A emergência lésbica em Clarice Lispector

Palavras-chave: Literatura Brasileira, Contos, Literatura Erótica, Lésbicas,

Resumo

A via crucis do corpo, livro publicado em 1974, foi o décimo terceiro livro publicado de Clarice Lispector e seu sétimo de contos. Desta obra, inusitadamente apresentada pela autora como encomendada, emergem pela primeira vez na obra de Lispector personagens (umas mais, outras menos) declaradamente homossexuais. O livro, concebido como erótico, traz amálgamas intertextuais que constroem personagens bastante diversas das habituais da obra clariceana, ainda que com a complexidade habitual. No presente artigo será explorada a emergência deste corpo lésbico na obra da autora, repleta de personagens femininas, bem como a representação destas mulheres na literatura em um contexto repressor de heteronormatividade e misoginia, com o apoio da crítica feminista e de autoras como Monique Wittig e Adrienne Rich. Clarice Lispector, aqui, aparece não apenas como a escritora canônica cultuada, mas como artista que exercita sua linguagem buscando trazer à tona estas personagens tão invisibilizadas (não apenas) na literatura, como forma de deslocamento de um cânone opressor.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudiana Gois dos Santos, Universidade de São Paulo

Mestranda no programa de Estudos Comparados de Literatura de Língua Portuguesa. Atua na área da Educação como Professora de Ensino Fundamental II e Médio pela Secretaria de Estado da Educação de São Paulo.

claudiana_gois@usp.br

Referências

ARÊAS, Vilma.Clarice Lispector, com a ponta dos dedos. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BATISTA, Maria de Fátima Barbosa de Mesquita. Estudos em literatura popular. João Pessoa: Editora Universitária, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2014.

BRUSCHINI, C., LOMBARDI, M. R. O trabalho da mulher brasileira nos primeiros anos da década de noventa. In: X ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 1996 v. 1. Anais: Belo Horizonte, Abep, 1996 p. 483-516. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/722/700 . Acesso em: 29/09/2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Ana Cristina César e Clarice Lispector na FLIP 2016. Realização de Flip. Parati: Flip, 2006. (66 min.), son., color. Disponível em: <https://www. youtube.com/watch? v=NWIfQ THvJA>. Acesso em: 13 out. 2017.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p.206-43.

FACCO, Lúcia. As heroínas saem do armário: literatura lésbica contemporânea. São Paulo: Edições GLS, 2003.

FERREIRA, Teresa Cristina Monteiro. Eu sou uma pergunta: uma biografia de Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: _______. Ditos e escritos V: Ética, sexualidade, política. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

______. História da sexualidade 1: A vontade de saber. 1.ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

______. Uma estética da existência. In: _______. Ditos e escritos V: Ética, sexualidade, política. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GOTLIB, Nádia Battella. Clarice: uma vida que se conta. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

HELENA, Lucia. Nem Musa, nem medusa. Niterói: Eduff, 1997.

INÁCIO, Emerson da Cruz. O corpo das formas e a forma do corpo. 04 de jul de 2017. 3 p. Notas de Aula.

LISPECTOR, Clarice. A Descoberta do Mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999. 478 p.

______. A via crucis do corpo. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

______. Entrevista com Ziraldo et al. Pasquim. Rio de Janeiro, 3-9 de junho, 1974.

______. Outros Escritos. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

______.Todos os Contos. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.

LONDERO, Rodolfo Rorato. Caçadores canibais e cabeças perigosas: a censura e o mercado de literatura pornográfica no regime de 64. Literatura e Autoritarismo, v. 1, n. 25, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/20620/pdf . Acesso em: 26 jul 2017.

MAINGUENEAU, Dominique. O discurso pornográfico. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

MURARO, Rosie Marie. Libertação sexual da mulher. Rio de Janeiro: Vozes, 1970.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. São Paulo: Escala, 2006.

ORTEGA, Francisco. Genealogias da Amizade. São Paulo: Iluminuras 2002.

______. Para uma política da amizade: Arendt, Derrida, Foucault: Relume Dumará. Rio de Janeiro: 2000.

PERETTI, Cristina de. Entrevista com Jacques Derrida. Política y Sociedad, Madrid, v. 2, n. 3, p.101-106, mar. 1989.

PIASON, Aline da Silva; STREY, Marlene Neves. Mulheres que amam mulheres: Perspectivas acerca do processo de auto-reconhecimento e visibilidade social. Temáticas, Campinas, 20(40):105-136. Ago./dez. 2012.

PÓLVORA, Hélio. Da arte de mexer no lixo. Jornal do Brasil. São Paulo. 13/08/74. Fonte: https://news.google.com/newspapers?nid=0qX8s2k1IRwC&dat=19740813&printsec=frontpage&hl=pt-BR. Acesso em 12 jul 2017.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas. 2010.n.05.p.17-44. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2309/1742. Acesso em 26 jul 2017.

REGUERA, Nilze Maria de Azeredo. Clarice Lispector e a encenação da escritura em a Via Crucis do Corpo. São Paulo:Unesp, 2006.

SEDWICK, A. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu. 2007 n.28:19-54. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/3503/sedgwick-eve.pdf?sequence=1. Acesso em 29 set 2017.

WILDE, Oscar. De Profundis e outros escritos do cárcere. Porto Alegre: L&PM,1998.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. São Paulo: Círculo do Livro, 1991.

Publicado
2018-04-20
Como Citar
Santos, C. (2018). A emergência lésbica em Clarice Lispector. Revista Criação & Crítica, (20), 89-107. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i20p89-107
Seção
Artigos