Ideologia gerencialista e adoecimento mental no trabalho

uma análise crítica

Palavras-chave: ideologia gerencialista, sofrimento no trabalho, adoecimento mental

Resumo

Estudos sobre o mundo do trabalho e as articulações do homem em seu contexto perpassam diferentes perspectivas e olhares, implicando uma diversidade de análises. À luz da crítica organizacional, este ensaio teórico tem como objetivo discutir os reflexos da ideologia gerencialista na organização do trabalho e no adoecimento mental do trabalhador. No contexto da sociedade do consumo, marcada pelo neoliberalismo e pela racionalidade da economia capitalista, fazer carreira e ter sucesso assumem valores essenciais no universo subjetivo dos trabalhadores. A partir do fascínio e da sedução, explícitos no vínculo afetivo, a ideologia gerencialista faz uso de diversas estratégias para o envolvimento máximo do trabalhador. Os conflitos advindos da relação homem e trabalho, fruto do capitalismo e sua gestão, são reforçados pela ideologia gerencialista e se deslocam do nível da organização para o nível psicológico, aguçando o sofrimento psíquico, o esgotamento e as perturbações psicossomáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Vinícius Soares Siqueira, Universidade de Brasília

Professor associado da Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas (Face) da Universidade de Brasília (UnB).

Andreia Pereira Silva Morais, Universidade de Brasília

Mestre em Administração pela Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas (Face) da Universidade de Brasília (UnB)

Kever Bruno Paradelo Gomes, Instituto Federal de Brasília

Professor do Instituto Federal de Brasília.

Referências

Adhikari, R., & Melia, K. M. (2015). The (mis)management of migrant nurses in the UK: a sociological study. Journal Nursing Management, 23(3), 359-67. https://doi.org/10.1111/ jonm.12141

Aktouf, O. (1996). A administração entre a tradição e a renovação. São Paulo: Atlas.

Alcadipani, R., & Rosa, A. R. (2010). O pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “Borat” Brasileiro. Revista de Administração de Empresas, 50(4), 371-382.

Althusser, L. (1985). Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal.

Alves, G. (2000). O novo (e precário) mundo do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Alves, G. (2011). Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo.

Andersen, M. F., Nielsen, K., & Brinkmann, S. (2014). How do workers with common mental disorders experience a multidisciplinary return-to-work intervention? A qualitative study. Journal of Occupational Rehabilitation, 24(4), 709-724.

Antunes, R. (1995). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.

Antunes, R. (2009). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Antunes, R., & Praun, L. (2015). A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serviço Social & Sociedade, 123, 407-427. http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.030

Baasch, D., Trevisan, R. L., & Cruz, R. M. (2017). Perfil epidemiológico dos servidores públicos catarinenses afastados do trabalho por transtornos mentais de 2010 a 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5), 1641-1650.

Barros, A. C, J., & Ribeiro, M. A. (2014). A empresa-mãe protetora (re)vela uma dimensão perversa. Boletim de Psicologia, 63(139), 129-145.

Bauman, Z. (2000). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Bendassolli, P. F. (2007). O mal-estar na sociedade de gestão. In V. Gaulejac, Gestão como doença social (pp. 7-22). Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Braz, M. V. (2018). A reificação das emoções e a negação do sofrimento no trabalho contemporâneo. Revista Espaço Acadêmico, 18(209), 1-11.

Chanlat, J. F. (1996). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas (vol. 3). São Paulo: Atlas.

DATAPREV (2015). Anuário estatístico da previdência social. Brasília: Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência. http://sa.previdencia.gov.br/site/2015/08/AEPS-2015-FINAL.pdf

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV.

Dejours, C. (2008). Alienação e clínica do trabalho. In S. Lancman, & L. I. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (255-286). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Enriquez, E. (1997). A organização em análise. Petrópolis, RJ: Vozes.

Enriquez, E. (1990). Da horda ao estado: psicanálise do vínculo social. Rio de Janeiro: Zahar.

Enriquez, E. (2014). O trabalho, essência do homem? O que é o trabalho? Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(1), 163-176.

Fairclough, N. (1989). Language and power. London: Longman.

Faria, J. H. (2004). Economia política do poder: as práticas do controle nas organizações. Curitiba: Juruá.

Faria, J. H. (Org.). (2007). Análise crítica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo: Atlas.

Faria, J. H. (2009a). Teoria crítica em estudos organizacionais no Brasil: o estado da arte. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 509-515.

