Adoecimento mental e o trabalho do professor

um estudo de caso na rede pública de ensino

  • Farney Vinícios Pinto Souza Centro Universitário Unihorizontes
Palavras-chave: Saúde mental, Adoecimento mental, Docentes

Resumo

O artigo tem por objetivo descrever e analisar os aspectos que fazem parte da organização do trabalho de uma escola pública, verificando sua relação com as manifestações de sofrimento ou de adoecimento de docentes que ali atuam. Foi feita uma análise dos problemas de saúde mental do professor a partir da abordagem metodológica proposta por Louis Le Guillant. Os instrumentos de coleta de dados foram entrevistas, visitas in loco e pesquisa documental. Os dados secundários foram tratados por meio de análise documental e os dados primários foram tratados com base na análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram que a organização do trabalho na escola apresenta vários fatores com potencial patogênico, tais como as condições precárias de trabalho, dificuldades no relacionamento com os alunos, falta de autonomia, problemas na gestão, sobrecarga de trabalho, dificuldade de exercer suas atividades e pouca valorização profissional. Os docentes recorrem a alguns mecanismos de regulação para enfrentar as dificuldades, no entanto, observou-se a presença de sintomas físicos e mentais entre os professores, e a maioria dos entrevistados já adoeceu ou está doente em função do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Farney Vinícios Pinto Souza, Centro Universitário Unihorizontes

Administrador, especialista em Gestão de Pessoas e mestre em Administração pelo Centro Universitário Unihorizontes.

Referências

Aguiar, A. M. R. (2010). O estresse ocupacional do professor do ensino superior: a relação entre os sintomas de estresse e a atividade docente em duas instituições de ensino superior da cidade de Teresina-PI. Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências da Educação, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Araújo, A. L. (2011). Estresse ocupacional e Burnout: um estudo com professores de um curso de graduação em enfermagem de uma instituição privada em Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte.

Carvalho, M. V. B. (2011). Prazer e sofrimento no trabalho de professores do ensino fundamental e médio: estudo de caso em uma escola estadual da cidade de Curvelo-MG. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte.

Clot, Y. (2010). A psicologia do trabalho na França e a perspectiva da clínica da atividade. Fractal Revista de Psicologia, 22 (1), 207-234.

Codo, W. (Coord.). (1999). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes.

Congonhas. Secretaria Municipal de Educação (2014). Regimento interno escolar. Congonhas, MG: Secretaria Municipal de Educação.

Congonhas. Secretaria Municipal de Educação (2016). Projeto Pedagógico Escolar: Escola Municipal Michael Monteiro de Castro. Congonhas, MG: Secretaria Municipal de Educação.

Dejours, C. (1987). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez.

Dejours, C. (1997). O fator humano. Rio de Janeiro: FGV.

Esteve, J. M. (1999). O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. São Paulo: Edusc.

Freitas, M. E. (2007). A carne e os ossos do ofício acadêmico. Revista Organização e Sociedade, 14 (42), 187-191.

Le Guillant, L., Roelens R., Bégoin J., Béquart, P., Hansen, M. & Lebreton, F. (1984). A neurose das telefonistas. RevistaBrasileira de Saúde Ocupacional, 12 (47), 7-11.

Lima, M. E. A. (2002). Esboço de uma crítica à especulação no campo da saúde mental e trabalho. In M. G. Jacques & W. Codo (Orgs.), Saúde mental & trabalho: leituras (pp. 50-81). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lima, M. E. A. (Org.). (2006a). Escritos de Louis Le Guilant: da ergoterapia à psicopatologia do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lima, M. E. A. (2006b). O resgate de uma dívida: resenha do livro Escritos de Louis Le Guillant – da ergoterapia à psicopatologia do trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 9 (2), 109-114.

Meleiro, A. M. A. S. (2012). O stress do professor. In M. N. Lipp (Org.), O stress do professor (pp. 11-27). Campinas, SP: Papirus.

Mendes, A. M. (Org.). (2011). Trabalho e saúde: o sujeito entre a emancipação e a servidão. Curitiba: Juruá.

Nunes-Sobrinho, F. P. (2012). O stress do professor no ensino fundamental: o enfoque da ergonomia. In M. N. Lipp (Org.), O stress do professor (pp. 81-94). Campinas, SP: Papirus.

Pereira, H. O. S., Amaral, M. C. & Scorsolini-Comin, F. (2011). Avaliação de sintomas de estresse em professores universitários: qualidade de vida no fazer docente. Educação: Teoria Prática, 21 (37), 71-91.

Reinhold, H. H. (2004). O sentido da vida: prevenção de stress e Burnout do professor. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica, Campinas.

Reinhold, H. H. (2012). O Burnout. In M. N. Lipp (Org.), O stress do professor (pp. 63-80). Campinas, SP: Papirus.

Ribeiro, M. D. (2011). Prazer e sofrimento no trabalho: estudo de caso com docentes de uma escola de ensino fundamental pública do estado de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte.

Silva, M. A. (2011). Estresse e Burnout: um estudo com professores do CEFET-MG. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte.

Silva, S. L. (2015). Estresse ocupacional em professores: estudo no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte.

Sousa, C. V., Bueno, N. X. & Silva, A. L. (2016). Prazer e sofrimento no trabalho docente em uma escola pública. Diálogos Interdisciplinares, 5 (2), 102-127.

Souza, P. C. Z. & Athayde, M. (2006). A contribuição da abordagem clínica de Louis Le Guillant para o desenvolvimento da Psicologia do Trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6 (1), 6-19.

Thiry-Cherques, H. R. (2009). Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Revista PMKT, 3, 20-27.

Vilela, E. F., Garcia, F. C. & Vieira, A. (2013). Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: estudo de caso em uma instituição pública. REAd Revista Eletrônica de Administração, 19 (2), 517-540.

Witter, G. P. (2012). Produção científica e estresse do professor. In M. N. Lipp (Org.), O stress do professor (pp. 127-134). Campinas, SP: Papirus.

Zille, L. P. & Cremonezi, A. M. (2013). Estresse no trabalho: estudo com professores da rede pública estadual de Minas Gerais. Revista Reuna, 18 (4), 111-128.
Publicado
2018-09-12
Como Citar
Souza, F. (2018). Adoecimento mental e o trabalho do professor. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 103-117. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p103-117
Seção
Artigos Originais