Temporalidades rurais

trabalho feminino, sentidos e organização do tempo

Palavras-chave: sentidos do tempo, trabalho feminino rural, relações de gênero, organização do tempo, etnografia, psicologia social do trabalho

Resumo

Na pesquisa que embasa este artigo, buscou-se compreender as relações entre tempo e trabalho através da narração de cenas extraídas de uma pesquisa de inspiração etnográfica baseada no acompanhamento do trabalho de mulheres, no contexto agrícola familiar. Verificou-se que essas relações passam pela noção de clima, influenciando a produção de alimentos e impactando economicamente as famílias; que a terminologia carrega heranças simbólicas, por exemplo, os conhecimentos passados de uma geração à outra; e que o uso que as mulheres fazem de seu tempo é predominantemente preenchido por atividades laborais. Ou seja, o tempo é vivido objetiva e subjetivamente em estreiteza com o trabalho e suas transformações repercutem no cotidiano, daí a necessidade de pesquisas que agreguem as discussões de gênero nos ambientes rurais e contribuam para que políticas públicas sejam fortalecidas e possibilitem outros usos de tempo para as mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara Galvan dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicóloga, possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e mestrado em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Álvaro Roberto Crespo Merlo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Álvaro Roberto Crespo Merlo é Médico do Trabalho, Especialista em Saúde Pública pela Université Paris I (Panthéon-Sorbonne) em 1979, Doutor em Sociologia pela Université Paris VII (Denis Diderot) em 1996. Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atua na Faculdade de Medicina, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da UFRGS e é Professor Médico-Assistente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, no Serviço de Medicina Ocupacional/Ambulatório de Doenças do Trabalho e na Residência em Medicina do Trabalho. Atua na área de Psicologia, com ênfase em Psicodinâmica e Clínica do Trabalho e na área da Medicina, com ênfase em Medicina do Trabalho. Líder do Grupo de Pesquisa Laboratório de Psicodinâmica do Trabalho da UFRGS.

Referências

Andrada, C. F. (2010). Etnografias em psicologia social: notas sobre uma aproximação fecunda. Ponto Urbe, 7(1). http://pontourbe.revues.org/1661

Anjos, F. S., Caldas, N. V., & Pollnow, G. E. (2014). Menos mulheres, menos jovens, mais incertezas: a transição demográfica no Brasil rural meridional. Extensão Rural, 21(2), 94-116.

Antunes, R. (2009). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Aquino, C. A. B. (2003). A temporalidade como elemento chave no estudo das transformações no trabalho. Athenea Digital, 4, 151-159.

Aquino, C. A. B., & Martins, J. C. O. (2007). Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-Estar e Subjetividae, 7(2), 479-500. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci _arttext&pid=S1518-61482007000200013

Bandeira, L. M., & Preturlan, R. B. (2016). As pesquisas sobre uso do tempo e a promoção da igualdade de gênero no Brasil. In N. Fontoura, & C. Araújo (Orgs.), Uso do tempo e gênero (pp. 43-92). Rio de Janeiro: UERJ.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2004). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bosi, E. (2003). Cultura e desenraizamento. In O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social (pp.185-194). São Paulo: Ateliê Editorial.

Brandão, C. R. (2007). Tempos e espaços nos mundos rurais do Brasil. Ruris, 1(1), 37-64.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Certeau, M. (1982). A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense-Universitária.

Certeau, M. (1996). A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

Coutinho, M. C., & Oliveira, F. (2017). Algumas ferramentas teóricas para o estudo psicossocial do trabalho: práticas cotidianas, processos de significação e identidades. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo, & L. Sato (Orgs.), Psicologia social do trabalho (pp. 81-102). Petrópolis, RJ: Vozes.

Decreto-Lei 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho.

Dedecca, C. S. (2004). Tempo, trabalho e gênero. In A. A. Costa, E. M. Oliveira, M. E. B. Lima, & V. Soares (Orgs.), Reconfiguração das relações de gênero no trabalho (pp. 21- 52). São Paulo: CUT Brasil.

Elias, N. (1998). Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Zahar.

Faria, J. H., & Ramos, C. L. (2014). Tempo dedicado ao trabalho e tempo livre: os processos sócio-históricos de construção do tempo de trabalho. Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 47-74.

Fávero, M. H. (2010). Psicologia do gênero: psicobiografia, sociocultura e transformações. Curitiba: UFPR.

Geertz, C. (2008). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LCT.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

IBGE (2017). Censo agropecuário: resultados preliminares 2017. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://censoagro2017.ibge.gov.br/templates/ censo_agro/resultadosagro/pdf/genero.pdf

IBGE (2018). Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua (PNAD Contínua): outras formas de trabalho 2017. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://loja.ibge.gov.br/pnad-continua-outras-formas-de-trabalho-2017.html

Kergoat, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In H. Hirata, F. Laborie, H. Le Doaré, & D. Senotier (Orgs.), Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Unesp.

Martins, J. C. O., Aquino, C. A. B., Sabóia, I. B., & Pinheiro, A. A. G. (2012). De Kairós a Kronos: metamorfoses do trabalho na linha do tempo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(2), 219-228.

Pronovost, G. (1996). Sociologie du temps. Bruxelles: De Boeck.

Ramos, D. P. (2009). Pesquisa de usos do tempo: um instrumento para aferir as desigualdades de gênero. Revista Estudos Feministas, 17(3), 861-870.

Ribeiro, M. A., Bernardo, M. H., Navarro, V. L., & Oliveira, F. (2017). Práticas em psicologia social do trabalho: pesquisa e intervenção. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo, & L. Sato (Orgs.), Psicologia social do trabalho (pp. 103-126). Petrópolis, RJ: Vozes.

Santos, E., Diogo, M., & Shucman, L. (2014). Entre o não lugar e o protagonismo: articulações teóricas entre trabalho, gênero e raça. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(1), 17-32.

Scopinho, R., & Santos, C. (2014). Batismo de fogo e gravador desligado: notas sobre embaraços vividos pelo pesquisador no cotidiano do trabalho de campo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(2), 266-280.

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Sue, R. (1995). Temps et ordre social. Paris: PUF.

Tedeschi, L. A. (2004). Meu nome é “ajuda”. A vida cotidiana e as relações de poder, gênero e trabalho das mulheres trabalhadoras rurais na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. Contexto & Educação, 19(71-72), 45-64.

Wanderley, M. N. B. (2000). A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, (2), 29-37.

Woortmann, E. F. (1991). Da complementaridade à dependência: espaço, tempo e gênero em comunidades “pesqueiras” do Nordeste. Série Antropologia, 111, 1-115.
Publicado
2019-12-20
Como Citar
Santos, M., & Merlo, Álvaro. (2019). Temporalidades rurais. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(2), 199-216. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i2p199-216
Seção
Artigos Originais