Faria, J. H. (2009b). Consciência crítica com ciência idealista: paradoxos da redução sociológica na fenomenologia de Guerreiro Ramos. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 420-446.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2007a). Discursos organizacionais. In J. H. Faria (Org.), Análise crítica das teorias e práticas organizacionais (pp. 119-141), São Paulo: Atlas.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2007b). O sequestro da subjetividade. In J. H. Faria (Org.), Análise crítica das teorias e práticas organizacionais (pp. 45–67). São Paulo: Atlas.

Faria, J. H. (2019). Realidade e seu conceito: comentários sobre a crítica ao “sequestro da subjetividade”. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, 25(1), 269-282. http:// dx.doi.org/10.1590/1413-2311.239.90276

Ministério da Fazenda (2017). Adoecimento mental e trabalho: a concessão de benefícios por incapacidade relacionados a transtorno mentais e comportamentais entre 2012 e 2016. Brasília: Secretaria de Previdência. http://sa.previdencia.gov.br/site/2017/04/1%C2%BA-boletim-quadrimestral.pdf

França, A., Mendes, A. M., & Siqueira, M. V. S. (2011). Discurso organizacional e instrumentalização do prazer no trabalho. In Anais do Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho. Curitiba.

Franco, T., Druck, G., & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 229-248.

Freitas, M. E. (2000). Contexto social e imaginário organizacional moderno. Revista de Administração de Empresas, 40(2), 6-15.

Freitas, M. E. (2006). Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? (5ª ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social. Aparecida, SP: Ideias e Letras.

Gaulejac, V. (2014). A neurose de classe. São Paulo: Via Lettera.

Gurgel, C. (2015). O papel da ideologia nas teorias organizacionais. In V. Padilha (Org.), Antimanual de gestão: desconstruindo os discursos do management. São Paulo: Ideias & Letras.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG.

Koopmans, P. C., Bültmann, U., Roelen, C. A. M., Hoedeman, R., van der Klink, J. J. L., & Groothoff, J. W. (2011). Recurrence of sickness absence due to common mental disorders. International Archives of Occupational and Environmental Health, 84(2), 193-201. https://doi.org/10.1007/s00420-010-0540-4

La Boétie, E. (2006). Discurso da servidão voluntária. São Paulo: Martin Claret. (Originalmente publicado em 1576)

Lhuilier, D. (2009). Travail, management et santé psychique. Connexions, 91(1), 85-101. https://www.cairn.info/ revue-connexions-2009-1.htm

Lhuilier, D. (2010). L’invisibilité du travail réel et l’opacité des liens santé-travail. Sciences Sociales et Santé, 28(2), 31-63. https://www.cairn.info/revue-connexions-2009-1-page-85.htm

Linhares, A. R. P. (2014). Um diálogo entre a modernidade líquida, o gerencialismo e a teoria do reconhecimento no mundo do trabalho. Revista Eletrônica Gestão & Sociedade, 8(21), 715-734.

Linhart, D. (2014). Modernização e precarização da vida no trabalho. In Antunes, R. (Org.), Riqueza e miséria do trabalho no Brasil (pp. 45-55). São Paulo: Boitempo.

Matheus, T. C., & Bresler, R. (2002). Organização, este obscuro objeto do desejo? Caminhos da sexualidade na organizações. Organização & Sociedade, 9(25), 163-174.

Mendes, A. M. B. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Neves, R. da F. (2016). Experiência e significado no retorno ao trabalho para trabalhadores com transtorno mental. Tese de Doutorado, Instituto Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Oliveira, S. R., Piccinini, V. C., & Silveira, C. da S. (2010). O trabalho como representação: a visão dos jovens universitários. Revista de Ciências da Administração, 12(28), 171-197. https://periodicos.ufsc.br/ index.php/adm/article/view/2175-8077.2010v12n28p171

Paes de Paula, A. P., & Gontijo, F. C. (2013). Epistemologia habermasiana, pesquisa-ação e socioanálise: uma proposta para os estudos organizacionais. Anais do III Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração. Florianópolis.

Paes de Paula, A. P. (2015). Estudos organizacionais críticos e pensadores nacionais. Cadernos EBAPE.BR, 13(3), 410-413. http://www.scielo.br/pdf/cebape/v13n3/1679-3951-cebape-13-03-00410.pdf

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V., & Descendre, D. (1993). O Poder das Organizações: a dominação das multinacionais sobre os indivíduos. São Paulo: Atlas.

