Revista CPC http://www.revistas.usp.br/cpc <p>A <strong>Revista CPC</strong> é um periódico científico editado pelo Centro de Preservação Cultural da Universidade de São Paulo, órgão da Pró-Reitoria de Culura e Extensão Universitária. A temática da revista está voltada para a discussão e reflexão de questões afeitas ao patrimônio cultural em seus múltiplos aspectos: preservação do patrimônio; identificação e registro de bens culturais;&nbsp;educação patrimonial;&nbsp;referências culturais e memória social; instituições museológicas; arquivos, centros de memória e informação;&nbsp; coleções e acervos;&nbsp;conservação e restauro. Com periodicidade semestral, a revista publica artigos originais; resenhas; &nbsp;notícias e depoimentos. Anualmente publica uma edição especial temática, como Dossiê. Desde sua criação, em 2005,&nbsp; a <strong>Revista CPC</strong>&nbsp; vem se dedicando regularmente à promoção da pesquisa e à disseminação do conhecimento no campo do patrimônio cultural. Publicada exclusivamente em formato eletrônico, passou a integrar o Portal de Revistas da USP em 2014.&nbsp; Os metadados da&nbsp;<strong>Revista CPC</strong> estão&nbsp;indexados em:&nbsp;REDIB - Rede Iberoamericana de Innovación y Conocimento Científico; Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal; Periódicos CAPES - Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES/MEC); Journals for Free - Diretório de periódicos de acesso livre; LivRe - Revistas de livre acesso (CNEN-MCTIC); Sociology Source Ultimate - Ebsco. Registrada no Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras. Integrante da rede colaborativa LatinRev - Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Socialies y Humanidades (FLACSO ARGENTINA).&nbsp;</p> Universidade de São Paulo. Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. pt-BR Revista CPC 1980-4466 <div>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<br><br></div> <ul> <li class="show">&nbsp;<strong>Os autores mantêm os direitos autorais&nbsp;e concedem à revista o direito de primeira publicação</strong>,&nbsp;com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho <strong>com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</strong></li> </ul> <ul> <li class="show">Os autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), <strong>com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</strong></li> </ul> <ul> <li class="show">Os autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre).</li> </ul> Paisagem cultural e espírito do lugar como patrimônio: em busca de um pacto social de ordenamento territorial http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/161594 <p>Este texto contempla as relações entre a proteção da paisagem e o espírito&nbsp;do lugar, em particular os desafios para que essa proteção possa ser efetiva.&nbsp;Assim, a análise trata do histórico da proteção pelos órgãos envolvidos com&nbsp;o patrimônio, das dificuldades de fazer valer a proteção pretendida e da&nbsp;necessidade de um pacto de gestão com todos os envolvidos no território&nbsp;que se quer patrimonializar, condição sine qua non para a efetividade da&nbsp;preservação de algo que é desafiador: o espírito do lugar.</p> Sílvia Helena Zanirato Copyright (c) 2020 Sílvia Helena Zanirato http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-07-31 2020-07-31 15 29 8 35 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p8-35 Visões de patrimônio e cidade http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/166782 <p>O artigo analisa três inventários de bens culturais realizados no município de Santo André, no Grande ABC Paulista, na Região Metropolitana de São Paulo, entre os anos de 1998 e 2009, com recorte espacial na área central da cidade. Os trabalhos foram realizados por distintas equipes, duas contratadas pela prefeitura e a terceira integrante do corpo técnico da municipalidade. A análise comparativa desses inventários reflete diferenciadas visões de patrimônio e de cidade, sendo que a trajetória desses estudos revela a ampliação da noção de patrimônio cultural e da percepção do urbano como bem cultural. Do conceito de bem isolado à paisagem cultural, o caso de Santo André evidencia uma mudança conceitual acelerada no tempo, acompanhada de uma visão urbana em que a cidade da história cede lugar à cidade da memória.