Comportamento organizacional e a armadilha da organização reificada

Palavras-chave: Comportamento Organizacional, Organização, Reificação, Subjetividade

Resumo

Neste ensaio argumentamos contra a tendência reificante de considerar a organização como uma coisa em si, nublando definitivamente as pessoas reais e as relações sociais que nela se estabelecem. Ao mesmo tempo, dada a necessidade do organizar e o crescente papel de mediação exercido pelas organizações na sociedade, reconhecemos que a compreensão dos fenômenos organizacionais é parte importante do esforço para compreender a própria sociedade. Nesse contexto de conhecimento e interesse, defendemos que a disciplina de Comportamento Organizacional está bem posicionada para essa tarefa e possui recursos para contrariar a tendência à reificação da organização. Mas isso não significa que essa disciplina esteja livre de armadilhas. Por isso, questionamos a centralidade da organização nesses mesmos estudos tanto em termos valorativos quanto em termos conceituais. No aspecto valorativo, discutimos a posição de vantagem que a organização goza frente aos indivíduos, particularmente frente aos trabalhadores. No aspecto conceitual, problematizamos a questão do ser da organização, ou pelo menos a ideia que dela se faz. Propomos, ao fim, a recuperação do trabalho como categoria central de análise dos fenômenos organizacionais como forma de superar a ameaça de uma teorização reificante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Newton Claizoni Moreno Melo, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Administração (Propad), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Débora Coutinho Paschoal Dourado, Universidade Federal de Pernambuco

Professora do Departamento de Ciências Administrativas (DCA), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

José Ricardo Costa de Mendonça, Universidade Federal de Pernambuco

Professor do Departamento de Ciências Administrativas (DCA), da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Abílio, L. C. (2014). Sem maquiagem: o trabalho de um milhão de revendedoras de cosméticos. São Paulo: Boitempo.

Alves, G. (2014). A disputa pelo intangível: estratégias gerenciais do capital na era da globalização. In R. Antunes (Org.), Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III (pp. 55-72). São Paulo: Boitempo.

Alvesson, M. & Deetz, S. (1999). Critical theory and postmodernism: approaches to organizational studies. In S. R. Clegg, & C. Hardy (Eds.), Studying organizations: theory and method (pp. 185-211). London: Sage.

Antunes, R. (2002). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.

Arendt, H. (2016). A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bakan, J. (2008). A corporação: a busca patológica por lucro e poder. São Paulo: Novo Conceito.

Becker, H. S. (1967). Whose side are we on? Social Problems, 14 (3), 239-247.

Boal, K. B., Hunt, J. G. & Jaros, S. J. (2003). Order is free: on the ontological status of organizations. In R. Westwood & S. Clegg (Eds.), Debating organization: point-counterpoint in organization studies (pp. 84-98). Oxford: Blackwell.

Böhm, S. (2006). Positioning organization theory. In S. Böhm, Repositioning organization theory: Impossibilities and strategies (pp. 3-25). New York: Palgrave Macmillan.

Braverman, H. (1998). Labor and monopoly capital: the degradation of work in the twentieth century. New York: Monthly Review Press. (Trabalho original publicado em 1974)

Brief, A. (2000). Still servants of power. Journal of Management Inquiry, 9 (4), 342-351.

Bronner, S. E. (1994). Philosophical anticipations: a commentary on the “reification” essay of Georg Lukács. In S. E. Bronner, Of critical theory and its theorists (pp. 32-61). Cambridge: Blackwell.

Chia, R. (2003). Ontology: organization as “world-making”. In R. Westwood & S. Clegg (Eds.), Debating organization: point-counterpoint in organization studies (pp. 98-113). Oxford: Blackwell.

Clegg, S. R., & Hardy, C. (1996). Introduction: organizations, organization and organizing. In S. R. Clegg, C. Hardy & W. R. Nord (Eds.), Handbook of organizational studies (pp. 1-28). London: Sage.

Davis, G. F. & Marquis, C. (2005). Prospects for organizational theory in the early twenty-first century: institutional fields and mechanisms. Organization Science, 16 (4), 332-343.

Drucker. P. F. (1993). The concept of the corporation. London: Routledge.

Duayer, M. (2015). Crítica ontológica em Marx. In J. P. Netto (Org.), Curso livre Marx-Engels: a criação destruidora (pp. 115-137). São Paulo: Boitempo.

Fausto, R. (1989). A “pós-grande indústria” nos Grundrisse (e para além deles). Lua Nova, 19, 47-68.

Fayol, H. (1989). Administração industrial e geral: previsão, organização, comando, coordenação e controle. São Paulo: Atlas. (Trabalho original publicado em 1916)

Fortes, R. V. (2016). As três determinações fundamentais da análise lukacsiana do trabalho: modelo das formassuperiores, prioridade ontológica e abstração isoladora. Crítica da ideia da centralidade do trabalho em Lukács. Verinotio, 11 (22), 44-75.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão (20a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Frankl, V. (2006). Men’s search for meaning. Boston: Beacon Press.

