O sentido do trabalho para bombeiros pós-evento crítico

o caso da Boate Kiss

Palavras-chave: bombeiros, sentido do trabalho, evento crítico

Resumo

Atuando em eventos inesperados e tendo como missão a preservação da vida, a profissão de bombeiro merece destaque em estudos acadêmicos pelo envolvimento emocional e físico que a atividade exige. Este estudo qualitativo analisou o sentido do trabalho para 40 bombeiros envolvidos no evento crítico ocorrido na Boate Kiss (Santa Maria). Constatou-se que, para os entrevistados, o evento refletiu negativamente nas dimensões organizacional e social, alterando o sentido atribuído ao trabalho, especialmente, frente à precariedade da relação de trabalho, falta de aceitação moral e de reconhecimento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manueli Tomasi, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Mestranda com Bolsa CAPES/PROSUC pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS-2018). Graduação em Psicologia pela Faculdade Meridional - IMED (2013-2017). Participou como membro do Grupo de Pesquisa do CNPq Estudos Organizacionais Contemporâneo, como bolsista PROBITI/FAPERGS (2015-2017), vinculado ao PPG em Administração da Faculdade Meridional - IMED. Atualmente suas pesquisas e ações estão voltadas para as seguintes temáticas: processos de saúde e doença do trabalhador, saúde mental, sofrimento ético-político na dialética exclusão/inclusão frente às desigualdade sociais, estigma, subjetividades e contemporaneidade.

Shalimar Gallon, Faculdade Meridional

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2008) e mestrado (2011) e doutorado (2015) em Administração com ênfase em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com período de doutorado sanduíche na Universidade de Lisboa (Portugal) no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG). Atualmente é professora e pesquisadora da Pós- Graduação em Administração na área de Estudos Organizacionais Contemporâneos na Business School da IMED. Tem interesse pelo tema de Gestão de Pessoas; Gestão de Pessoas Estratégica; Gestão de Pessoas Internacional; Expatriação; Internacionalização; Estratégia de Internacionalização; Carreira; Diversidade nas Organizações; Gênero; Sentido do Trabalho; e Métodos Qualitativos. Já participou de cinco projetos de pesquisa, sendo o atual em Gestão Estratégica de Pessoas; e Gestão de Pessoas Estratégica no Contexto Internacional, sendo esse último financiado pelo CNPq.

Jandir Pauli, Faculdade Meridional

Graduação em Filosofia (UPF), Mestrado em Sociologia (UFRGS), Doutorado em Sociologia (UFRGS), com estágio doutoral na Université Paris IV-Sorbonne e Pós-doutorado em Sociologia Econômica (Université Paris IV-Sorbonne. Desde 2006 é Professor Titular IV na Faculdade Meridional (IMED) com atividades na graduação, lato sensu e no programa de pós-graduação stricto sensu em Administração da Imed Business School. Como pesquisador, atua nos grupos de pesquisa CNPq: "Estudos Organizacionais Contemporâneos" (PPGA-IMED) e no "Grupo de Estudos em Redes Organizacionais, Sociais e Sustentabilidade" (PPGA-UEL). Em suas pesquisas desenvolve temas relacionados ao comportamento organizacional, sociologia do trabalho, cooperativismo e sociologia econômica.

Roseane Carvalho, Faculdade Meridional

Graduação em Psicologia.

Referências

Amato, T. D. C., Pavin, T., Martins, L. F., Ronzani, T. M., & Batista, A. (2010). Trabalho, gênero e saúde mental: uma pesquisa quantitativa e qualitativa entre bombeiros. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 13(1), 103-118.

Andrade, S. P. C., Tolfo, S. R., & Dellagnelo, E. H. L. (2012). Sentidos do trabalho e racionalidades instrumental e substantiva: interfaces entre a administração e a psicologia. Revista de Administração Contemporânea, 16(2), 200-216. https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552012000200003

Antunes, R. (2003). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Bastos, A. V. B., Pinho, A. P., & Costa, C. A. (1995). Significado do trabalho: um estudo entre trabalhadores de organizações formais. Revista de Administração de Empresas, 35(6), 20-29.

