Atuação intersetorial em saúde do trabalhador

desafios e possibilidades

  • Maristela de Souza Pereira Universidade Federal de Uberlândia
  • Karol Teixeira de Oliveira Ministério Público do Trabalho
  • Ione Aparecida Silva Prefeitura Municipal de Uberlândia
Palavras-chave: Saúde do trabalhador, Intersetorialidade, Acidente de trabalho, Níquel

Resumo

Neste artigo são discutidas dimensões relacionadas a potencialidades e dificuldades da ação intersetorial em saúde do trabalhador, usando como ponto de partida a análise de um caso concreto, um acidente de trabalho envolvendo 14 trabalhadores, no qual tiveram importante papel: uma unidade de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador, o Ministério Público do Trabalho, uma Instituição de Ensino Superior pública e os trabalhadores envolvidos. O percurso de investigação do acidente, as diversas modalidades de assistência oferecidas aos trabalhadores afetados e as medidas jurídicas, de vigilância e de educação em saúde implementadas são apresentados como subsídio às reflexões sobre a atuação intersetorial, necessária para a atenção integral e resolutiva à saúde dos trabalhadores. Os resultados mostram que a articulação local é um ponto de apoio fundamental para a efetivação das ações intersetoriais e que a participação dos trabalhadores, maiores interessados na questão, também produz efeitos importantes nesse processo. Destaca-se ainda a necessidade de que os princípios vinculados à saúde do trabalhador como política de Estado sejam efetivamente incorporados às ações do SUS, enquanto palco sistêmico da Política Nacional de Saúde do Trabalhador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maristela de Souza Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Psicóloga, doutora em Psicologia Social, docente do Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia.

Karol Teixeira de Oliveira, Ministério Público do Trabalho

Graduada em Direito, mestre em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador, procuradora do trabalho do Ministério Público do Trabalho.

Ione Aparecida Silva, Prefeitura Municipal de Uberlândia

Psicóloga, mestre em Saúde e Segurança do Trabalho, coordenadora das Redes Temáticas da Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de Uberlândia.

Referências

Ação Civil Pública n. 0010594-45.2014.5.03.0173. (2016, 16 de fevereiro). Distribuída e processada na 6a Vara do Trabalho de Uberlândia da Justiça do Trabalho. Uberlândia, MG: Tribunal Regional do Trabalho. Recuperado de https://bit.ly/31h3wKv

Ação Civil Pública n. 0011106-14.2015.5.03.0134. (2017, 23 de outubro). Distribuída à 6a Vara do Trabalho de Uberlândia, por dependência à primeira ACP no 0010594-45.2014.5.03.0173. Uberlândia, MG: Tribunal Regional do Trabalho. Recuperado de https://bit.ly/2Ytq4dW

Antunes, R. (Org.). (2004). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular.

Antunes, R. (2010). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.

Barros, V. A. & Lopes, F. T. (2014). Considerações sobre a pesquisa em história de vida. In E. M. de Souza (Org.), Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: uma abordagem teórico-conceitual (pp. 41-64). Vitória: Edufes.

Bernardo, M. H. & Pereira, M. S. (2017). O trabalho no contexto brasileiro atual e os compromissos da Psicologia. In E. F. Rasera, M. S. Pereira & D. Galindo (Orgs.), Democracia participativa, Estado e laicidade: psicologia social e enfrentamentos em tempos de exceção (pp. 143-158). Porto Alegre: Abrapso.

Campos, G. W. S. & Amaral, M. A. A. (2007). A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência & Saúde Coletiva, 12 (4), 849-859.

Cohn, A. & Marsiglia, R. G. (1993). Processo e organização do trabalho. In L. E. Rocha, R. M. Rigotto & J. T. P. Buschinelli (Orgs.), Isto é trabalho de gente? Vida, doença e trabalho no Brasil (pp. 56-75). Petrópolis, RJ: Vozes.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Brasília: Gráfica do Senado Federal. Recuperado de https://bit.ly/1dFiRrW

Costa, D., Lacaz, F. A. C., Jackson Filho, J. M. & Vilela, R. A. G. (2013). Saúde do trabalhador no SUS: desafios para uma política pública. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 38 (127), 11-21.

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Della Rosa, H. V. & Colacioppo, S. (1993). A contribuição da higiene e da toxicologia ocupacional. In L. E. Rocha, R. M. Rigotto & J. T. P. Buschinelli (Orgs.), Isto é trabalho de gente? Vida, doença e trabalho no Brasil (pp. 232-270). Petrópolis, RJ: Vozes.

