Opressão e resistência na cozinha em Como água para chocolate, de Laura Esquivel

Autores

  • Jenison Alisson Santos Universidade Federal da Paraíba
  • Ana Cristina Marinho Lúcio Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i18p138-151

Palavras-chave:

Laura Esquivel, como água para chocolate, espaço, cozinha, opressão, resistência.

Resumo

O presente artigo objetiva analisar a representação do espaço da cozinha em Como água para chocolate (1993) de Laura Esquivel e suas implicações nos movimentos de opressão e resistência caracterizados pela autora em sua diegese. Tita De la Garza, ao nascer sobre a mesa da cozinha, é destituída de uma vivência plena ao ser subjugada por uma tradição familiar que a coloca na posição de servente de sua mãe até o fim de seus dias. A cozinha, que num primeiro momento se mostra como um lugar de confinamento, ressignifica-se como um eixo subversivo de formação de subjetividades femininas uma vez que Tita encontra no aprisionamento espacial uma forma de projetar sua voz, desejos e sentimentos silenciados através da comida. Apoiamo-nos em teóricos a exemplo de Tuan (2013), Sceats (2003) e Certeau, Giard e Mayol (1993) para melhor compreender como isso se desdobra no romance.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jenison Alisson Santos, Universidade Federal da Paraíba

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba. Atua nas áreas de estudos culturais e de gênero, de literatura contemporânea e dos estudos audiovisuais.

Ana Cristina Marinho Lúcio, Universidade Federal da Paraíba

Professora Adjunta da Universidade Federal da Paraíba, atuando na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Letras. Atua nas áreas de literatura brasileira, literaturas africanas de língua portuguesa, literatura infanto-juvenil e cultura popular.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Trad. Christina Baum. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Ed. 13. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

BRILLAT-SAVARIN, Jean-Anthelme. A fisiologia do gosto. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

BONNICI, Thomas. Teoria e crítica literária feminista: conceitos e tendências. Maringá: Eduem, 2007.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Lucy; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano; 2. morar, cozinhar. Trad. Ephraim F. Alves e Lucia Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 1996.

ESQUIVEL, Laura. Como água para chocolate. Trad. Olga Davary. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ESQUIVEL, Laura. A lei do amor. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

ESQUIVEL, Laura. Tão veloz como o desejo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

ESQUIVEL, Laura. Malinche. Trad. Léo Schlafman. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.

ESQUIVEL, Laura. Íntimas suculências: tratado filosófico de cocina. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Aguilar, Altea, Taurus, Alfaguara, 2014.

FOUCAULT, Michel; RABINOW, Paul (ed.). Ethics: subjectivity and truth. Trad. Robert Hurley. New York: The New Press, 1997.

HALEY, Andrew P. Turning the tables: restaurants and the rise of the American middle class, 1880-1920. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2013.

MONTANARI, Massimo. Comida como cultura. Trad. Letícia Martins de Andrade. 2. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.

O’NEILL, Molly. AT DINNER WITH LAURA ESQUIVEL; Sensing the spirit in all things, seen and unseen. Disponível em: http://www.nytimes.com/1993/03/31/garden/at-dinner-with-laura-esquivel-sensing-the-spirit-in-all-things-seen-and-unseen.html?pagewanted=all. Acessado em: 03 de dezembro de 2016.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Angela M. S. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2007.

QUEIROZ, Maria José de. A literatura e o gozo impuro da comida. Rio de Janeiro: Topbooks, 1994.

SANDOVAL, Anna Marie. Toward a latina feminism of the Americas: repression & resistance in chicana & mexicana literature. Texas: University Press of Texas, 2008.

SCEATS, Sarah. Food, consumption and the body in contemporary women’s fiction. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

SCHNEIDER, Julia Maria. Recreating the image of women in Mexico: a genealogy of resistance in mexican narrative set during the revolution. 2010. 138 f. Tese – The Department of Foreign Languages and Literatures, Louisiana State University, Louisiana, 2010.

SCHNEIDER, Liane. “Quem fala como mulher na literatura de mulheres?” In: CAVALCANTI, Ildney; LIMA, Ana Cecília; SCHINEIDER, Liane (org.). De mulher às mulheres: dialogando sobre literatura, gênero e identidades. Maceió: EDUFAL, 2006.

SILVA, Jacicarla Souza da. Vozes femininas da poesia latino-americana: Cecília e as poetisas uruguaias. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Trad. Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2013.

TUAN, Yi-Fu. Landscapes of fear. Minnesota: University of Minnessota Press, 2013.

WOODWARD, Kathryn. “Identidade e diferenças: uma introdução conceitual”. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Bia Nunes de Sousa, Glauco Mattoso. 1. ed. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

WOOLF, Virginia. “Profissão para mulheres”. In: WOOLF, Virginia. Profissão para mulheres e outros artigos feministas. Trad. Denise Bottmann. Porto Alegre: L&PM, 2015.

ZUBIAURRE, María Teresa. El espacio en la novela realista: paisajes, miniaturas, perspectivas. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 2000.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

Santos, J. A., & Lúcio, A. C. M. (2017). Opressão e resistência na cozinha em Como água para chocolate, de Laura Esquivel. Revista Criação & Crítica, (18), 138-151. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i18p138-151