Geografias lésbicas: literatura e gênero

  • Natalia Borges Polesso Universidade de Caxias do Sul - UCS Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter
Palavras-chave: Geografia literária, literatura lésbica, cartografia.

Resumo

Este artigo tem como objetivo central discutir e apresentar uma proposta para mapear, em termos representação e autoria, o que chamamos de geografias lésbicas. Este mapeamento tem dois processos de leitura em seu cerne. Primeiramente, o distant reading, conforme Moretti (2008), para cartografias gerais e, em seguida, a leitura como ato estético (Jouve, Genette, Barthes) para a emergência de espacialidades e paisagens na narrativa que tenha como ponto de vista personagens lésbicas. A proposta de cartografar com o norte da lesbianidade é de criar geografias desviantes que questionem modelos dominantes de representações e mesmo de autorias em diversos âmbitos da literatura. A geografia é um meio de fazê-las emergir Nesse sentido, também nos apoiamos em Collot (2014) e Westphal (2007), no que tange à discussão quanto à geografia literária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Borges Polesso, Universidade de Caxias do Sul - UCS Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter
Doutora em Teoria da Literatura PUCRS, Mestre em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras, Cultura e Regionalidade na UCS (2011). Possui graduação em Letras Licenciatura Plena em Português, Inglês e respectivas literaturas, pela Universidade de Caxias do Sul (2007). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura e Ensino de língua Inglesa. 

Referências

BENSION, Carol. Todos nós adorávamos caubóis. São Paulo: Cia das letras, 2013.

CARVALHO, Bernardo. Simpatia pelo demônio. São Paulo: Cia das letras, 2016.

DA SILVA, Cidinha. Cada tridente em seu lugar. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulher. São Paulo: Malê, 2016.

FAGUNDES TELLES, Lygia. Ciranda de pedra. São Paulo, Cia das letras, 2009.

GALERA, Daniel. Meia-noite e vinte. São Paulo: Cia das letras, 2016.

HERINGER, Victor. O amor dos homens avulsos. Cia das letras, 2016.

LAUB, Michel, O tribunal da quinta-feira. Cia das letras, 2016.

MACHADO, Samir de M. Homens elegantes. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.

MOSCOVICH, Cíntia. Duas iguais. Porto Alegre: LP&M, 1998.

POLESSO, Natalia B. Amora. São Paulo: Não Editora, 2015.

RIOS, Cassandra. Eu sou uma lésbica. São Paulo: Azougue: 2004.

ARNÉS, Laura A. Ficciones lesbianas: literatura y afectos em la literatura argentina. Buenos Aires: Madresilva, 2016.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BAKHTIN, Mikhail. Esthétique et théorie du roman. Paris: Gallimard, 1978.

BARTHES Roland. L'effet de réel. In: Communications, 11, 1968.

Recherches sémiologiques le vraisemblable. pp. 84-89. In : http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/comm_0588-8018_1968_num_11_1_1158 (acesso em 03/09/2017)

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2010.

BARTHES, Roland. Semiología y Urbanismo. La aventura semiológica. Barcelona: Ediciones Paidós, 1993.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CERTEAU, Michel de. L’invention du quotidien 1. Arts de Faire. Paris: Gallimard, 1998.

COLLOT, Michel. Le pensée-paysage. Paris: Actes Sud, 2011.

COLLOT, Michel. Pour une géographie littéraire. Paris : Éditions Corti, 2014.

COMPAGNON, Antoine. Le démon de la théorie : littérature et sense commun. Paris : Éditions du Seuil, 2014.

DALCASTAGNÈ, Regina; AZEVEDO, Luciene (Org.). Espaços possíveis na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk, 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mille plateaux. Capitalisme et schizophrénie. Paris: Les Editions de Minuit, 1980.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Littérature. Les règles d'insertion des 'réalèmes' dans la narration. Porter Institut, 1985. p. 109-118. In: http://www.tau.ac.il/~itamarez/works/papers/translated/Even-Zohar_1985--Les%20regles%20d'insertion%20des%20'realemes'%20dans%20la%20narration.pdf (acesso em 27/06/2017).

GEFEN, Alexandre. La mimèsis. Paris: GF Flammarion, 2002.

GENETTE, Gerard. Figures III. Paris: Editions du Seuil, 1972.

HARVEY, David. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 1999

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

HARVEY, David. Urbanismo y desigualdad social. Madrid: Siglo Veintiuno, 1977.

HOLMAN Jones, S. Autoethnography: Making the Personal Political. In: Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. Handbook of Qualitative Research, Sage, Thousand Oaks, CA, 2005.

ISER, Wolfgang. L’acte de lecture – théorie de l’effet esthétique. Paris : Editions Mardaga, 1985.

JAUSS, Hans Robert. Pour une esthétique de la réception. Paris : Gallimard, 1978.

JOUVE, Vincent. Pour une analyse de l'effet-personnage. Littérature, n. 85, 1992. Forme, difforme, informe. pp. 103-111. doi : 10.3406/litt.1992.2607 http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/litt_0047-4800_1992_num_85_1_2607 (acesso em 03/07/2017)

LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos. Editora Malagueta: campo literário e identidade lésbica. Cerrados, Brasília, v. 20, p. 385-406, 2011.

LEFEBVRE, Henri. Espace et politique: Le droit à la ville II. 2. ed. Paris: Anthropos, 2000.

LEFEBVRE, Henri. La production de l’espace. Paris: Anthropos, 1974.

LÉVY, Pierre. Qu’est-ce que le virtuel?. Paris: Université Paris VIII, 2007. http://hypermedia.univ-paris8.fr/pierre/virtuel/virt0.htm (acesso em 27/06/2017).

MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Phénoménologie de la perception. Paris : Gallimard, 1945.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Le visible et l’invisible. Paris : Gallimard 1964.

MORETTI, Franco. A literatura vista de longe. Porto Alegre: Arquipélago, 2008.

MORETTI Franco. Atlas do romance europeu. São Paulo: Boitempo, 2003.

POLESSO, Natalia B. Literatura e cidade: cartografias metafóricas e memória insolúvel de Porto Alegre (1897-2013). Tese de doutorado, PUCRS, 2017.

RICH, Adrienne. Quando da morte acordamos: a escrita como re-visão. In: BRADÃO, Izabel et al (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: EDUFAL; Editora da UFSC, 2017.

RICHARD, Nelly. Feminismo e desconstrução: novos desafios críticos. In: RICHARD, Nelly. Intervenções críticas: arte, cultura, gênero e política. Trad. de Romulo Monte Alto. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova. São Paulo: Hucitec, 1996.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Da ginolatria à genologia: sobre a funcão teórica e a prática feminista. In: FUNCK, Susana B. (Org.). Trocando idéias sobre a mulher e a literatura. Florianópolis: Edeme, 1994.

WESTPHAL, Bertrand. La géocritique: réel, fiction, espace. Paris: Les Éditions de Minuit, 2007.

Publicado
2018-04-20
Como Citar
Polesso, N. (2018). Geografias lésbicas: literatura e gênero. Revista Criação & Crítica, (20), 3-19. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i20p3-19
Seção
Artigos