Orlando e os gêneros reescritos no cinema

  • Edma Cristina Alencar de Gois Universidade Regional do Cariri (URCA)
Palavras-chave: Pós-modernidade, Feminismo, Gênero, Corpo.

Resumo

O escritor Jorge Luís Borges dizia que reescrevemos obras literárias em vez de simplesmente nos alinharmos a determinadas ascendências literárias que moldariam novos textos. Inspirados nesta afirmativa que nega a mera influência direta, podemos pensar a versão cinematográfica pós-moderna como um outro locus de reescrituras, marcada por elementos como ironia, performatividade em cena e caráter excessivo no cenário e no figurino dos personagens. Tais características da produção cinematográfica colaboram para o questionamento das relações de gênero, sexo e corpos no filme Orlando, de Sally Potter (1992), inspirado no livro homônimo de Virgínia Woolf, Orlando - uma biografia (1928). Este artigo tem por objetivo perscrutar acréscimos ao texto literário e elementos próprios da pós-modernidade acionados pela produção de Potter, reconfigurando a narrativa original e, mais que isso, fundindo um novo texto. A discussão teórica será articulada a partir dos trabalhos a respeito da pós-modernidade de Frederic Jamenson (1984), Jean-François Lyotard (1993), e Andreas Huyssen (2010), do gênero como uma tecnologia de poder de Teresa de Lauretis (1994), e como construção performática de Judith Butler (2010), além das reflexões sobre representação e cinema de Robert Stam e Ella Shohat. Esperamos, por fim, contribuir para a análise de um caso concreto de aproximação entre Feminismo e Pós-Modernismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edma Cristina Alencar de Gois, Universidade Regional do Cariri (URCA)
Doutora em Literatura pela Universidade de Brasília (2013). Atualmente, é professora no Departamento de Línguas e Literatura na Universidade Regional do Cariri (URCA). Suas pesquisas tratam de narrativas brasileiras, estudos de gênero, literatura comparada e estudos interartes. É colaboradora do Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea (Gelbc/UnB) e pesquisadora do Grupo de Investigação em Género, Artes e Estudos Pós-Coloniais da Universidade do Minho (Portugal).

Referências

Referências bibliográficas:

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. 2ª ed. Trad. Alcira Bixio. Buenos Aires: Paidós, 2008.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão do feminismo. Tradução de Renato Aguiar. 3ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

EAGLETON, Terry. Depois da teoria: um olhar sobre os Estudos Culturais e o pós modernismo. Trad. de Maria Lucia Oliveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 16ª ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Graal Editora, 2005.

HUYSSEN, Andreas. Modernismo después de la posmodernidad. Tradução: Roc Filella. Barcelona: Gedisa, 2010.

JAMESON, Frederic. Posmodernism or the Cultural Logic of Late Capitalism. New Left Review, 146. London, 1984.

LAURETIS, Teresa de. “A tecnologia de gênero”. Trad. Suzana Funck. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LYOTARD, Jean-François. The Posmodernism Condition: A Report on Knowledge. Univ. of Minneapolis, 1993.

MACEDO, Ana Gabriela. Narrando o pós-moderno – reescritas, re-visões, adaptações. Universidade do Minho, Centro de Estudos Humanísticos, Coleção Hespérides/ Literatura 20, Braga, 2008.

MACEDO, Ana Gabriela; RAYNER, Francesca (org.). Gênero, cultura visual e performance – Antologia crítica. 2011. Famalicão: Húmus e Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, 2011.

PINTO, Fernando Bruno da Silva Beleza Correia. Passing Between: Problemáticas da Identidade em Orlando de Virginia Woolf e na Adaptação de Sally Potter. Dissertação (mestrado) - Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 2009.

SHOHAT, Ella; STAM, Robert. “Estereótipos, realismo e luta por representação”. In: SHOHAT, Ella; STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação. Trad. Marcos Soares. São Paulo: Cosacnaify, 2006. p. 261-312.

WOOLF, Virgínia. Orlando. Tradução de Ana Luísa Faria. Lisboa: Relógio D’água, 2010.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. Tradução de Bia Nunes de Sousa. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

Filme:

Orlando. Direção: Sally Potter. Produção: Cert PG, 1992, 93 minutos.

Publicado
2016-11-23
Como Citar
Alencar de Gois, E. (2016). Orlando e os gêneros reescritos no cinema. Revista Criação & Crítica, (16), 50-60. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i16p50-60
Seção
Artigos