PINTURA PRESENTE. UMA BREVE INCURSÃO NOS DESENHOS DE ROLAND BARTHES

  • Juliana Bratfisch Universidade Estadual de Campinas(Unicamp)
Palavras-chave: Pintura, Roland Barthes, Traço, Presente, Escrita, Anacoluthia.

Resumo

O nanquim, o guache, a aquarela: o traço fluído de Barthes é uma tentativa de captar um instante efêmero, a inscrição dos signos flutuantes de cada manhã de domingo em que ele fazia os seus “borrões”, como ele próprio diz; é certamente um instante de significância daquele que traça e colore, mas também é um dom: Barthes inscreve seu corpo em um frágil suporte – muitas vezes em um papel de pouca gramatura destinado à escrita, como são as folhas timbradas da École de Hautes Études – não para se afirmar como artista, mas pelo simples prazer de dedicar esse gesto amador a seus amigos, presenteando-os com seu resultado. O gesto pictural em Barthes acontece, portanto, também sob o signo da anacoluthia, “o campo raro em que as ideias se penetram de afetividade, em que os amigos, pelo cortejo com que acompanham nossa vida, permitem-nos pensar, escrever, falar” (“A Imagem” O rumor da língua, p. 444). Nessa comunicação farei uma análise do gesto pictural em Barthes não somente como um gesto produtor, olhando para os signos que hesitam prazerosamente entre a letra e a imagem, mas também como um gesto de oferta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Bratfisch, Universidade Estadual de Campinas(Unicamp)
Doutoranda em Teoria e História Literária pela Unicamp. Mestre em Literatura Francesa pela Universidade de São Paulo (2012-2014) com a dissertação Política do Intervalo (La voie en Roland Barthes)

Referências

BARTHES, Roland. “A Imagem” in: O rumor da língua. Tradução: Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BARTHES, Roland. O Império dos signos. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução: Jacó Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BARTHES, Roland. Œuvres Complètes Vol. IV. Paris: Seuil, 2002d.

BARTHES, Roland. Œuvres Complètes Vol. V. Paris: Seuil, 2002e.

BARTHES, Roland. “Semiografia de André Masson”, in: Óbvio e obtuso. Ensaios críticos III. Tradução: Léa Novaes. 2 edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990, pp. 139-141.

CAMUS, Renaud. “Nada a dizer ou a inteligência nua”, in: Roland Barthes, artista amador: coleção Romaric Sulger Buel. Rio de Janeiro: CCBB, 1995.

GENETTE, Gérard. “ Un jardin sur l’adour”, in : R/B: Roland Barthes, Paris: Seuil, 2002.

SAMOYAULT, Tiphaine. Roland Barthes. Paris: Seuil, 2015.

Institut National du Patrimoine. Disponível em <http://www.bnf.fr/fr/collections_et_services/anx_tresors_patrimoine/a.c_120605_dessins_barthes.html>. Acesso em 02/06/2015.

INA . Disponível em <http://www.ina.fr/video/CPF10005880>. Acesso em 02/06/2015.

Publicado
2015-12-30
Como Citar
Bratfisch, J. (2015). PINTURA PRESENTE. UMA BREVE INCURSÃO NOS DESENHOS DE ROLAND BARTHES. Revista Criação & Crítica, (spe), 123-129. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0ispep123-129