As guloseimas canibais de Bataille

  • Raquel Campos Universidade de Brasília
Palavras-chave: Bataille, Transgressão, Prazer, Corpo, Alimento.

Resumo

O livro de Georges Bataille, História do olho, transgride, por meio de seu conteúdo, a calmaria, o tédio e o automatismo do cotidiano, com sua falta de ousadia e prazer. Além disso, a própria estrutura do romance é extremamente poética, o que o coloca no limite entre os dois gêneros, como escreveu Roland Barthes, transgredindo, por sua vez, a forma com que os romances são habitualmente escritos. Outras transgressões se solidificam por conta do comportamento do narrador e da adolescente Simone, que rompem com as barreiras impostas por autoridades ou pudores sociais. A relação entre ovo e olho é significativa no decorrer do livro e os dois passam a se misturar, numa afinidade simbiótica. A similaridade sonora que possuem se transforma em uma similaridade semântica. Com isso, os usos e as funções entre os dois objetos também se alternam: uma parte do corpo humano pode ocupar o lugar de um alimento e vice-versa. Os limites entre ver e comer também são forçados. O presente artigo analisará as relações estabelecidas entre o alimento, representado no livro pelo ovo, os prazeres do corpo e a linguagem poética e transgressora do livro.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Campos, Universidade de Brasília
Doutoranda em Literatura, pela Universidade de Brasília, com pesquisa na área de crítica genética, sobre o poeta Augusto de Campos.

Referências

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 2013.

BARTHES, Roland. “A metáfora do olho”. In: BATAILLE, Georges. História do olho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BATAILLE, Georges. História do olho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CAMPOS, Augusto de. Viva vaia: poesia 1949-1979. São Paulo: Ateliê Editorial, 2014.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1995.

LEIRIS, Michel. “Nos tempos de Lord Auch”. In: BATAILLE, Georges. História do olho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

MORAES, Eliane Robert. “Um olho sem rosto”. In: BATAILLE, Georges. História do olho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PERLOFF, Marjorie. O gênio não original: poesia por outros meios no novo século. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

REVISTAS USP, ENTREVISTA DE AUGUSTO DE CAMPOS À REVISTA MAGMA. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/magma/article/viewFile/48466/52326. Acesso em: 20 fev 2017.

Publicado
2017-06-30
Como Citar
Campos, R. (2017). As guloseimas canibais de Bataille. Revista Criação & Crítica, (18), 96-107. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i18p96-107