Barbosa, A. G. (2011). Estudo da omissão imprópria em face da atuação do bombeiro militar. Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências Militares, Academia de Polícia Militar, Centro de Ensino de Graduação, Minas Gerais, Brasil.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bassi, E., Miranda, L. C., Tierno, P. F. G. M. M., Ferreira, C. B., Cadamuro, F. M., Figueiredo, V. R., & Malbouisson, L. M. S. (2014). Assistance of inhalation injury victims caused by fire in confined spaces: what we learned from the tragedy at Santa Maria. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 26(4), 421-429.

Bastos, A. V. B. (1995). Comprometimento no trabalho: o estado da arte e uma possível agenda de pesquisa. Cadernos de Psicologia, 1(1), 44-63.

Bendassolli, P. F., & Borges-Andrade, J. E. (2011). Significado do trabalho nas indústrias criativas. Revista de Administração de Empresas, 51(2), 143-159.

Capitaneo, D., Ribeiro, K., & Silva, J. C. (2015). O papel idealizado do bombeiro: e o ser humano por trás da farda? Vittalle Revista de Ciências da Saúde, 24(1), 53-68.

Carrato, A., Elísio, G., & Diniz, S. M. C. (2018). O crime ambiental de Mariana: omissão e conivência da mídia brasileira. Scripta, 22(45), 151-162.

Cardoso, T. A. O., Costa, F. G., & Navarro, M. B. M. A. (2012). Biossegurança e desastres: conceitos, prevenção, saúde pública e manejo de cadáveres. Physis Revista de Saúde Coletiva, 22(4), 1523-1542.

Castilho, L., Oliveira, P., & Fabriani, C. B. (2012). Análise de uma tragédia ambiental e a participação da população no equacionamento dos problemas de moradia: um estudo de caso da tragédia na região serrana do Rio de Janeiro. VI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade. Belém: ANPPAS.

Classificação Brasileira de Ocupações (2002). Nova classificação brasileira de ocupações. http://www.mtecbo.gov.br/ cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTituloResultado.jsf

Costa, A. M. D., Pacheco, M. L. L., & Perrone, C. M. (2016). Intervenções na emergência: a escuta psicanalítica pós-desastre da Boate Kiss. Revista Subjetividades, 16(1), 155-165.

Coutinho, M. C. (2009). Sentidos do trabalho contemporâneo: as trajetórias identitárias como estratégia de investigação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(2), 189-202.

Cunha, F. M. (2016). Prevenção contra incêndios: a competência do corpo de bombeiros militar do Rio Grande do Sul antes e após a lei. Trabalho de Conclusão de Curso, Centro Universitário Univates. Lajeado. https://www.gnuteca.univates.br/ bdu/handle/10737/1347

Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Duarte, D. A. (2016). Narrar para conhecer os modos de ser-trabalhar-existir: o (difícil) cenário do trabalho contemporâneo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 19(2), 187-199.

Frutos, F. P. P. (2007). Vivenciando o bem estar, enfrentando o sofrimento: estudo da representação social do bombeiro sobre o significado de seu trabalho. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UEL_62e441d7c0b7b76231b9681f6d6c541e

Gama, R. V. O., Ferreira, L. R., Coutinho, M. M., & Moreira, P. V. C. (2019). Precarização do trabalho: análise sobre as condições laborais dos militares no âmbito estadual. P2P e Inovação, 6(1), 206-227.

Hackman, J. R., & Oldham, G. R. (1975). Development of the job diagnostic survey. Journal of Applied psychology, 60(2), 159-170.

Halbesleben, J. R., & Clark, S. K. (2010). The experience of alienation among temporary workers in high-skill jobs: a qualitative analysis of temporary firefighters. Journal of Managerial Issues, 22, 531-545.

