Processos de formação em saúde

a estratégia da educação a distância numa experiência da Política Nacional de Humanização do SUS

  • Hélder Pordeus Muniz Universidade Federal Fluminense
  • Maria Elizabeth Barros de Barros Universidade Federal do Espírito Santo
  • Cláudia Elizabeth Abbês Baêta Neves Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Formação, Política de humanização, Gestão em saúde, Educação a distância

Resumo

Este ensaio tem por objetivo discutir os desafios na formação de trabalhadoras de saúde sob a estratégia da educação a distância (EaD). Avalia-se a aposta num trabalho em que a experiência, enquanto narrativa de um conhecimento acumulado por gerações, nos torna tanto parte da história quanto abertura ao devir. A metodologia utilizada foi a análise das experiências de trabalhadores e trabalhadoras do Sistema Único de Saúde (SUS), a partir de relatos e situações vivenciadas. Indica como resultado a potência da EaD nos processos formativos − o alcance extensivo desses processos − bem como seus limites no que tange à visualização da emoção, da expressão corporal e da produção de sentido do discurso. Conclui-se que a comunicação virtual permitiu a cooperação de profissionais de diferentes municípios, a despeito de os encontros presenciais terem sido imprescindíveis à construção de diretrizes éticas para o trabalho em comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hélder Pordeus Muniz, Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense (Niterói, Rio de Janeiro, Brasil)

Cláudia Elizabeth Abbês Baêta Neves, Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal do Espírito Santo (Vitória, Espírito Santo, Brasil)

Publicado
2017-12-30
Como Citar
Muniz, H., Barros, M. E., & Neves, C. E. (2017). Processos de formação em saúde. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 20(2), 129-142. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v20i2p129-142
Seção
Artigos Originais