&nbsp;</p> Andréa de Oliveira Tourinho Larissa Tesubake de Farias Copyright (c) 2020 Andréa de Oliveira Tourinho, Larissa Tesubake de Farias 2020-07-31 2020-07-31 15 29 36 67 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p36-67 A memória coletiva como heterotopia http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/166593 <p>Buscou-se neste artigo apresentar uma análise da memória coletiva sobre&nbsp;o bairro da Campina, na cidade de Belém, Pará, como uma heterotopia&nbsp;afirmada pela construção da Belém da Saudade que se assenta nas evocações&nbsp;mnemônicas da belle époque. A sustentação teórica e metodológica do texto&nbsp;foi construída a partir das contribuições de Michel Foucault, Ecléa Bosi,&nbsp;Maurice Halbwachs e Michel Pollak. Foi traçada uma análise arqueogenealógica&nbsp;do espaço patrimonializado, a qual foi costurada pela problematização<br>da memória coletiva sobre ele e seus efeitos. Para dar corpo a esta&nbsp;pesquisa, foram trazidos recortes das entrevistas realizadas com moradores&nbsp;e ex-moradores de Campina. O mapeamento discursivo aponta a memória&nbsp;coletiva como dispositivo afetivo diretamente relacionado às práticas de&nbsp;cuidado com o bairro, bem como à produção de heterotopias, com seus&nbsp;sistemas de abertura e fechamento, que modulam os usos do espaço, bem&nbsp;como a relação entre os sujeitos.</p> Fernanda Cristine dos Santos Bengio Flávia Cristina Silveira Lemos Margarete Cordeiro dos Santos Copyright (c) 2020 Fernanda Cristine dos Santos Bengio, Flávia Cristina Silveira Lemos, Margarete Cordeiro dos Santos 2020-07-31 2020-07-31 15 29 68 95 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p68-95 Educação ambiental e patrimonial http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/165491 <p>Estudo acerca das perspectivas e contribuições do diálogo entre educação&nbsp;patrimonial e educação ambiental para a preservação do patrimônio natural&nbsp;e o desenvolvimento da área Itaqui-Bacanga em São Luís do Maranhão.&nbsp;Aborda o patrimônio natural e a educação ambiental a partir de breve&nbsp;contextualização histórica e conceituação. Disserta sobre patrimônio cultural&nbsp;e educação patrimonial para esclarecer a relação que tais categorias&nbsp;estabelecem com a educação ambiental. Discute a relação necessária entre&nbsp;educação patrimonial, ambiental e patrimônio natural, bem como as contribuições&nbsp;desse diálogo para a preservação do patrimônio ambiental da área&nbsp;Itaqui-Bacanga. Caracteriza a área e, em seguida, aponta as perspectivas&nbsp;e estratégias de educação ambiental e patrimonial para preservação do&nbsp;patrimônio natural na região. Reforça que trabalhar a educação patrimonial&nbsp;e ambiental na área Itaqui-Bacanga deve ser algo conjunto, com vistas à&nbsp;preservação dos patrimônios culturais e naturais.</p> Maurício José Morasi Costa Rafael de Oliveira Duailibe Kláutenys Dellene Guedes Cutrim Antonio Cordeiro Feitosa Copyright (c) 2020 Maurício José Morasi Costa, Rafael de Oliveira Duailibe, Kláutenys Dellene Guedes Cutrim, Antonio Cordeiro Feitosa 2020-07-31 2020-07-31 15 29 96 123 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p96-123 Sanatório Barros Barreto (Belém-Pa) http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/166764 <p>A discussão a respeito do patrimônio cultural da saúde no Brasil tem se&nbsp;evidenciado nos últimos anos, principalmente a respeito dos desafios de&nbsp;valorização do patrimônio material e