De um corpo para outro. Roland Barthes e a biografemática

  • Claudia Amigo Pino Universidade de São Paulo;Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Roland Barthes, Biografema, Robert Schumann, Vita Nova

Resumo

O presente artigo pretende dar conta da noção de “biografema”, esboçada por Roland Barthes em Sade, Fourier, Loyola, que tem sido uma referência nas discussões sobre autoficção. Para isso, propomos uma genealogia dessa noção a partir de “A morte do autor” e um percurso pelas obras e manuscritos onde Barthes a desenvolve. Depois, a partir dos seus textos sobre Schumann, propomos uma análise do biografema em ação e suas repercussões no último projeto de Barthes, o romance Vita Nova. Com esse percurso, pretendemos mostrar como a noção de biografema não se relaciona a uma nova abordagem do eu, mas do corpo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Amigo Pino, Universidade de São Paulo;Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Professora de Literatura Francesa da Universidade de São Paulo

Referências

ARFUCH, L. O espaço autobiográfico. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Eduerj, 2010.

BACHELARD, G. A poética do espaço. Tradução de Antonio de Paula Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARTHES, F. R. Manuscrits Incidents. Paris: Bibliothèque Nationale de France, 1969-1979.

BARTHES, R. Séminaire 71-72. Paris: Bibliothèque Nationale de France, 1971-1972.

BARTHES, R. A câmara clara. Tradução de Júlio Castañón Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BARTHES, R. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1987.

BARTHES, R. Amar Schumann. In: BARTHES, R. O óbvio e obtuso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990a. p. 259-264.

BARTHES, R. Rasch. In: BARTHES, R. O óbvio e o obtuso. Tradução de Léa Novais. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990b.

BARTHES, R. O grão da voz. In: BARTHES, R. O óbvio e o obtuso. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990c.

BARTHES, R. Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

BARTHES, R. Incidentes. In: BARTHES, R. Incidentes. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BARTHES, R. A preparação do romance. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, v. 2, 2005b.

BARTHES, R. Sade, Fourier, Loyola. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2005c.

BARTHES, R. A preparação do romance. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, v. 1, 2005a.

BARTHES, R. Crítica e Verdade. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BARTHES, R. Le lexique de l'auteur. Séminaire à l'Ecole pratique des hautes études 1973-1974. Paris: Seuil, 2010.

BARTHES, R. Diário de luto. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BARTHES, R. A morte do autor. In: BARTHES, R. O rumor da língua. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

COMPAGNON, A. Prétexte Roland Barthes. Paris: Christian Bourgois, 2003.

GASPARINI, P. Poétiques du Je. Du roman autobiographique à l'autofiction. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, 2016.

GEFEN, A. Le jardin d'hiver. Les "biographèmes", de Roland Barthes. In: MACÉ, M.; GEFEN, A. Barthes, au lieu du roman. Paris: Desjonquères; Nota Bene, 2002.

PINO, C. A. Roland Barthes. A aventura do romance. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.

PINO, C. A. O sal das palavras. Barthes e a gastrosofia da linguagem. In: GUERRA, M. J.; CATANI, M. Barthes 100. Ideias e reflexões. Londrina: Eduel/Edra, 2016.

ROBIN, R. Point de vue : l’autofiction. CV Photo, 44, 1998. 5-6. Disponível em http://id.erudit.org/iderudit/21184ac.

SAMOYAULT, T. Roland Barthes. Paris: Seuil, 2015.

SARTRE, J.-P. Situações 1. Tradução de Cristina Prado. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.

Publicado
2016-12-22
Como Citar
Pino, C. (2016). De um corpo para outro. Roland Barthes e a biografemática. Revista Criação & Crítica, (17), 15-29. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i17p15-29
Seção
Artigos