Arte, tragédia e interdição da criticidade: O confronto entre ética e estética em "Estão apenas ensaiando", de Bernardo Carvalho

Autores

  • Márcio Felipe da Silva Universidade Federal de Mato Grosso
  • Vinícius Carvalho Pereira Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i21p91-105

Palavras-chave:

ética, estética, mímesis, representação, arte

Resumo

 Em certas circunstâncias, tomar a escrita de ficção como uma dimensão outra do real parece equivaler à suposição de que a maravilha de um truque de mágica está não na engenhosidade técnica através da qual nossos sentidos são ludibriados, mas na ideia de que, por um instante, as leis da física foram de fato suspensas e uma pessoa levitou ou dois corpos ocuparam o mesmo lugar a um só tempo. À luz das considerações de Ortega y Gasset sobre a autonomia do objeto artístico em relação à realidade da qual, ao tratar da arte, o público em geral não consegue prescindir, o conto “Estão apenas ensaiando”, de Bernardo Carvalho, revela-se – tanto por seu conteúdo quanto por sua expressão – pródigo em possibilidades e leitura que ressaltam o embate entre ética e estética. Assim, o raciocínio alegórico de Gasset e os questionamentos ético-narrativos presentes em textos de Adorno e de Brecht são aplicados, nesta análise do conto de Carvalho, a fim de evidenciar como a ordem cronológica entre o evento catastrófico e o objeto artístico que com ele guarde alguma semelhança tem pouca importância no modo como a interdição do discurso estético se opera.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Felipe da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestrando em Estudos de Linguagem e Licenciado em Letras: Português/Literaturas pela UFMT.

Vinícius Carvalho Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso

Professor do Departamento de Letras e do PPG de Estudos da Linguagem, na UFMT. Doutor em Ciência da Literatura pela UFRJ.

Referências

ADORNO, Theodor W.; DE ALMEIDA, Jorge Miranda. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BARROS, Manoel de, O livro das ignorãças, 12. ed., Rio de Janeiro, Record, 2006.

BRAITH, Beth. A personagem. 3ª. ed. São Paulo: Ática, 1987.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. Teoria da literatura em suas fontes, v. 2, p. 955-987, 2002.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. Editora Cultrix, 2013.

MORICONI, Italo. Os cem melhores contos brasileiros do século. Objetiva, 2000.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado Humano: um livro para espíritos livres. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ORTEGA Y GASSET, José. A desumanização da arte. Trad. Ricardo Araújo, v. 5, 2001.

PERNIOLA, Mario. Pensando o ritual: sexualidade, morte, mundo. Trad. Maria do Rosário Toschi. São Paulo: Studio Nobel, 2000.

PIGLIA, Ricardo. Notas de um diário. Folha de São Paulo, trad. Paulo Werneck. São Paulo, jan. 2011. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/il0901201107.htm>. Acesso em: 12 mar. 2017.

PLATÃO. A república. In: A República. 2000.

REYNOLDS, Simon. Lawrence circles Palahniuk's 'Survivor'. Digital Spy Magazine. London, ago. 2008. Disponível em: <http://www.digitalspy.com/movies/news/a123069/lawrence-circles-palahniuks-survivor/>. Acesso em: 17 abr. 2017.

RICHARDSON, Anna. The ethical limitations of Holocaust literary representation. ESharp, v. 5, 2005.

WOOD, James. Como funciona a ficção. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

Downloads

Publicado

2018-11-20

Como Citar

Silva, M. F. da, & Pereira, V. C. (2018). Arte, tragédia e interdição da criticidade: O confronto entre ética e estética em "Estão apenas ensaiando", de Bernardo Carvalho. Revista Criação & Crítica, (21), 91-105. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i21p91-105

Edição

Seção

Artigos