A (não) atuação frente ao assédio moral no trabalho

estudo sobre um sindicato

  • Júlia Gonçalves Universidade Federal de Santa Catarina
  • Suzana da Rosa Tolfo Universidade Federal de Santa Catarina
  • Leonor María Cantera Espinosa Universidade Autônoma de Barcelona. Departamento de Psicologia Social (UAB)
Palavras-chave: Assédio moral no trabalho, Contexto sindical, Trabalhadores do transporte coletivo urbano

Resumo

O assédio moral no trabalho é entendido como um conjunto de atos hostis que ocorrem de forma processual e podem estar relacionados às prescrições da organização do trabalho. Os sindicatos e associações que defendem os interesses e direitos de categorias profissionais devem estar atentos a essa violência psicológica. Com o objetivo de identificar a percepção e a atuação de dirigentes sindicais frente a situações de assédio moral no trabalho, realizou-se uma pesquisa qualitativa com representantes sindicais dos trabalhadores de transporte coletivo urbano de uma capital do sul do país. O sindicato ao qual pertencem esses dirigentes é reconhecido por sua luta e enfrentamento, assim como pela obtenção de conquistas e melhorias nas condições de trabalho de seus representados. Com relação e esse tipo de assédio, os resultados obtidos neste estudo evidenciaram uma visão simplificada sobre o fenômeno – sem um entendimento processual e ampliado. Tal compreensão indicou a associação entre práticas de assédio moral e pessoas específicas (os agressores), o que tende a reforçar uma atuação sindical tímida acerca dessa violência presente nas relações de trabalho. Os sindicatos, com função política e social, são entidades de suporte e amparo aos trabalhadores e, quando possuem um arcabouço de informações que subsidie o entendimento, a orientação e a construção de ações de luta e busca de melhores condições trabalhistas, tornamse instrumentos de combate a condutas não aceitáveis no ambiente de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Gonçalves, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicóloga, doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professora da graduação em Psicologia naFaculdade Meridional (Imed).

Suzana da Rosa Tolfo, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicóloga, doutora em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professora do Programa de Pós- Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fundadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Processos Psicossociais e de Saúde nas Organizações e no Trabalho (Neppot/UFSC).

Leonor María Cantera Espinosa, Universidade Autônoma de Barcelona. Departamento de Psicologia Social (UAB)

Psicóloga, doutora em Filosofia (PhD) pela Universidade de Porto Rico e em Psicologia Social pela Universidade Autónoma (UAB/ Barcelona), professora de Psicologia e atual diretora do Departamento de Psicologia Social (UAB). Coordenadora do grupo de pesquisa sobre violência no casal e trabalho (Vipat) (UAB/Espanha).

Referências

Antunes, R. & Silva, J. B. (2015). Para onde foram os sindicatos? Do sindicalismo de confronto ao sindicalismo negocial. Caderno CRH, 28 (75), 511-527.

Almeida, N. D. V. (2002). Contemporaneidade × trânsito: reflexão psicossocial do trabalho dos motoristas de coletivo urbano. Psicologia: Ciência e Profissão, 22 (3), 66-69.

Assunção, A. A. & Medeiros, A. M. (2015). Violência a motoristas e cobradores de ônibus metropolitanos, Brasil. Revista de Saúde Pública, 49 (11), 1-10.

Azevedo, V., Carvalho, M., Fernandes-Costa, F., Mesquita, S., Soares, J., Teixeira, F. & Maia, Â. (2017). Transcrever entrevistas: questões conceptuais, orientações práticas e desafios. Revista de Enfermagem Referência, 4 (14), 159-168.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (7a ed. rev. e amp.). São Paulo: Edições 70.

Barreto, M. (2006). Violência, saúde e trabalho: uma jornada de humilhações. São Paulo: Educ.

Barreto, M., & Heloani, R. (2014). O assédio moral como instrumento de gerenciamento. In C. G. Bottega, A. R. C. Merlo & K. V. Perez. Atenção à saúde mental do trabalhador: sofrimento e transtornos relacionados ao trabalho. Porto Alegre: Evangraf.

Battistelli, B. M., Amazarray, M. R. & Koller, S. H. (2011). O assédio moral no trabalho na visão de operadores do direito. Psicologia & Sociedade, 23 (1), 35-45.

Battiston, M., Cruz, R. M. & Hoffmann, M. H. (2006). Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano. Estudos de Psicologia, 11 (3), 333-343.

Cantera, L. M., Pallarès, S. & Selva, C. (2013). Violência. In L. M. Cantera, S. Pallarès & C. Selva (Eds.), Del malestar al bienestar laboral (pp. 77-103). Barcelona: Amentia Editorial.

Cantera, L. M., Cantera, F. M., & Pallarès, S. P. (2015). Violência no trabalho. In M. L. Emmendoerfer, S. R. Tolfo & T. S. Nunes (Eds.), Assédio moral em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 19-30). Curitiba: CRV.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social (7a ed.). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Fabro, A. C. & Maehler, C. (2015). Combate ao assédio moral no trabalho: identificando medidas adotadas pelasorganizações sindicais de SC. In M. L. Emmendoerfer, S. R. Tolfo & T. S. Nunes (Eds.), Assédio moral em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 215-228). Curitiba: CRV.