imaterial, dentre estes a arquitetura&nbsp;assistencial. O Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB)&nbsp;começou a ser construído no ano de 1938 como Sanatório Barros Barreto&nbsp;e, em 1976, deixa de ser sanatório, passando a ser chamado de Hospital&nbsp;Barros Barreto. Nesse momento, a instituição se torna também um local&nbsp;provedor de desenvolvimento da ciência por meio das pesquisas em agentes&nbsp;etiológicos das enfermidades incidentes na região amazônica. Este artigo&nbsp;tem por objetivo abordar a arquitetura do HUJBB enquanto patrimônio e,<br>assim, entender os elementos arquitetônicos que contribuem para o modelo&nbsp;de tratamento que se propunha a abrigar no antigo sanatório paraense.</p> Larissa Silva Leal Cybelle Salvador Miranda Copyright (c) 2020 Larissa Silva Leal, Cybelle Salvador Miranda 2020-07-31 2020-07-31 15 29 124 150 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p124-150 Estação da Memória de Joinville http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/163444 <p>Este artigo tem como objetivo discutir o processo de patrimonialização da&nbsp;antiga Estação Ferroviária de Joinville, Santa Catarina, sede da atual Estação&nbsp;da Memória de Joinville (1996–2010). Nesse contexto, refletimos sobre como&nbsp;os processos de patrimonialização da estação (municipal, estadual e federal)<br>historicamente corporificaram ações governamentais voltadas à fabricação&nbsp;de um patrimônio cultural considerado estratégico para o estado de Santa&nbsp;Catarina. Em termos teórico-metodológicos, nossas reflexões amparam-se&nbsp;na análise documental dos processos de tombamento da referida estação,&nbsp;bem como nos trabalhos de Laurajane Smith (2006), Nathalie Heinich&nbsp;(2018) e Carlos Fortuna (2012).</p> Vinícius José Mira Fernando Cesar Sossai Copyright (c) 2020 Vinícius José Mira, Fernando Cesar Sossai 2020-07-31 2020-07-31 15 29 151 170 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p151-170 O uso de ferramentas digitais na preservação da arte escultórica tumular http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/164862 <p>Cemitérios são espaços onde é possível identificar elementos culturais de uma&nbsp;sociedade, que se expressam pela arquitetura do túmulo e do paisagismo.&nbsp;Porém o distanciamento das pessoas destes locais os torna propícios para a&nbsp;ação dos vândalos. Logo, as necrópoles precisam ser incluídas em roteiros&nbsp;culturais nas cidades, além de serem instituídos programas de manutenção&nbsp;periódica e segurança nos túmulos, capelas e mausoléus. O objetivo deste&nbsp;estudo é apresentar duas formas de preservação do patrimônio cultural: a primeira&nbsp;consiste na identificação das principais manifestações patológicas que&nbsp;danificam as esculturas, com a confecção dos mapas de danos; e a segunda, no&nbsp;levantamento das características físicas das peças, de modo a documentar suas&nbsp;formas, cores, texturas e volumetria. Para ambas as propostas, utilizaram-se&nbsp;duas ferramentas digitais atuais: a fotogrametria e o escaneamento a laser. As&nbsp;obras estudadas são: Pietá (1929), do escultor Galileo Emendabili, localizada&nbsp;no Cemitério da Consolação em São Paulo e Último adeus (1945), de Alfredo&nbsp;Oliani, no Cemitério São Paulo, utilizando-se os softwares ReCap Photo, da&nbsp;Autodesk, e Trimble RealWorks, da empresa Trimble, para obtenção dos&nbsp;modelos tridimensionais das obras escultóricas. Constatou-se que para a&nbsp;utilização destas tecnologias é necessário planejamento prévio para o levantamento<br>dos dados, principalmente devido às interferências climáticas e&nbsp;de localização das obras. As ferramentas utilizadas foram eficientes quanto&nbsp;à caracterização formal das obras e podem ser utilizadas para a preservação&nbsp;conceitual e material da peça.