A Trajetória de Leo Sammer em 2666, de Roberto Bolaño

Notas sobre Ética, Autonomia e Responsabilidade

Palavras-chave: Ética; Autonomia; Totalitarismo; Roberto Bolaño.

Resumo

Em seu romance 2666, Roberto Bolaño apresenta-nos a personagem de Leo Sammer, funcionário nazista encarregado do transporte de trabalhadores e mantimentos para o Reich. Um dia, Sammer recebe por engano quinhentos judeus oriundos da Grécia e destinados aos campos de extermínio. Sem poder devolver os judeus para seu lugar de origem, Sammer recebe a ordem de exterminá-los. A partir deste fato, desdobra-se toda uma dimensão ética da personagem, que será o tema deste artigo. Primeiramente, Sammer é comparado à figura histórica de Adolf Eichmann, um proeminente nazista, a fim de avaliar a sua responsabilidade e sua culpa no contexto do regime totalitário. Depois, a orientação ética de Sammer é analisada com base nas ideias de Ricoeur, Badiou e Lévinas, considerando questões como o Mesmo, o Outro, a autonomia do sujeito diante do Mal. Por fim, o artigo conclui que o discurso ambivalente da defesa de Sammer na verdade é a mera repetição do padrão totalitário do qual ele insistentemente tenta se descolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Barros de Brito Jr, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Adjunto do Departamento de Linguística, Filologia e Teoria Literária

Referências

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.
ARENDT, H. “Responsabilidade pessoal sob a ditadura”. In: ______. Responsabilidade e julgamento. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
______. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
BADIOU, A. Ética. Um ensaio sobre a consciência do Mal. Tradução de Antônio Trânsito e Ari Roitman. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.
BOLAÑO, R. 2666. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
______. “Discurso de Caracas”. In: BOLAÑO, Roberto. Entre paréntesis. Ensayos, artículos y discursos (1998-2003). Edición de Ignacio Echevarría. Barcelona: Editorial Anagrama, 2004.
HUSSERL, E. Meditações cartesianas. Introdução à fenomenologia. Tradução de Frank de Oliveira. São Paulo: Madras, 2001.
LÉVINAS, E. Humanismo do outro homem. Tradução de Pergentino S. Pivatto et alii. Petrópolis: Vozes, 2009.
MAFFESOLI, M. “Totalitarismo e indiferença”. In:______. A violência totalitária. Tradução de Maria Ludovina Figueiredo. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.
MARISTAIN, M. Bolaño. A biography in conversations. Tradução inglesa de Kit Maude. Brooklyn, NY: Melville House, 2014.
ORWELL, G. 1984. Tradução de Alexandre Hubner e Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
RICOEUR, P. O si-mesmo como outro. Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.
RORTY, R. “Ética sem obrigações universais”. In:______. Pragmatismo: a filosofia da criação e da mudança. Tradução de Cristina Magro e Antonio Marcos Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2000.
VIDAL-NAQUET, P. Os assassinos da memória: um Eichmann de papel e outros ensaios sobre o revisionismo. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1988.
Publicado
2018-11-20
Como Citar
Brito Jr, A. (2018). A Trajetória de Leo Sammer em 2666, de Roberto Bolaño. Revista Criação & Crítica, (21), 1-15. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i21p1-15
Seção
Artigos