Inter-Agency Standing Committee (2007). IASC Guidelines on mental health and psychosocial support in emergency settings. Geneva: WHO.

Lancman, S., & Sznelwar, L. I. (2008). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Lima, E. P., Assunção, A. A., & Barreto, S. M. (2015). Prevalência de depressão em bombeiros. Cadernos Saúde Pública, 31(4), 733-743.

Lima, F. D. P. A., Diniz, E. H., Rocha, R., & Campos, M. (2015). Barragens, barreiras de prevenção e limites da segurança: para aprender com a catástrofe de Mariana. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 40(132), 118-120.

Marconato, R. S., & Monteiro, M. I. (2015). Dor, percepção de saúde e sono: impacto na qualidade de vida de bombeiros/profissionais do resgate. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(6), 991-999.

Meaning of Work International Research Team (1987). The meaning of working. New York: Academic Press.

Mendes, P. H. (2019). Os heróis de Brumadinho: o suporte estatal aos bombeiros decorrentes ao maior desastre humanitário de Minas Gerais. Percurso, 4(31), 218-221.

Mendes, A. M. (2012). Psicodinâmica e clínica do trabalho: temas, interfaces e casos brasileiros. Curitiba: Juruá.

Ministério da Integração Nacional (2009). Glossário de defesa civil estudos de riscos e medicina de desastres. Brasília: Secretaria Nacional de Defesa Civil.

Monteiro, J. K., Maus, D., Machado, F. R., Pesenti, C., Bottega, D., & Carniel, L. B. (2007). Bombeiros: um olhar sobre a qualidade de vida no trabalho. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(3), 554-565. https://doi.org/10.1590/S1414-98932007000300014

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41(3), 08-19.

Morin, E. M., Tonelli, M. J., & Pliopas, A. L. V. (2007). O trabalho e seus sentidos. Psicologia & Sociedade, 19(1), 47-56.

Narváez, L., Lavell, A., & Ortega, G. P. (2009). La gestión del riesgo de desastres: un enfoque basado en procesos. Lima, Perú: Secretaría General de la Comunidad Andina.

Nascimento, R., Santos, A., & Pinho, A. (2017). O sentido do trabalho para o agente funerário. Anais do XLI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração. São Paulo: ANPAD.

Natividade, M. R. D. (2009). Vidas em risco: a identidade profissional dos bombeiros militares. Psicologia & Sociedade, 21(3), 411-420.

Noal, D. D. S., Vicente, L. N., Weintraub, A. C. A. D. M., Fagundes, S. M. S., Cabral, K. V., Simoni, A. C. R., & Pulino, L. H. C. Z. (2016). Mental health and psychosocial care strategy for affected from Kiss Nightclub. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 932-945.

Oliveira, S. R., Piccinini, V. C., Fontoura, D. S., & Schweig, C. (2004). Buscando o sentido do trabalho [CD-ROM]. Anais do XXVIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Porto Alegre: ANPAD.

Paranhos, M., & Werlang, B. S. (2015). Psicologia nas emergências: uma nova prática a ser discutida. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(2), 557-571.

Ribeiro, N. (2016). Heróis por que causa? Stress ocupacional e work engagement em bombeiros voluntários e sapadores. Dissertação de mestrado em Psicologia, Universidade do Porto, Porto. https://repositorio-aberto.up.pt/ handle/10216/88651?locale=pt

Rodrigues, A. L., Barrichello, A., Irigaray, H. A. R., Soares, D. R., & Morin, E. M. (2017). Work and its meanings: a study of forensic experts in the Federal Police. Revista de Administração Pública, 51(6), 1058-1084.

Rodríguez, J., Davoli, Z., & Pérez, R. (2006). Guía práctica de salud mental en situación de desastres. https://iris.paho.org/ handle/10665.2/2800

Rodríguez-Toubes, D., Brea, J. A. F., & Torre, J. A. D. L. (2014). Experiencias de crisis por desastres en los negocios turísticos: ni se aprende, ni se prepara. Tourism & Management Studies, 10(2), 50-56.

