Educação e patrimônio cultural: uma encruzilhada nas políticas públicas de preservação

  • Fernando Pascuotte Siviero Escola Politeia, São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Patrimônio cultural. Educação. História

Resumo

Este artigo apresenta uma análise crítica da educação na trajetória do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) entre 1937 e 2014. Ações educativas estiveram presentes desde a sua fundação, embora sempre tivessem concepções, formas e funções heterogêneas e diversas. Ao estudar os lugares e as funções da educação na política preservacionista nacional, busca-se compreender como o Estado entendia e se relacionava com a sociedade na preservação dos bens culturais. A educação patrimonial surgiu em meados da década de 1980 como uma metodologia pedagógica para monumentos e objetos museográficos. Atualmente assiste-se ao surgimento de uma concepção dialógica, transversal e coletiva de educação patrimonial que almeja aproximar o campo do patrimônio cultural da sociedade civil. Faz-se necessário portanto conhecer essa trajetória para acompanhar criticamente as formas como a educação é praticada pelo Iphan e fortalecer o patrimônio cultural como instrumento político e direito social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Pascuotte Siviero, Escola Politeia, São Paulo, São Paulo, Brasil
Bacharel e licensiado em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Educador na Escola Politeia.
Publicado
2015-06-16
Como Citar
Siviero, F. (2015). Educação e patrimônio cultural: uma encruzilhada nas políticas públicas de preservação. Revista CPC, (19), 80-108. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v0i19p80-108
Seção
Artigos