</p> Fabiana Lopes de Oliveira Reinaldo Luiz Santos Copyright (c) 2020 Fabiana Lopes de Oliveira, Reinaldo Luiz Santos 2020-07-31 2020-07-31 15 29 171 207 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p171-207 Resenha http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/167343 <p>Resenha do livro <em>Preservação do patrimônio arquitetônio da industrialização: problemas teóricos de restauro, </em>segunda edição (2018), de autoria de Beatriz Mugayar Kühl.</p> Eduardo Bacani Ribeiro Copyright (c) 2020 Eduardo Bacani Ribeiro 2020-07-31 2020-07-31 15 29 208 218 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p208-218 Patrimônio imaterial e paisagem cultural cafeeira na Colômbia http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/167786 <p>O seguinte artigo mostra algumas contradições do patrimônio imaterial e&nbsp;paisagem cultural cafeeira na Colômbia e como elas refletem nos camponeses&nbsp;e agricultores que vivem do plantio de café. Esta discussão também&nbsp;faz parte de um projeto de mestrado no Programa de Antropologia Social&nbsp;(PPGAS), na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).</p> Alejandro Escobar Hoyos Copyright (c) 2020 Alejandro Escobar Hoyos 2020-07-31 2020-07-31 15 29 219 234 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p219-234 Patrimônio e história da indústria dos mármores no Alentejo (Portugal) http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/171032 <p>O projeto Patrimônio e História da Indústria dos Mármores (PHIM), baseado&nbsp;em práticas e princípios interdisciplinares, pretende destacar a importância&nbsp;dos mármores portugueses do Anticlinal Alentejano num contexto&nbsp;de valorização patrimonial e cultural de uma região onde a indústria das&nbsp;rochas ornamentais define paisagens, molda a economia, estabelece modos&nbsp;de vida. O conhecimento, atingido através da investigação científica, vem&nbsp;sendo disseminado através de várias plataformas e públicos, contribuindo&nbsp;para o desenvolvimento regional e proporcionando conteúdos sólidos para&nbsp;um turismo industrial e cultural de qualidade. Após duas fases do projeto&nbsp;que permitiram alcançar um amplo conhecimento sobre a aplicação dos&nbsp;mármores do Alentejo no patrimônio artístico, a 3ª fase pretende ampliar&nbsp;a cronologia em estudo – da época romana ao século XX – e abrir novas&nbsp;perspetivas interdisciplinares, com a cooperação da História do Direito e&nbsp;da História da Economia.</p> Clara Moura Soares Rute Massano Rodrigues Carlos Filipe Copyright (c) 2020 Clara Moura Soares, Rute Massano Rodrigues, Carlos Filipe 2020-07-31 2020-07-31 15 29 235 248 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p235-248 Documento unificado http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/173004 <p>Este texto apresenta documento elaborado pela Rede USP de Profissionais de Museus e Acervos que tem o objetivo de compilar, registrar e compartilhar conhecimentos e reflexões, propor diretrizes e protocolos sobre a prática técnica para orientação aos profissionais de museus.</p> Maurício Cândido da Silva Copyright (c) 2020 Maurício Cândido da Silva 2020-07-31 2020-07-31 15 29 249 262 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p249-262 Editorial http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/173120 <p>Neste número 29 da Revista CPC encontramos artigos&nbsp;que vão analisar questões relacionadas não só&nbsp;à proteção da paisagem e à patrimonialização do território, mas também&nbsp;discutindo a relação entre educação patrimonial e educação ambiental.&nbsp;O material que aqui se apresenta aborda, ainda, diferentes tipologias de&nbsp;patrimônio, perpassando experiências e estudos que analisam, inventariam e&nbsp;problematizam elementos ligados à dimensão material e imaterial do patrimônio,&nbsp;como a memória coletiva, a arquitetura e a cidade.</p> Martha Marandino Copyright (c) 2020 Martha Marandino 2020-07-31 2020-07-31 15 29 5 5 10.11606/issn.1980-4466.v15i29p5