Trabalho, subjetividade e gestão gerencialista

um estudo com trabalhadores do comércio

Palavras-chave: pessoal de vendas, saúde ocupacional, subjetividade, gerencialismo

Resumo

O presente estudo teve como objetivo caracterizar e problematizar as técnicas de gestão gerencialistas utilizadas no contexto de trabalho do comércio varejista. Essa análise teve como eixos teóricos os estudos de Vincent de Gaulejac a respeito das técnicas de gestão da subjetividade e os estudos da Psicodinâmica do Trabalho. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas com cinco comerciários da cidade de Porto Alegre. As entrevistas foram submetidas à análise de conteúdo, a partir da qual foram identificadas quatro categorias temáticas. Destacou-se primazia da gestão do desempenho e da excelência, pautada por técnicas que visam à homogeneização de comportamentos e à mobilização subjetiva dos trabalhadores. Os resultados dão luz a particularidades e precarizações no setor do comércio, assim como às implicações dessas técnicas de gestão para a subjetividade dos trabalhadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luisa Campos Moro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Mayte Raya Amazarray, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

Referências

Almeida, M. L. (1997). Comércio: perfil, reestruturação e tendências. Educação & Sociedade, 18(61), 139-158. http://hdl.handle.net/10183/78266

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Borges, L. D. O. (1999). As concepções do trabalho: um estudo de análise de conteúdo de dois periódicos de circulação nacional. Revista de Administração Contemporânea, 3(3), 81-107. http://dx.doi.org/ 10.1590/S1415-65551999000300005

Caniato, A. M. P., & Rodrigues, S. M. (2012). A construção psicossocial da competição: o engano na cumplicidade de uma falsa vida. Psicologia & Sociedade, 24(1), 23-35. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000100004

Castelhano, L. M. (2005). O medo do desemprego e a(s) nova(s) organizações de trabalho. Psicologia & Sociedade, 17(1), 17-28. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822005000100003

Costa, S. H. B. (2013). Trabalho prescrito e trabalho real. In F. de O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Eds.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 467-471). Curitiba: Juruá.

Costa, M., Maciel, C. M., Ferreira, M. R., & Brandão Jr, R. D. (2006). Flexibilização do trabalho no comércio: o caso de um shopping center. Revista da ABET, 6(2), 127-151. https://periodicos.ufpb.br/ ojs2/index.php/abet/article/view/15719/8968.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14(3), 27-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132004000300004

Dejours, C. (2007). A carga psíquica do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli, & C. Jayet (Eds.), Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2012). Psicodinâmica do trabalho e teoria da sedução. Psicologia em Estudo, 17(3), 363-371. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722012000300002

Ferreira, J. B. (2013). Real do trabalho. In F. de O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Eds.), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 343-350). Curitiba: Juruá.

Fundação de Economia e Estatística (2015). Índice base fixa de volume de vendas no comércio, por unidades geográficas e atividades econômicas. Porto Alegre: FEE.

Foucault, M. (1977). Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes.

Foucault, M. (2004). Nascimento da biopolítica. In Resumo dos cursos do college de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Zahar.

Gaulejac, V. de. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias e Letras.

Gernet, I., & Dejours, C. (2011). Avaliação do trabalho e reconhecimento. In P. F. Bendassolli, & L. A. P. Soboll (Eds.), Clínicas do trabalho: novas perspectivas para a compreensão do trabalho na atualidade (pp. 61-70). São Paulo: Atlas.

Grisci, C. L. I. (2008). Trabalho imaterial, controle rizomático e subjetividade no novo paradigma tecnológico. RAE eletrônica, 7(1). http://dx.doi.org/10.1590/S1676-56482008000100005

Horst, A. C., Soboll, L. A. P., & Cicmanec, E. (2013). Prática de gestão e controle da subjetividade dos trabalhadores: a ideologia de encantamento em uma empresa de varejo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 16(1), 9-23. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v16i1p9-23

Hypolito, A. M., Vieira, J. S., & Pizzi, L. C. V. (2009). Reestruturação curricular e autointensificação do trabalho docente. Currículo sem Fronteiras, 9(2), 100-112. http://www.curriculosemfronteiras.org/vol9iss2articles/ hypolito-vieira-pizzi.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (2001). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (2018). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE.

Linhares, A. R., & Siqueira, M. V. S. (2014). Um diálogo entre a psicodinâmica do trabalho e a sociologia clínica no universo da modernidade líquida. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 7(1), 106-118. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202014000100010

Mendes, A. M., & Siqueira, M. V. (2013). Avaliação de desempenho e assédio moral. In L. A. P. Soboll e D. L. S. Ferraz (Eds.), Gestão de pessoas: armadilhas da organização do trabalho (pp. 150-163). São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., Cruz Neto, O., & Gomes, R. (2013). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V. de, & Descendre, D. (1987). O poder das organizações: a dominação das multinacionais sobre os indivíduos. São Paulo: Atlas.

Santos, S. M. A. (2013). Multinacionais e suas interfaces num contexto de reconfiguração do capitalismo e do mundo do trabalho no século XXI. O caso C&A Modas: uma fast fashion do comércio varejista. Anais do VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. São Paulo: ALAST.

Sennett, R. (2001). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Silva, R. C. (2003). Controle organizacional, cultura e liderança: evolução, transformações e perspectivas. Revista de Administração Pública, 37(4), 797-816. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/ index.php/rap/article/view/6502

Tonon, L., & Grisci, C. L. I. (2015). Gestão gerencialista e estilos de vida de executivos. Revista de Administração Mackenzie, 16(1), 15-39. http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n1p15-39
Publicado
2019-12-20
Como Citar
Moro, A. L., & Amazarray, M. (2019). Trabalho, subjetividade e gestão gerencialista. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(2), 117-130. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i2p117-130
Seção
Artigos Originais