Desvendando os sentidos do trabalho

limites, potencialidades e agenda de pesquisa

Palavras-chave: Sentidos do Trabalho, Trabalho, Subjetividade-Objetividade

Resumo

Neste texto, objetivamos analisar os conteúdos presentes na definição de sentido(s) do trabalho que possuem maior influência no campo das ciências sociais aplicadas no Brasil. Para tanto, efetuamos uma análise imanente dos artigos mais referenciados na área, identificados por meio de um estudo bibliométrico nos portais Capes, Spell e Scielo, entre os anos de 2000 a 2017. A partir do levantamento bibliométrico, foi constatado que os estudos acerca do sentido do trabalho possuem dois autores basilares: Estelle Morin e Ricardo Antunes. Para Morin, o trabalho só adquire sentido se houver a intensificação do trabalho e ele for produtivo para o capital; para Antunes, o trabalho só tem sentido para além do capital. Por isso, é epistemologicamente incoerente dialogar os dois autores em um mesmo trabalho, pois um afirma o status quo e o outro o nega. A compreensão emanada dos textos analisados permitiu reafirmarmos a necessidade de resgatar a categoria “trabalho” em sua particularidade histórica, defendermos a postura filosófica da determinação ontoprática do pensamento e propormos reflexões sobre uma agenda de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antal, A. B., Debucquet, G., & Frémeaux, S. (2018). Meaningful work and artistic interventions in organizations: conceptual development and empirical exploration. Journal of Business Research, 85, 375-385.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho (3ª ed., Coleção Mundo do Trabalho). São Paulo: Boitempo.

Antunes, R. (Org.). (2006). Riqueza e miséria do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Bendassolli, P. F. (2009). Psicologia e trabalho: apropriações e significados. São Paulo: Cengage Learning.

Bendassolli, P. F., & Gondim, S. M. (2014). Significados, sentidos e função psicológica do trabalho: discutindo essa tríade conceitual e seus desafios metodológicos. Avances en Psicología Latinoamericana, 32(1), 131–147.

Borchardt, P., & Bianco, M. F. (2016). Meanings of volunteer work: a study with members of a lutheran institution. RAM, Revista de Administração Mackenzie, 17(5), 61-84.

Borges, L. O., & Yamamoto, O. H. (2004). O mundo do trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Andrade-Borges, & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 492-517). Porto Alegre: Artmed.

Chasin, J. (2009). Marx: estatuto ontológico e resolução metodológica. São Paulo: Boitempo. (Originalmente publicado em 1995)

Colomby, R. K., & Costa, S. G. (2018). Perspectives on labor polysemy: theoretical foundations and study possibilities. Revista de Administração Mackenzie, 19(5), eRAMG180082.

Coutinho, M. C. (2015). Psicologia social do trabalho em dois tempos. In M. C. Coutinho, O. Furtado, & T. R. Raitz (Orgs.), Psicologia social e trabalho: perspectivas críticas (pp. 2-15). Florianópolis: Edições do Bosque.

D’Arisbo, A., Boff, D., Oltramari, A. P., & Salvagni, J. (2018). Regimes de flexibilização e sentidos do trabalho para docentes de ensino superior em instituições públicas e privadas. Trabalho, Educação e Saúde, 16(2), 495-517.

Ferraz, D. L. S. (2013). Pelo fim da categoria inclusão/exclusão: a questão do exército de reserva no capitalismo contemporâneo. In A. D. Cattani (Org.), A construção da sociedade justa na América Latina (pp. 67-89). Porto Alegre: Tomo Editorial.

Ferraz, D. L. S. (2019). Sequestro da subjetividade: revisitar o conceito e apreender o real. Revista Eletrônica de Administração, 25(1), 238-268.

Ferraz, D. L. S., & Menna-Barreto, J. (2012). A organização dos trabalhadores desempregados como mediação para a consciência de classe. Organizações & Sociedade, 19(61), 187-207.

