Entre prazeres e sofrimentos

vivências subjetivas de trabalhadoras sexuais em São Paulo

Autores

  • Arilson Pereira da Silva Universidade São Judas Tadeu
  • Carla Raniele de Carvalho Santos Universidade São Judas Tadeu
  • Mônica Gurjão Carvalho Universidade São Judas Tadeu

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p181-195

Palavras-chave:

Trabalho sexual, Psicologia sócio-histórica, Psicodinâmica do trabalho

Resumo

A pesquisa, fundamentada na articulação da psicologia sócio-histórica e da psicodinâmica do trabalho, buscou compreender aspectos da subjetividade de trabalhadoras sexuais na cidade de São Paulo. Trata-se de pesquisa qualitativa que utilizou, para obtenção de dados, entrevistas semidirigidas. Participaram quatro trabalhadoras sexuais e uma extrabalhadora sexual que lidera uma ONG de acolhimento a trabalhadoras sexuais. A análise do material se deu por meio da identificação de núcleos de significação. Buscou-se contextualizar os aspectos subjetivos obtidos pelas entrevistas com uma perspectiva histórica, social e cultural. A articulação entre significados e sentidos aponta para aspectos de prazer e sofrimento no trabalho sexual. Os resultados indicaram que as trabalhadoras sexuais são socialmente subalternizadas e alvo de diferentes preconceitos. Permanecem, assim, à margem da sociedade. As trabalhadoras apontaram que as vivências de prazer e sofrimento não se associam unicamente à prática sexual, mas, também, ao relacionamento com os colegas, ao ambiente em que a atividade é exercida e a diversas situações relacionadas à organização do trabalho sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arilson Pereira da Silva, Universidade São Judas Tadeu

Psicólogo, professor da Universidade São Judas Tadeu, mestre em Psicologia Social pela Universidade São Marcos, doutor em Psicologia social pela Universidade de São Paulo (USP).

Carla Raniele de Carvalho Santos, Universidade São Judas Tadeu

Psicóloga pela Universidade São Judas Tadeu.

Mônica Gurjão Carvalho, Universidade São Judas Tadeu

Psicóloga pela Universidade São Judas Tadeu, professora na Fundação Santo André, mestre em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP).

Referências

Afonso, M. L. (2017). Um silêncio a cada esquina: representações sociais de prostitutas sobre a regulamentação da “profissão”. Porto Alegre: Luminária Academia.

Aguiar, W. M. J. & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94 (236), 299-322.

Barreto, L. C. (2008). Prostituição, gênero e sexualidade: hierarquias sociais e enfrentamento no contexto de Belo Horizonte. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Bock, A. M. (2015). A psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. In A. M. Bock, M. G. M. Gonçalves & O. Furtado (Orgs.), Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em Psicologia (6a ed., pp. 21-46). São Paulo: Cortez.

Bozon, M. (2004). Sociologia da sexualidade. Rio de Janeiro: FGV.

Chapkis, W. (1997). Live sex acts: women performing erotic labor. New York: Routledge

Couto, M. T. & Schraiber, L. B. (2013). Machismo hoje no Brasil: uma análise de gênero das percepções dos homens e das mulheres. In G. Venturi & T. Godinho (Orgs.), Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública (pp. 47-61). São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, 10 (1), 171-188.

Decreto-Lei n. 2.848. (1940, 7 de dezembro). Código Penal. Brasília: Presidência da República. Recuperado de https://bit.ly/1kR39ir

Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho (6a ed.). São Paulo: Cortez.

Dejours, C., Jayet, C. & Abdoucheli, E. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação de prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Despentes, V. (2016). Teoria King Kong. São Paulo: n-1 Edições.

Federici, S. (2017). Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante.

Guimarães, R. M. (2007). Prostituição: patologia, trabalho, prazer? O discurso de mulheres prostitutas. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Hirata, H. (2011). Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França e Japão. Caderno CRH, 24 (1), 15-22.

Leite, G. (2009). Filha, mãe, avó e puta: a história de uma mulher que decidiu ser prostituta. Rio de Janeiro: Objetiva.

Moira, A. (2018) Prostituindo saberes. In M. Prada, Putafeminista (pp. 11-15). São Paulo: Veneta.

Oliveira, M. Q. (2008). Prostituição e trabalho no baixo meretrício de Belo Horizonte: o trabalho na vida nada fácil. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Pasini, E. (2005). Sexo para quase todos: a prostituição feminina na Vila Mimosa. Cadernos Pagu, (25), 185-216.

Pateman, C. (1993). O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Piscitelli, A. (2005). Apresentação: gênero no mercado do sexo. Cadernos Pagu, (25). Recuperado de https://bit.ly/2KmfvAK

Prada, M. (2018). Putafeminista. São Paulo: Veneta.

Projeto de Lei n. 3.436. (1997, 24 de julho). Dispõe sobre a regulamentação das atividades exercidas por pessoas que praticam a prostituição em desacordo com os costumes morais e atentatórios ao pudor. Brasília: Câmara dos Deputados. Recuperado de https://bit.ly/2Ky5DCP

Projeto de Lei n. 98. (2003, 19 de fevereiro). Dispõe sobre a exigibilidade de pagamento por serviço de natureza sexual e suprime os arts. 228, 229 e 231 do Código Penal. Brasília: Câmara dos Deputados. Recuperado de https://bit.ly/2MKGnw0

Projeto de Lei n. 4.244. (2004, 7 de outubro). Institui a profissão de trabalhadores da sexualidade e dá outras providências. Brasília: Câmara dos deputados. Recuperado de https://bit.ly/2YNBngC

Projeto de Lei n. 377. (2011, 10 de fevereiro). Acrescenta artigo ao Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal –, para dispor sobre o crime de contratação de serviços sexuais, e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados. Recuperado de https://bit.ly/33iOgyl

Projeto de Lei n. 4.211. (2012, 12 de julho). Regulamenta a atividade dos profissionais do sexo. Brasília: Câmara dos Deputados. Recuperado de https://bit.ly/2KyHZGs

Przybysz, J. & Silva, J. M. (2017). Espacialidades e interseccionalidades na vivência de mulheres prostitutas mães na cidade de Ponta Grossa-PR. Geousp Espaço e Tempo, 21 (2), 570-585.

Rago, M. (1985). Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar e a resistência anarquista – Brasil (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Roberts, N. (1996). A prostituição através dos tempos na sociedade ocidental. Lisboa: Editorial Presença.

Russo, G. (2007). No labirinto da prostituição: o dinheiro e seus aspectos simbólicos. Caderno CRH, 20 (51), 497-514.

Silva, A. P. & Blanchette, T. G. (2017). Por amor, por dinheiro? Trabalho (re)produtivo, trabalho sexual e a transformação da mão de obra feminina. Cadernos Pagu, (50). Recuperado de https://bit.ly/2Kjg5zg

Sousa, F. I. (1998). O cliente: o outro lado da prostituição. São Paulo: Annablume.

Downloads

Publicado

2018-09-12

Como Citar

Silva, A. P. da, Santos, C. R. de C., & Carvalho, M. G. (2018). Entre prazeres e sofrimentos: vivências subjetivas de trabalhadoras sexuais em São Paulo. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 181-195. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p181-195

Edição

Seção

Artigos Originais