Das páginas do livro para a tela do Cinema: um estudo comparativo entre as adaptações fílmicas de Ratos e Homens, de John Steinbeck

Autores

  • Michael Jones Botelho Universidade Federal de Viçosa
  • Sirlei Santos Dudalski Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i16p74-90

Palavras-chave:

, Literatura e Cinema, Adaptação fílmica, Fidelidade, Adaptação criativa

Resumo

O presente artigo visa empreender um estudo comparativo entre a obra literária Ratos e Homens (1937), do escritor estadunidense John Steinbeck, e suas duas adaptações para o Cinema, ocorridas, respectivamente, em 1939, sob a direção de Lewis Milestone, e no ano de 1992, dirigida por Gary Sinise. Este confronto é embasado pela Teoria da Adaptação e da Tradução Intersemiótica e objetiva verificar e interpretar, a partir deste cotejo, os processos de (re)criação da obra literária para a Sétima Arte, ocasionados pela transposição de sistemas semióticos distintos. Após longa análise e discussão, pudemos constatar, de modo incisivo, que toda adaptação cinematográfica, fruto da interpretação subjetiva de um dado número de adaptadores, deve ser estudada como uma obra autônoma e, por o ser, do mesmo modo não pode ser julgada pelo critério da fidelidade, já que esta se torna impossível ao longo do processo de adaptação. Detectamos, outrossim, que as adaptações criativas de ambos os roteiristas e diretores se deram, principalmente, pela leitura subjetiva dos mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michael Jones Botelho, Universidade Federal de Viçosa

Mestrando em Letras - Estudos Literários pela Universidade Fedral de Viçosa.

Sirlei Santos Dudalski, Universidade Federal de Viçosa

Professora do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

DINIZ, Thaïs Flores Nogueira. Literatura e Cinema: da semiótica à tradução cultural. Ouro Preto: Editora da UFOP, 1999.

ECO, Umberto. Quase a mesma coisa: experiências de tradução. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2014.

GENETTE, Gerard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Trad. Luciene Guimarães e Maria A. R. Coutinho. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

GLADSTEIN, Mimi Reisel. Of Mice and Men: Creating and Re-creating Curley’s Wife. In: SHILLINGLAW, S; HEARLE, K. Beyond Boundaries: Rereading John Steinbeck. Alabama: The University of Alabama Press, 2002. p. 205-220.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Trad. André Cechinel. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011.

JAKOBSON, Roman. Aspectos linguísticos da tradução. In: JAKOBSON, Roman. Linguística e Comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. 22ª ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2010.

MCFARLANE, Brian. Novel to Film: An Introduction to the Theory of Adaptation. Oxford: Clarendon Press, 1996.

METZ, Christian. A significação no cinema. Trad. Jean-Claude Bernadet. São Paulo: Perspectiva, 1972.

STAM, Robert. Introduction: The Theory and practice of adaptation. In: STAM, Robert; RAENGO, Alessandra. (orgs.) Literature and film: A Guide to the Theory and Practice of Film Adaptation. United States of America: Blackwell Publishing, 2005.

STEINBECK, John. Ratos e Homens. Trad. Érico Veríssimo. Rio de Janeiro: Editorial Bruguera, 1968.

Downloads

Publicado

2016-11-23

Como Citar

Botelho, M. J., & Dudalski, S. S. (2016). Das páginas do livro para a tela do Cinema: um estudo comparativo entre as adaptações fílmicas de Ratos e Homens, de John Steinbeck. Revista Criação & Crítica, (16), 74-90. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i16p74-90

Edição

Seção

Artigos