Ferraz, D. L. S., Mueller, R. R. (2014). Assistantialisme er entrepreneuriat populaire: une nécessaire articulation pour éradiquer la pauvreté? In P. J. Ulysse, F. Lesemann, & F. J. P. Sousa (Orgs.), Les travailleurs pauvres: précarisation du marché du travail, érosion des protections sociales et initiatives citoyennes (v. 1, pp. 249-268). Québec: Université du Québec.

Ferraz, D. L. S., Chaves, R. H., & Ferraz, J. M. (2018). Para além da epistemologia: reflexões necessárias para o desenvolvimento do conhecimento. Revista Eletrônica de Administração, 24(2), 1-30.

Fortes, R. V. (2016). As três determinações fundamentais da análise lukacsiana do trabalho. Verinotio Revista on-line de Filosofia e Ciências Humanas, 22, 44-75.

Franco, D. S., & Ferraz, D. L. S. (2019). Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos EBAPE.BR, 17(edição especial), 844-856.

Guerra, A. F., Ferraz, D. L. S., & Areosa, J. (2018). Relações de trabalho na dinâmica do capitalismo contemporâneo: uma antecâmara para o suicídio? Revista TMQ Techniques, Methodologies and Quality, número especial, 12-27.

Lourenço, C. D. S., Ferreira, P. A., & Brito, M. J. (2013). O significado do trabalho para uma executiva: a dicotomia prazer e sofrimento. Revista Organizações em Contexto, 9(17), 247-279.

Lukács, G. (2013). Para uma ontologia do ser social (vol. 2). São Paulo: Boitempo. (Originalmente publicado em 1984, título original: Zur ontologie des gesellschaftlichen seins: Die gegerwätige problemlage)

Marx, K. (2011). Grundrisse (13ª ed.). São Paulo: Boitempo. Rio de Janeiro: UFRJ. (Originalmente publicado em 1976, título original: Gundrisse der Kritik der Politischen Okonomie)

Marx, K. (2013). O capital: crítica à economia política (vol. 1, 3ª ed.). São Paulo: Boitempo. (Originalmente publicado em 1867, título original: Das Kapital)

Marx, K., & Engels, F. (2007). A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stiner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo. (Originalmente publicado em 1845-1846, título original: Die deutsche Ideologie)

Maslow, A. H. (2003). Diário de negócios de Maslow. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Morin, E. M. (1997). Le sens du travail pour des gestionnaires francophones. Revue Psychologie du Travail e des Organizations, 3, 26-45.

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista Administração de Empresas, 41(3), 8-19.

Morin, E., Tonelli, M. J., & Pliopas, A. L. V. (2007). O trabalho e seus sentidos. Psicologia & Sociedade, 19(spe), 47-56.

Paes de Paula, A. P. (2015). Repensando os estudos organizacionais: o círculo das matrizes epistemológicas e a abordagem freudo-frankfurtiana. Tese Titular, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Silva, A., Furtado, G. M., Lima, T. C. B., Ferraz, S. F. S., & Cabral, A. C. A. (2013). Sentido do trabalho e diversidade: um estudo com homossexuais masculinos. Revista ADM. MADE, 17(2), 85-105.

Silva, M. P., & Simões, J. M. (2015). O estudo do sentido do trabalho: contribuições e desafios para as organizações contemporâneas. Capital Científico, 13(3), 136-151.

Tolfo, S. R., Coutinho, M. C., Almeida, A. R., Baasch, D., & Cugnier, J. (2005). Revisitando abordagens sobre sentidos e significados do trabalho [CD-ROM]. Anais do Fórum CRITEOS. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Tolfo, S. R., Coutinho, M. C., Almeida, A. R., Baasch, D., & Cugnier, J. (2011). Sentidos y significados del trabajo: um análisis com base em diferentes perspectivas teórico-epistemológicas en Psicología. Universitas Psychologica, 10(1),175-188.

Tolfo, S. R., & Piccinini, V. (2007). Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia & Sociedade, 19(spe), 38-46.

Vaisman, E. (1999). A usina onto-societária do pensamento. Revista Ensaios AdHominem, 1(1), 247-287.
Publicado
2019-12-20
Como Citar
Ferraz, D., & Fernandes, P. (2019). Desvendando os sentidos do trabalho. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(2), 165-184. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i2p165-184
Seção
Artigos Originais