Rohm, R. H. D., & Lopes, N. F. (2015). O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-moderno: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 332-345.

Santiago, E. B. (2015). O ambiente de trabalho, as estratégias de defesas e suas implicações na construção da identidade do trabalhador. Encontro: Revista de Psicologia, 16(25), 9-29.

Santos, C. S., Gomes, F. L., Faustino, N. O., Almeida, T. M. S. (2011). O bombeiro no espelho: um estudo sobre as representações sociais do bombeiros do 2º Batalhão de Contagem acerca do seu próprio trabalho. Anais do 16º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social. Recife: ABRAPSO. https://bit.ly/2WSK8lx

Silva, S. F. L. (2009). Cooperação e visão sistêmica em equipes de trabalho: uma proposta com jogos cooperativos em tabuleiro. In N. Valencio, M. Siena, V. Marchezini, & J. C. Gonçalves (Orgs.), Sociologia dos desastres: construção, interfaces e perspectivas no Brasil (pp. 216-227). São Carlos: RiMa Editora.

Silva, K. A. T., & Cappelle, M. C. A. (2017). O trabalho na prostituição de luxo: análise dos sentidos produzidos por prostitutas em Belo Horizonte-MG. Revista de Gestão Social e Ambiental, edição especial, 23-39.

Sinden, K., MacDermid, J., Buckman, S., Davis, B., Matthews, T., & Viola, C. (2013). A qualitative study on the experiences of female firefighters. Work, 45(1), 97-105.

Souza, K. M. O. D. (2013). A análise da relação trabalho e saúde na atividade dos bombeiros militares do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro. https://www.arca.fiocruz.br/ handle/icict/14361

Souza, S. A. D., & Moulin, M. D. G. B. (2014). Serviço público: significados e sentidos de um trabalho em mutação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(1), 49-65.

United Nations International Strategy for Disaster Reduction. (2009). Terminología sobre reducción del riesgo de desastres. http://www.unisdr.org/files/7817_UNISDRTerminologySpanish.pdf 

Schneider, G., & Silva, I. C. (2019). Reflexões sobre segurança pública e forças armadas: o exemplo da tragédia da Boate Kiss de Santa Maria/RS. Cadernos de Comunicação, 1(1), 212-221.

Schweitzer, L., Gonçalves, J., Tolfo, S. R., & Silva, N. (2016). Bases epistemológicas sobre sentido(s) e significado(s) do trabalho em estudos nacionais. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 16(1), 103-116.

Vidotti, H. G. M., Coelho, V. H. M., Bertoncello, D., & Walsh, I. A. P. (2015). Qualidade de vida e capacidade para o trabalho de bombeiros. Fisioterapia e Pesquisa, 22(3), 231-238.

Vilela, R. A. G., Iguti, A. M., & Almeida, I. M. D. (2004). Culpa da vítima: um modelo para perpetuar a impunidade nos acidentes do trabalho. Cadernos de Saúde Pública, 20(2), 570-579.

Williams, R., & Drury, J. (2009). Psychosocial resilience and its influence on managing mass emergencies and disasters. Psychiatry, 8(8), 293-296.

Yin, R. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos (3ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zanettini, A., Narzettil, B. T. M., & Mattos, V. B. (2015). Síndrome de burnout, avaliação da carga mental no trabalho: estudo com bombeiros militares, cidade de Xanxerê-SC. Anais da 76º Semana Brasileira de Enfermagem e 11º Semana Municipal de Enfermagem. Chapecó, 11, 1-215.

Zarifian, P. (2002). Engajamento Subjetivo, disciplina e controle. Novos Estudos CEBRAP, 64, 23-31.
Publicado
2019-12-20
Como Citar
Tomasi, M., Gallon, S., Pauli, J., & Carvalho, R. (2019). O sentido do trabalho para bombeiros pós-evento crítico. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(2), 143-163. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i2p143-163
Seção
Artigos Originais