Quando um heterônimo se suicida

Tanatografia e alteridade na educação do estoico, Barão de Teive

  • Ana Clara Magalhães de Medeiros Universidade Federal de Alagoas
  • Augusto Rodrigues da Silva jUNIOR Universidade de Brasília

Resumo

A escrita de morte, chamada tanatografia, mostra-se operante na conjugação de elementos que fazem da literatura espaço prodigioso para discussão da condição humana desassossegada perante o morrer. Neste artigo, analisa-se a relação entre escrita e suicídio a partir da obra de um autor fictício erigido por Fernando Pessoa, conhecido como Barão de Teive. Acessamos desse heterônimo seu único manuscrito,A educação do estoico (1928), que lega lições autorais, sepulcrais e vitais formuladas no esteio da filosofia estoica em diálogo necessário com o socratismo. Relacionando o fenômeno heteronímico pessoano ao processo dialógico de construção de alteridades ensejado pelo teórico Mikhail Bakhtin, perscrutamos novos modos de observar o auto-aniquilamento de um autor-criado que cria prosa artística e filosófica no seio de seu fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto Rodrigues da Silva jUNIOR, Universidade de Brasília

Prof. Dr. Literatura Comparada

Referências

ARIÈS, P. O homem perante a morte. Mira-Sintra; Mem Martins: Publicações Europa-América, 2000.
AUTOR. Título. 2008. 216 f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Instituto de Letras. Universidade Federal Fluminense, Niterói.
_______. Título. ComCiência (UNICAMP), v. 11, p. 1-10, 2014.
_______. Título. In: FERREIRA, Sandra; BERGAMO, Edvaldo A. (Orgs.) Em Pessoa: estudos sobre a poesia e a prosa de Fernando Pessoa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2018. 282 p.
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4. ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
_______. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. De Paulo Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os demônios. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2002.
_______. Bobók. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2005.
FREUD, Sigmund. Contribuições para uma discussão acerca do suicídio. Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos. _______. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Trad. Jayme Salomão. Vol. XI. Rio de Janeiro: Imago, 2006.
HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das letras, 2008.
JAEGER, Werner. Paidéia: formação do homem grego. Trad. Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
MACHADO DE ASSIS. Memorias posthumas de Braz Cubas. Rio de Janeiro; Paris: Livraria Garnier, 1881.
PIZARRO, Jerónimo; FERRARI, Patricio. Eu sou uma antologia – 136 autores fictícios [Fernando Pessoa]. Lisboa: Tinta-da-China, 2013.
SOARES, Bernardo. [Fernando Pessoa]. Livro do desassossego. Org. Richard Zenith. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
_______. Livro do desassossego. Org. Jerónimo Pizarro. Rio de Janeiro: Tinta-da-China Brasil, 2013.
SCHNEIDER, Michel. Mortes imaginárias. São Paulo: A Girafa, 2005.
TEIVE, Barão de [Fernando Pessoa]. A educação do estoico. Richard Zenith (Org.). Lisboa: Assírio & Alvim, 2001.
ZENITH, Richard. POST-MORTEM. TEIVE, Barão de [Fernando Pessoa]. A educação do estoico. Richard Zenith (Org.). Lisboa: Assírio & Alvim, 2001. p. 85-110.
Publicado
2019-04-26
Como Citar
Medeiros, A. C., & da Silva jUNIOR, A. (2019). Quando um heterônimo se suicida. Revista Criação & Crítica, (23), 47-64. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/152273