Fistarol, A. D. O. (2014). Práticas de assédio moral no trabalho: perspectivas do judiciário, sindicato patronal e sindicato dos trabalhadores. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Freitas, M. E. (2001). Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas, 41 (2), 8-19.

Freitas, M. E., Heloani, R. & Barreto, M. (2008). Assédio moral no trabalho. São Paulo: Cengage Learning.

Galery, A. D. (2017). O representante eleito como intermediário entre o grupo e o poder. Psicologia USP, 28 (2), 196-205.

Galo, C. R. (2016). Assédio moral no trabalho na perspectiva sindical. Dissertação de Mestrado, Universidade Potiguar, Natal, RN.

Garbin, A. D. C. (2009). Representações na mídia impressa sobre o assédio moral no trabalho. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisas (5a ed). São Paulo: Atlas.

Hirigoyen, M. F. (2008). Assédio moral: a violência perversa no cotidiano (10a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand.

Hirigoyen, M. F. (2015). Mal estar no trabalho: redefinindo o assédio moral (8a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand.

Leymann, H. (1990). Mobbing and psychological terrors at work. Violence and Victims, 5 (2), 119-126.

Lobato, A. (2018). Assédio moral: saúde do trabalhador e ações sindicais. Belo Horizonte: Editora RTM.

Maciel, R. H., Fontenelle, M. F. & Coelho, V. C. (2017). Atuação sindical em situações de assédio moral: relato de experiência. In L. S. P. Soboll. Intervenções em assédio moral e organizacional (pp. 137-155). São Paulo: LTr.

Magnus, C. N., Merlo, A. R. C. & Prisco, C. M. F. (2015). Assédio moral: uma experiência de intervenção do sindicato dos servidores através da clínica do trabalho. In M. L. Emmendoerfer, S. R. Tolfo & T. S. Nunes (Eds.), Assédio moral em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 205-214). Curitiba: CRV.

Martins, M. C. F. & Ferraz, A. M. S. (2011). Propriedades psicométricas das escalas de assédio moral no trabalho: percepção e impacto. Psico-USF, 16 (2), 163-173.

Nunes, T. S. & Tolfo, S. R. (2011). Assédio moral organizacional: fatores organizacionais propiciadores e a dinâmica do assédio. In XXXV Encontro da ANPAD (pp. 1-17), Rio de Janeiro: EnANPAD. Recuperado de https://bit.ly/2ZvnyjQ

Pavão, P. (2013). La lucha de los sindicatos de bancarios de Brasil contra el acoso moral. Salud de los Trabajadores, 21 (1), 31-39.

Rodrigues, I. J. & Ramalho, J. R. (2014). Novas configurações do sindicalismo no Brasil? Uma análise a partir do perfil dos trabalhadores sindicalizados. Contemporânea, 4 (2), 381-403. Recuperado de https://bit.ly/2Tc0bcW

Silva, A. C. G. & Mourão, L. (2018). Mapeamento de competências essenciais à atuação de dirigentes sindicais. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 18 (3), 412-421.

Silveira, A. L. & Merlo, A. R. C. (2014). O medo: expressão de um coletivo de trabalhadores. Fractal: Revista de Psicologia, 26 (2), 349-364.

Soboll, L. A. P. (2015). Assédio moral no trabalho. In P. F. Bendassolli & J. E. Borges-Andrade (Eds.), Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações (pp. 85-94). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Soboll, L. A. P. (2017). Assédio moral e organizacional na perspectiva psicossocial: critérios obrigatórios e complementares. In L. S. P. Soboll (Ed.), Intervenções em assédio moral e organizacional (pp. 13-22). São Paulo: LTr.

Soboll, L. A. P. & Horst, A. (2013). O assédio moral como estratégia de gerenciamento: solicitações da forma atual de gestão. In M. A. Silveira (Ed.). Inovação para o desenvolvimento de organizações sustentáveis (pp. 183-199). Campinas: CTI.

Soboll, L. A. P., Freitas, J. A. R. & Zanin, F. C. (2015). Assédio moral organizacional: especificidades da prática em organizações públicas e a atuação sindical. In M. L. Emmendoerfer, S. R. Tolfo & T. S. Nunes (Eds.), Assédio moral em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 53-66). Curitiba: CRV.

Tolfo, S. R. (2011). O assédio moral como expressão da violência no trabalho. In M. Souza, F. Martins & J. N. G. Araújo (Orgs.). Dimensões da violência: conhecimento, subjetividade e sofrimento psíquico (pp. 187-206). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Tolfo, S. R. (2013). Acoso laboral: aportaciones teóricas y sugerencias de acciones. In L. M. Cantera, S. Pallarès & C. Selva (Eds.), Del malestar al bienestar laboral (pp. 105-133). Barcelona: Amentia Editorial.

Vieira, C. E. C., Lima, F. P. A. & Lima, M. E. A. (2012). E se o assédio não fosse moral? Perspectivas de análise de conflitos interpessoais em situações de trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 37 (126), 256-268.
Publicado
2018-09-12
Como Citar
Gonçalves, J., Tolfo, S., & Espinosa, L. (2018). A (não) atuação frente ao assédio moral no trabalho. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 149-164. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p149-164
Seção
Artigos Originais