Gorz, A. (1989). Critique of economic reason. London: Verso.

Heath, C. & Sitkin, S. B. (2001). Big-B versus Big-O: what is organizational about organizational behavior? Journal of Organizational Behavior, 22 (1), 43-58.

Jung, C. G. (2008). Chegando ao inconsciente. In C. G. Jung (Org.), O homem e seus símbolos (pp. 15-131). Rio de
Janeiro: Nova Fronteira.

Kuhn, T. (2017). A estrutura das revoluções científicas (13a ed.). São Paulo: Perspectiva.

Lazzarato, M. & Negri, A. (2013). Trabalho imaterial: formas de vida e produção da subjetividade. Rio de Janeiro: Lamparina.

Lips-Wiersma, M. & Morris, L. (2009). Discriminating between ‘meaningful work’ and the ‘management of meaning’. Journal of Business Ethics, 88 (3), 491-511.

Lukács, G. (1980). Labour (the ontology of social being). London: Merlin Press.

Mardsen, R. & Townley, B. (1996). The owl of minerva: reflections of theory in practice. In S. R. Clegg, C. Hardy & W. R. Nord (Eds.), Handbook of organizational studies (pp. 659-675). London: Sage.

Marx, K. (2007) A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo. (Trabalho original publicado em 1845)

Marx, K. (2013). O capital: crítica da economia política – livro 1. São Paulo: Boitempo. (Trabalho original publicado em 1867)

Melo, N. (2019). Significados do trabalho na literatura popular de gestão. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Mészáros, I. (2016). A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo.

Mitchell, T. R. (2018). A dynamic, inclusive, and affective evolutionary view of organizational behavior. Annual Review of Organizational Psychology and Organizational Behavior, 5, 1-19.

Netto, J. P. (1981). Capitalismo e reificação. São Paulo: Ciências Humanas.

Nord, W. R. & Fox, S. (1999). The individual in organizational studies: the great disappearing act? In S. R. Clegg & C. Hardy (Eds.), Studying organizations: theory and method (pp. 142-168). London: Sage.

Paço-Cunha, E. (2010). Marx e a organização como abstração arbitrária. 6o Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD (pp. 1-7). Florianópolis: ANPAD. Recuperado de https://bit.ly/2YuOjIS

Paço-Cunha, E. & Ferraz, D. L. (Orgs.). (2018). Crítica marxista da administração. Rio de Janeiro: Rizoma.

Perrow, C. (1991). A society of organizations. Theory and Society, 20 (6), 725-762.

Porter, L. W. & Schneider, B. (2014). What was, what is, and what may be in OP/OB. Annual Review of Organizational Psychology and Organizational Behavior, 1, 1-21.

Ramos, A. G. (1981). The new science of organizations: reconceptualization of the wealth of nations. Toronto, ON: University of Toronto Press.

Reed, M. (1996). Organizational theorizing: a historically contested terrain. In S. R. Clegg, C. Hardy & W. R. Nord (Eds.), Handbook of organizational studies (pp. 31-56). London: Sage.

Robbins, S. P., Judge, T. A. & Sobral, F. (2010). O que é comportamento organizacional? In S. Robbins, T. Judge & F. Sobral, Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro (pp. 1-36). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Solinger, O. N., Olffen, W. & Roe, R. A. (2008). Beyond the three-component model of organizational commitment. Journal of Applied Psychology, 93 (1), 70-83.

Spink, P. K. (1996). A organização como fenômeno psicossocial: notas para uma redefinição da psicologia do trabalho. Psicologia & Sociedade, 8 (1), 174-192.

Staw, B. M. (2016). Stumbling toward a social psychology of organizations: an autobiographical look at the direction of organizational research. Annual Review of Organizational Psychology and Organizational Behavior, 3, 12.1-12.19.

Tausky, C. (1969). Meanings of work among blue-collar men. The Pacific Sociological Review, 12 (1), 49-55.

Taylor, F. W. (1990). Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas. (Trabalho original publicado em 1911)

Weber, M. (1978). Economy and society: an outline of interpretative sociology. Berkeley: University of California Press. (Trabalho original publicado em 1922)

Weick, K. (1979). The social psychology of organizing (2 a ed.). Reading, MA: Addison-Wesley Publishing Company.

Westwood, R. & Clegg, S. (2003). Commentary: let’s get ontological. In R. Westwood & S. Clegg (Eds.), Debating organization: point-counterpoint in organization studies (pp. 83-84). Oxford: Blackwell.

Wood Jr., T. & Paula, A. P. P. (2006). A mídia especializada e a cultura do management. Organização & Sociedade, 13 (38), 91-105.
Publicado
2018-09-12
Como Citar
Melo, N., Dourado, D., & Mendonça, J. R. (2018). Comportamento organizacional e a armadilha da organização reificada. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 197-208. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p197-208
Seção
Artigos Originais