O tecer e o trajar: metáforas do empoderamento feminino em dois contos de Marina Colasanti

  • Enedir Silva Santos Universidade Federal do Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas
  • Kelcilene Grácia Rodrigues Universidade Federal do Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas
Palavras-chave: Literatura. Autoria Feminina. Tecer Narrativo. Metáfora

Resumo

Os contos de Marina Colasanti transitam entre o real e o fantástico alinhavando ações que conduzem as relações humanas e seus dilemas. Suas narrativas curtas são retiradas das experiências diárias para suscitar reflexões muito mais abrangentes, pois são entrelaçados de palavras e situações que desvelam o cotidiano e o comportamento exigido da mulher. A partir da análise dos contos “A moça tecelã”, do livro Doze reis e a moça no labirinto do vento (1982), e “Plano matrimonial”, de Contos do amor rasgado (1982), evidenciamos de que forma a autora constrói, metaforicamente, na tessitura narrativa a roupa masculina e o trabalho da tecelã para refletir acerca do empoderamento da mulher. Os contos têm em comum a relação heterossexual das protagonistas intermediada pelos trajes masculinos, que se revestem de simbologia e revelam, no contexto literário, a explanação do lugar social da mulher e do homem, visto como uma das linhas que alinhavam a vivência humana. Desse modo, Marina Colasanti tece na trama discursiva as redes de significações reveladoras do fazer e do ser feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Enedir Silva Santos, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas
Doutoranda em Estudos Literários da UFMS/CPTL.
Kelcilene Grácia Rodrigues, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul/Campus de Três Lagoas
Prof. Dr. Kelcilene Grácia-Rodrigues

Referências

ALMEIDA, L. Cozinhar é igual a tecer que é igual a narrar. Espéculo. Madri, n. 28, nov. 2004. Disponível em: <http://www.ucm.es/info/especulo/numero28/cozinhar.html. Acesso em: 15 jul. 2015.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6 ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BRANDÃO, R. S. “O lugar do texto sobre o feminino”. In: CASTELLO BRANCO, L., BRANDÃO, R. S. A mulher escrita. Rio de Janeiro: Casa Maria Editorial: LTC, 1989. p. 21-24.

CAMPELLO, E. A tessitura da escrita: Do mito à expressão pela arte. Interdisciplinar, Piauí, Ano 3, v. 7, nº. 7, p. 43‐57, Jul/Dez de 2008. Disponível em: Acesso em: 15 jul 2015.

CANDIDO, A. Literatura e personagem. In: CANDIDO, A. et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1976. p. 51-80.

COLASANTI, M. Mulher daqui pra frente. São Paulo: Círculo do livro, 1981.

COLASANTI, M. E por falar em amor. São Paulo: Círculo do livro, 1984.

COLASANTI, M. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

COLASANTI, M. O leopardo é um animal delicado. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

COLASANTI, M. Por que nos perguntam se existimos. In: SHARPE, P. Entre resistir e identificar-se: para uma teoria da prática da narrativa brasileira de autoria feminina. Florianópolis: Editora Mulheres; Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 33-42.

COLASANTI, Marina. “A moça tecelã”. In: _____. Doze reis e a moça no labirinto do vento. 10. ed. São Paulo: Global, 2001, p. 9-14.

DALCASTAGNÈ, R. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte, 2012.

SHARPE, P. Imagens e poder: construindo a obra de Marina Colasanti. In: SHARPE, P. Entre resistir e identificar-se: para uma teoria da prática da narrativa brasileira de autoria feminina. Florianópolis: Editora Mulheres; Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 43-56.

XAVIER, E. Reflexões sobre a narrativa de autoria feminina. In: XAVIER, E. Tudo no feminino: a mulher e a narrativa brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991. p. 9-16.

Publicado
2015-12-09
Como Citar
Santos, E., & Rodrigues, K. (2015). O tecer e o trajar: metáforas do empoderamento feminino em dois contos de Marina Colasanti. Revista Criação & Crítica, (15), 160-174. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i15p160-174
Seção
Artigos