“Ser um ambulante é necessidade que nós temos de trabalhar”

cotidiano e identificação de trabalhadores pipoqueiros de Belo Horizonte

Autores

  • Gabriel Farias Alves Correia Universidade Federal de Minas Gerais
  • Higor Gomes Pereira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Alexandre de Pádua Carrieri Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p165-180

Palavras-chave:

Identidade, Identificação, Cotidiano, Pipoca, Trabalhadores pipoqueiros

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender o que é ser um trabalhador pipoqueiro na cidade de Belo Horizonte, as práticas cotidianas que envolvem a profissão e como é construída a identificação com esse trabalho. Para a proposta, adotamos uma abordagem qualitativa e realizamos sessenta e duas entrevistas com pipoqueiros atuantes na região central da cidade. Utilizamos a técnica de Análise Linguística do Discurso para analisarmos os dados e debruçamo-nos sobre o percurso semântico “cotidiano e identificações: ser ambulante e a necessidade de trabalhar”, considerando o cotidiano como aquele que interfere na construção das identificações dos pipoqueiros. Por fim, buscamos também ampliar e fomentar o debate acerca de saberes não hegemônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Farias Alves Correia, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestrando em Administração (Cepead/UFMG), bacharel em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Higor Gomes Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Alexandre de Pádua Carrieri, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Administração (Cepead/UFMG), professor titular da Universidade Federal de Minas Gerais e coordenador do Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade.

Referências

Acuña, E. & Sanfuentes, M. (2016). Ambiguity in the identity transformation of public health organizations. Revista de Administração de Empresas, 56 (3), 330-341.

Aguiar, A. R. C. & Carrieri, A. P. (2016). “Água de lona” e “sangue de serragem” nos discursos de sujeitos circenses. Organizações & Sociedade, 23 (77), 247-262.

Araújo, M. R. & Morais, K. R. S. (2017). Precarização do trabalho e o processo de derrocada do trabalhador. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 20 (1), 1-13.

Barros, A. & Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: construindo novos olhares na administração. Revista de Administração de Empresas, 55 (2), 151-161.

Cabana, R. P. L. & Ichikawa, E. Y. (2017). As identidades fragmentadas no cotidiano da Feira do Produtor de Maringá. Organizações & Sociedade, 24 (81), 285-304.

Cantoral-Cantoral, G. (2016). Vida cotidiana: uso/ocupación del tiempo/espacio y reconfiguración identitaria de género en San Cristóbal de Las Casas, Chiapas. LiminaR. Estudios Sociales y Humanísticos, 14 (2), 70-84.

Campos, I. & Davel, E. P. B. (2018). Empreendedorismo cultural, aprendizagem e identidade territorial: o desbravamento de jovens músicos do nordeste de Amaralina. Administração Pública e Gestão Social, 10 (1), 66-77.

Cardoso, M. A. F., Hanashiro, D. M. M. & Barros, D. L. P. (2016). Um caminho metodológico pela análise semiótica de discurso para pesquisas em identidade organizacional. Cadernos EBAPE.BR, 14 (2), 351-376.

Carrieri, A. P., Santos, J. V. P., Pereira, V. F. & Martins, T. S. (2016). Pesquisa histórica em Administração: a (re) construção identitária da Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG). Revista de Ciências da Administração, 18 (46), 9-22.

Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

Coraggio, J. L. (2018). ¿Qué hacer desde la economía popular ante la situación actual? Ediciones IDELCOOP, 224, 13-26.

Correa, M. V. P. & Lourenço, M. L. (2016). A constituição da identidade dos professores de pós-graduação stricto sensu em duas instituições de ensino superior: um estudo baseado nas relações de poder e papéis em organizações. Cadernos EBAPE.BR, 14 (4), 858-871.

Costa, M. S. (2010). Trabalho informal: um problema estrutural básico no entendimento das desigualdades na sociedade brasileira. Caderno CRH, 23 (58), 171-190.

Duclos, M. (2017). La (re)socialización desde abajo. Socialidades alternativas y nuevas economías populares en el caso de los mercados de pulgas informales de París, Francia. Revista de Antropología y Arqueología, 29 (1), 199-215.

Ettinger, V. M. T. M., Jesus Júnior, G., Setenta, A. M. & Cavalcante, A. L. (2015). Cultura, identidade e gênero: tecendo a rede de mulheres de comunidades extrativistas e pesqueiras do sul da Bahia. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 4 (3), 151-179.

Faria, A. A. M. & Linhares, P. T. F. S. (1993). O preço da passagem no discurso de uma empresa de ônibus. Cadernos de Pesquisa, 10, 32-38.

Fernandes, B. S. F. & Costa, S. C. D. (2018). Economia popular, des/colonialidade do poder e economia solidária: notas para um debate latino-americano. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 20 (2), 254-268.

Fernandes, M. E. R., Marques, A. L. & Carrieri, A. P. (2010). Elementos para a compreensão dos estudos de identidade em teoria organizacional. In A. P. Carrieri, Identidade nas organizações (pp. 73-86). Curitiba: Juruá.

González Rey, F. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Cengage Learning.

Gomes, J. O., Fantinel, L. D., Palassi, M. P. & Silva, A. R. L. (2016). Identificação e alteridade na identidade organizacional de uma organização pública. Administração Pública e Gestão Social, 8 (4), 257-269.

Gouvêa, J. B., Cabana, R. P. L. & Ichikawa, E. Y. (2018). As histórias e o cotidiano das organizações: uma possibilidade de dar ouvidos àqueles que o discurso hegemônico cala. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5 (12), 297-347.

