Literatura e alimentação em José de Alencar

Palavras-chave: Recurso literário. Personagem de ficção. Gastronomia na literatura. Cena de refeição. Comensalidade.

Resumo

No panorama em que a personagem de ficção romântica é constituída a partir de um modelo real de indivíduo, captar os elementos literários empregados pelo romancista na elaboração de sua trama parece ser relevante para recepção da obra. Neste contexto, a alimentação poderia ser considerada um aspecto de valioso destaque na proposição de espaços que permitam a comensalidade para estabelecimento de conflitos, bem como interessante figura para caracterizar lugares e personagens. Valendo-se de um corpus variado de José de Alencar, a investigação precisará paralelos com reflexões francesas sobre a gastronomia, de Brillat-Savarin e Balzac e, pautando-se igualmente por conceitos da crítica literária, sobretudo Antonio Candido e E. M. Forster, para uma enumeração e leitura de cenas de refeição e elementos alimentares e gastronômicos propostos pelo romancista para composição de suas obras. O interesse estará tanto no estudo de trechos em que a alimentação e os ingredientes aparecem como centrais na construção fictícia como também na investigação de como tais procedimentos podem ter figurado como parte da cor local no projeto literário de Alencar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katerina Blasques Kaspar, Universidade de São Paulo
Graduanda em Letras (Habilitação Português-Francês) pela FFLCH-USP. Formada em Tecnologia da Gastronomia pelo SENAC-SP.

Referências

ALENCAR, José de. Ao correr da pena. São Paulo: Tipografia Alemã, 1874.

ALENCAR, José de. Como e porque sou romancista. Rio de Janeiro: G. Leuzinger e filhos, 1893.

ALENCAR, José de. O Guarani. Rio de Janeiro: Empresa Nacional do Diário, 1857.

ALENCAR, José de. Iracema. São Paulo: Hedra, 2006.

ALENCAR, José de. Lucíola. São Paulo: Ática, 1992.

ALENCAR, José de. Senhora. São Paulo: O Globo, 1997.

ALENCAR, José de. “Benção paterna”, in: Sonhos d’Ouro. São Paulo: Melhoramentos, 19­­.

ALENCAR, José de. O sertanejo. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 1875.

ALENCAR, José de. O tronco de ipê. São Paulo: Martin Claret, 2006.

BALZAC, Honoré. de. Traité des excitants modernes. In: BRILLAT­SAVARIN, J. A. Physiologie du goût. Paris: Charpentier Librarie­Éditeur, 1839.

BRILLAT­SAVARIN, J. A. Physiologie du goût. Paris: Charpentier Librarie­Éditeur, 1839.

BROCA, J. Brito. Românticos, Pré­românticos, Ultra­românticos: vida literária e romantismo brasileiro. São Paulo: Polis, 1979.

CANDIDO, Antonio. “Os três Alencares”. In: Formação da Literatura Brasileira – momentos decisivos 1750 – 1880. São Paulo: FAPESP, 2009.

CANDIDO, Antonio. Personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1968.

FORSTER, E. M. Aspectos do romance. Porto Alegre: Globo, 1969.

FRANCO, Ariovaldo. De caçador à gourmet. São Paulo: Senac, 2001.

FREYRE, Gilberto. Casa­grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 49 ed. São Paulo: Global, 2004.

PINTO, M. C. M. Alencar e a França: perfis. São Paulo: Annablume, 1999.

PINTO, M. C. M. A vida selvagem: paralelo entre Chateaubriand e Alencar. São Paulo: Annablume,1995.

Publicado
2017-06-30
Como Citar
Kaspar, K. (2017). Literatura e alimentação em José de Alencar. Revista Criação & Crítica, (18), 152-169. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i18p152-169