Para os não nascidos: a peça-suicídio de Sarah Kane

Palavras-chave: Sylvia Plath, Cláudia Roquette-Pinto, corpo, feminino, suicídio, limite

Resumo

Virginia Woolf escreve uma carta antes de ir em direção ao rio com os bolsos cheios de pedras. Sylvia Plath anota o número do telefone de seu psiquiatra em cima da mesa próxima ao fogão. Sarah Kane escreve sua última peça antes de retirar os cadarços para se enforcar. 4.48 Psychosis se torna uma espécie de “bilhete suicida” deixado por Kane antes do seu ato final. Pretendemos, neste trabalho, analisar não somente a autoaniquilação, tema central da peça, como também a sua relação com as teorias do pós-drama e a influência do lirismo na escrita e a imersão na interioridade da personagem. Para tanto, utilizaremos teóricos como Lehmann (2007) e Sarrazac (2012) para a teoria do drama; Alvarez (1999) para o suicídio; Lang (2015) para os estudos sobre Kane e seu contexto de escrita; dentre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Luiza Oliveira Amaral, UEM

Mestranda em Letras - Estudos Literários na Universidade Estadual de Maringá. Especialista em Estudos Literários pela UNESPAR - Campus de Campo Mourão. Graduada em Letras - Português/Inglês, na mesma universidade.

Referências

ALVAREZ, A. O deus selvagem: um estudo do suicídio. Trad. Sonia Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

CARVALHO, Sérgio. Apresentação. In: LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. Trad. Pedro Süssekind. São Paulo: Cosac & Naify, 2007, pp. 7-16.

CHRAMOSILOVÁ, Martina. Beyond the Suicidal Despair: An Analysis of Sarah Kane’s 4.48 Psychosis, Brno, Masaryk University, 2013.

KANE, Sarah. Psicose 4:48. Trad. Willian André e Lara Luiza Oliveira Amaral. Online (arquivo digital disponível em literaturasuicidio.wordpress.com), 2017.

LANG, Peter. Cruel Britannia: Sarah Kane’s Postmodern Traumatics. Switzerland: International Academic Publishers, 2015.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. Trad. Pedro Süssekind. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

MENDES, Cleise Furtado. A ação do lírico na dramaturgia contemporânea. Revista Aspas, v.5, n.2, p.6-15, 2015.

PASTA JÚNIOR, José Antonio. Apresentação. In: SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno (1880-1950). Trad. Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 2001, pp. 9-20.

SARRAZAC, Jean-Pierre (org). Léxico do drama moderno e contemporâneo. Trad. André Telles. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

STUCHI, Marina, LIMA, Ricardo. “Tão sempre a mesma hora”: 4.48 Psicose e o suicídio no teatro contemporâneo. In: Anais do 1º Encontro Nacional de Diálogos Literários: um olhar para as poéticas contemporâneas. Campo Mourão: UNESPAR, fevereiro/2017, pp. 475-481.
Publicado
2019-04-26
Como Citar
Amaral, L. (2019). Para os não nascidos: a peça-suicídio de Sarah Kane. Revista Criação & Crítica, (23), 103-119. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v23i23p103-119