Gouvêa, J. B. & Ichikawa, E. Y. (2015). Micropráticas cotidianas: A voz silenciosa dos indivíduos em oposição ao formalmente estabelecido na gestão cooperativa. Uma reflexão teórica. Perspectivas Contemporâneas, 10 (2), 92-107.

Guiraldelli, R. (2014). Trabalho, trabalhadores e questão social na sociabilidade capitalista. Cadernos de Psicologia Socialdo Trabalho, 17 (1), 101-115.

Kraychete, G. (2016). Categorias de análise do mundo do trabalho e dinâmica da economia dos setores populares: aderências e disjunções. Cadernos do CEAS, (239), 892-910.

Kraychete, G., Lara, X. & Costa, B. (2000). Economia dos setores populares: entre a realidade e a utopia. In G. Kraychete, Economia dos setores populares: entre a realidade e a utopia (15-38). Petrópolis: Vozes.

Marins, S. R. & Ipiranga, A. S. R. (2017). O organizar ampliado de práticas cotidianas nos bairros da cidade. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4 (9), 148-204.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2002). Classificação Brasileira de Ocupações: CBO 2002. Brasília: Secretaria de Políticas Públicas de Emprego.

Monteiro, D. F. B., Pereira, V. J., Oliveira, L. L., Lima, O. L. & Carrieri, A. P. (2017). O trabalho sujo com a morte: o estigma e a identidade no ofício de coveiro. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 6 (1), 77-98.

Rodrigues, F. S. & Ichikawa, E. Y. (2015). O cotidiano de um catador de material reciclável: a cidade sob o olhar do homem ordinário. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9 (1), 97-112.

Rodrigues, F., Cassandre, M. P. & Ichikawa, E. Y. (2017). Discussing the choices of the change laboratory’s participants: a look into the ordinary man. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 16 (3), 867-884.

Santiago, C. E. P. & Vasconcelos, A. M. N. (2017). Do catador ao doutor: um retrato da informalidade do trabalhador por conta própria no Brasil. Nova Economia, 27 (2), 213-246.

Santos, A. M. M. & Deluiz, N. (2009). Economia popular e educação: percursos de uma cooperativa de reciclagem de lixo no Rio de Janeiro. Trabalho, Educação e Saúde, 7 (2), 329-353.

Saraiva, L. A. S., Carrieri, A. P. & Soares, A. S. (2014). Territorialidade e identidade nas organizações: o caso do Mercado Central de Belo Horizonte. RAM – Revista de Administração Mackenzie, 15 (2), 97-126.

Saraiva, L. A. S., Carrieri, A. P., Enoque, A. & Gandolfi, P. (2010). Identidade nas organizações: uma questão polêmica em curso. In A. P. Carrieri, L. A. S. Saraiva, A. G. Enoque, P. E. Gandolfi (Orgs.). Identidade nas organizações (pp. 183-186). Curitiba: Juruá.

Serres, M. (2000). Novas tecnologias e sociedade pedagógica. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 4 (6), 129-142.

Simões Souza, L. (2017). Cultura, identidade e desenvolvimento local: o “Me Conta” e o Médio Rios das Contas. Revista de Gestão Social e Ambiental, 11, 107-123.

Souza, J. (2009). A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Souza, E. M. (2017). A teoria queer e os estudos organizacionais: revisando conceitos sobre identidade. Revista de Administração Contemporânea, 21 (3), 308-326.

Souza, M. M P. & Carrieri, A. P. (2012). Identidades, práticas discursivas e os estudos organizacionais: uma proposta teórico-metodológica. Cadernos EBAPE.BR, 10 (1), 40-64.

Souza, M. M. P. & Carrieri, A. P. (2014). A análise do discurso em estudos organizacionais. In E. M. Souza, Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: uma abordagem teórico-conceitual (pp. 13-38). Vitória: Edufes.

Teixeira, J. T., Saraiva, L. A. S. & Carrieri, A. P. (2015). Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, 22 (72), 161-178.

Tiriba, L. (2013). Economia popular e produção de uma nova cultura do trabalho: contradições e desafios frente à crise do trabalho assalariado. In G. Frigotto, Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século (pp. 189-216). Petrópolis: Vozes.

Van Vuuren, M., Teurlings, J. & Bohlmeijer, E. T. (2012). Shared fate and social comparison: Identity work in the context of a stigmatized occupation. Journal of Management & Organization, 18 (1), 263-280.

Vogt, S. & Lourenço, M. L. (2017). A identidade e cultura organizacional: o processo de identificação dos alunos de programas de pós-graduação stricto sensu em administração em instituições públicas e privadas. Revista de Educação, Ciência e Cultura ̧ 22 (1), 61-80.

Xavier, D. G. P., Falcão, J. T. R. & Torres, C. C. (2015). Caracterização da atividade laboral de trabalhadores informais em praia de Natal (RN) – Brasil. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18 (1), 29-45.

Zegada, M. T. (2014). La economia popular: sociedade civil privatizada em la era global. Punto Cero, 19 (29), 69-76.

Downloads

Publicado

2018-09-12

Como Citar

Correia, G. F. A., Pereira, H. G., & Carrieri, A. de P. (2018). “Ser um ambulante é necessidade que nós temos de trabalhar”: cotidiano e identificação de trabalhadores pipoqueiros de Belo Horizonte. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 165-180. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p165-180

Edição

Seção

Artigos Originais