Pereira, L. (2011). O trabalho em causa na “epidemia depressiva”. Tempo Social, 23(1), 67-95. https://doi.org/10.1590/S0103-20702011000104

Pina, J. A., & Stotz, E. N. (2014). Intensificação do trabalho e saúde do trabalhador: uma abordagem teórica. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 39(130), 150-160. https://dx.doi.org/10.1590/0303-7657000074913

Salimon, M. I., & Siqueira, M. V. S. (2013). Ideologia gerencialista e subjetividade do trabalhador no terceiro setor. Revista de Administração, 48(4), 643-657. https://dx.doi.org/ 10.5700/rausp1111

Santana, L. L., Sarquis, L. M. M., Brey, C., Miranda, F. M. D., & Felli, V. E. A. (2016). Absenteísmo por transtornos mentais em trabalhadores de saúde em um hospital no sul do Brasil. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37(1), e53485.

Santos, G. O., & Monteiro, J. K. (2018). Saúde mental do trabalha(dor) na educação: um relato de experiência a partir da clínica psicodinâmica do trabalho. Trabalho (En)Cena, 3(2), 144-156.

Šantrić-Milićević, M., Rosić, N., Babić, U., Šupić-Terzić, Z., Janković, J., Todorović, J., & Trajković, G. (2017). An approach to determine the prevalence of poor mental health among urban and rural population in Serbia using propensity score matching. Central European Journal of Public Health, 25(2), 106-112.

Sato, L., & Bernardo, M. H. (2005). Saúde mental e trabalho: os problemas que persistem. Ciência & Saúde Coletiva, 10(4), 869-878.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez.

Sennett, R. (2012). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Silva-Junior, J. S. (2016). Retorno ao trabalho após afastamento de longa duração por transtornos mentais: um estudo longitudinal com trabalhadores do mercado formal. Tese de Doutorado, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Simpson, G. W., Byrne, P., Gabbay, M. B., & Rannard, A. (2015). Understanding illness experiences of employees with common mental health disorders. Occupational Medicine, 65(5), 367-372. https://doi.org/ 10.1093/occmed/kqv047

Siqueira, M. V. S. (2009). Gestão de pessoas e discurso organizacional. Curitiba: Juruá.

Siqueira, M. V. S., & Mendes, A. M. (2009). Gestão de pessoas no setor público e a reprodução do discurso do setor privado. Revista do Serviço Público, 60(3), 24l-250.

Siqueira, M. V. S., Dias, C. A., & Medeiros, B. N. (2019). Solidão e trabalho na contemporaneidade: as múltiplas perspectivas de análise. Revista de Administração Mackenzie, 20(2), https://doi.org/10.1590/1678-6971/ eramg190058

Toniolo, A. C. (2014). Retorno ao trabalho e transtornos mentais e do comportamento: um estudo com servidores públicos municipais. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Traesel, E. S., & Merlo, A. R. C. (2014). “Somos sobreviventes” vivências de servidores públicos de uma instituição de seguridade social diante dos novos modos de gestão e a precarização do trabalho na reforma gerencial do serviço público. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(2), 224-238.

Tragtenberg, M. (2006). Burocracia e ideologia. São Paulo: UNESP.

Wood Jr., T. (1999). Gurus, curandeiros e modismos gerenciais. São Paulo: Atlas.

World Health Organization. (2002). Mental health: new understanding, new hope (The world health report, 1ª ed.). Lisboa: Climepsi. http://www.who.int/whr/2001/en/ whr01_po.pdf

Wynne, R., Broeck, V., Vandenbroek, K. Leka, S., Jain, A., Houtman, I., McDaid, D., & Park, A. (2014). Promoting mental health in the workplace: guidance to implementing a comprehensive approach. European Comission.

Yin, H., Xu, G., Tian, H., Yang, G., Wardenaar, K. J., & Schoevers, R. A. (2018). The prevalence, age-of-onset and the correlates of DSM-IV psychiatric disorders in the Tianjin Mental Health Survey (TJMHS). Psychological Medicine, 48(3), 473-487. https://doi.org/ 10.1017/S0033291717001878
Publicado
2019-12-20
Como Citar
Dias, C., Siqueira, M., Morais, A., & Gomes, K. (2019). Ideologia gerencialista e adoecimento mental no trabalho. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(2), 185-198. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i2p185-198
Seção
Artigos Originais