueños, 2012. p. 27-56.

LAGO, Cláudia; LAGO, Mara; MARTINEZ, Monica. Situação dos Estudos de Gênero em Comunicação na América Latina: breve olhar a partir do Brasil. In: OLIVEIRA PAULINO, Fernando et al. (org.). Tradiciones de investigación en diálogo: estudios sobre Comunicación en América Latina y Europa. Bogotá: Alaic, [2020]. No prelo.

LAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. In: HOLANDA, Heloísa Buarque (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LERMA, Betty. El feminismo no puede ser uno porque las mujeres somos diversas: aportes a un feminismo negro decolonial desde la experiencia de las mujeres negras del Pacífico colombiano. La manzana de la discordia, Cali, v. 5, n. 2, p. 7-24, 2010.

LEVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre alteridade. Petrópolis: Vozes, 2010.

LIMA, Venício. Paulo Freire. In: CITELLI, Adilson et al. (org.). Dicionário de Comunicação: escolas, teorias, autores. São Paulo: Contexto, 2014.

MACHADO, Lia. Feminismo, academia e interdisciplinaridade. In: COSTA, Albertina; BRUSCHINI, Cristina (ed.). Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos, 1992. p. 24-38

MARTÍN-BARBERO, Jesús. A comunicação na educação. São Paulo: Contexto, 2014.

OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo. São Paulo: Editora Unesp, 1998.

RODRIGUES, Tatiane; ABRAMOWICZ, Anete. O debate contemporâneo sobre a diversidade e a diferença nas políticas e pesquisas em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 15-30, 2013.

SCHECHNER, Richard. Performance theory. New York: Routledge, 1988.

SOARES, Ismar. Educomunicação: um campo de mediações. Comunicação & Educação, São Paulo, ano 7, n. 19, p. 12-24, 2000.

SOARES, Ismar. Educomunicação: o conceito, o profissional, a aplicação: contribuições para a reforma do Ensino Médio. São Paulo: Paulinas, 2011.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 15, n. 2, p. 5-22, 1990.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Lago, C., Martins, F., & Nonato, C. (2019). A alteridade na Educomunicação. Comunicação & Educação, 24(2), 54-65. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v24i2p54-65