Dias, E. C. & Hoefel, M. G. (2005). O desafio de implementar as ações de saúde do trabalhador no SUS: a estratégia da RENAST. Ciência & Saúde Coletiva, 10 (4), 817-827.

Dias, E. C. & Silva, T. L. (2013). Contribuições da Atenção Primária em Saúde para a implementação da Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho (PNSST). Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 38 (127), 31-43.

Dias, E. C., Silva, T. L., Chiavegatto, C. V., Reis, J. C. & Campos, A. S. (2011). Desenvolvimento de Ações de Saúde do Trabalhador no SUS: a estratégia da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (Renast). In C. M. Gomez, J. M. H. Machado & P. G. L. Pena (Orgs.), Saúde do trabalhador na sociedade brasileira contemporânea
(pp. 107-122). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Druck, G. & Franco, T. (2009). Terceirização: a chave da precarização do trabalho no Brasil. In V. L. Navarro & V. Padilha (Orgs.), Retratos do trabalho no Brasil (pp. 225-254). Uberlândia, MG: Edufu.

Franco, T., Druck, G. & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35 (122), 229-248.

Freitas, J. B. P. & Buschinelli, J. T. P. (2016). Episódio de pneumopatia ocupacional aguda em 14 trabalhadores expostos a carbonato de níquel em espaço confinado, com dois óbitos. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 14 (1), 69-109.

Guedes, J. (2013). Exploração de níquel provoca danos ambientais em Niquelândia (GO). Rio de Janeiro: Centro de Tecnologia Mineral. Recuperado de https://bit.ly/2Tc91XZ

Leão, L. H. C. & Vasconcellos, L. C. F. (2011). Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (Renast): uma rede que não enreda. In L. C. F. Vasconcellos & M. H. B. Oliveira (Orgs.), Saúde, trabalho e direito: uma trajetória crítica e a crítica de uma trajetória (pp. 453-489). Rio de Janeiro: Educam.

Lei n. 13.467. (2017, 13 de julho). Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto Lei n. 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis no 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasília: Presidência da República. Recuperado de https://bit.ly/2Bm6IqI

Minayo-Gomez, C. (2011). Produção de conhecimento e intersetorialidade em prol das condições de vida e de saúde dos trabalhadores do setor sucroalcooleiro. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (8), 3361-3368.

Nobre, L. C. C. (2003). Trabalho de crianças e adolescentes: os desafios da intersetorialidade e o papel do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 8 (4), 963-971.

Pereira, M. S. (2017). Trabalho, vida e adoecimento: as múltiplas faces da violência contra trabalhadores. In C. A. Fernandes (Org.), A violência na contemporaneidade – do simbólico ao letal (pp. 85-111). São Paulo: Intermeios.

Pereira, M. S. (2018). Os processos de precarização do trabalho e seus reflexos no adoecimento de trabalhadores brasileiros: um estudo de caso. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 11 (2), 208-220.

Portaria Interministerial n. 9. (2014, 7 de outubro). Publica a Lista Nacional de Agentes Cancerígenos para Humanos (Linach), como referência para formulação de políticas públicas na forma do anexo a esta Portaria. Diário Oficial da União, (194), seção 1, Brasília. Recuperado de https://bit.ly/2Kshl1R

Portaria n. 1.271. (2014, 6 de julho). Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://bit.ly/2oW58JO

Portaria n. 1.679. (2002, 19 de setembro). Dispõe sobre estruturação da rede nacional de atenção integral à saúde do trabalhador no SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União, (183), seção 1, Brasília.

Portaria n. 1.823. (2012, 23 de agosto). Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial da União, Brasília. Recuperado de https://bit.ly/2q7wXi9

Portaria n. 2.728. (2009, 11 de novembro). Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://bit.ly/2ZBpAPo

Vasconcellos, L. C. F. & Machado, J. M. H. (2011). Política Nacional de Saúde do Trabalhador: ampliação do objeto em direção a uma política de Estado. In C. M. Gomez, J. M. H. Machado & P. G. L. Pena (Orgs.), Saúde do trabalhador na sociedade brasileira contemporânea (pp. 7-65). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.
Publicado
2018-09-12
Como Citar
Pereira, M., Oliveira, K., & Silva, I. (2018). Atuação intersetorial em saúde do trabalhador. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 119-131. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p119-131
Seção
Artigos Originais