Recepção da literatura hebraica no Brasil

  • Saul Kirschbaum
  • Berta Waldman Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia. Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP)
Palavras-chave: Literatura hebraica moderna, Literatura israelense contemporânea, Recepção crítica

Resumo

A moderna literatura hebraica nasceu no século XIX na Europa, como um instrumento de divulgação das ideias de um movimento que buscava elevar o nível cultural das massas judaicas, que viviam então em pleno atraso medieval. Em seguida, esta literatura acomp anhou a grande migração que assinalou o início da colonização da Palestina, assumindo características étnicas, nacionalistas e coletivistas, a serviço da formação de uma nova identidade judaica e da construção de um E stado nacional. Criado o Estado de Isra el, o idioma evoluiu de seu estágio inicial, com vocabulário precário e estrutura artificial, para uma língua de expressão plena e dinâmica; esta literatura, agora melhor referida como “israelense contemporânea”, supera suas limitações particularistas, pas sando a expressar o modo de vida de um povo vivendo em território nacional e produzindo em seu idioma cotidiano. Quanto a sua recepção no Brasil, essa literatura no início é consumida pela coletividade judaica como uma espécie de propriedade comum da etnia ; nas últimas três décadas, amplia - se o público leitor, como resultado, talvez, de dois fenômenos: o ingresso dos Estudos Judaicos em programas de pós - graduação das principais universidades e o investimento de editoras em tradução, produção e divulgação da s obras de seus principais expoentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Berta Waldman, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia. Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP)

Professora de literatura brasileira e de literatura hebraica e judaica na Unicamp e na USP.

Referências

AGNON, Sch. Novelas de Jerusalém. São Paulo: Perspectiva, 1967.
AGNON, Sch. Noivado e outros contos. Rio de Janeiro: Opera Mundi, 1973.
AGNON, Sch. Contos de amor. (trad. Rifka Berezin). São Paulo: Perspectiva, 1996.
AGNON, Sch. Hóspede por uma noite. (trad. Zipora Rubinstein). São Paulo: Perspectiva, 2014.
ALTER, R. The invention of Hebrew prose: modern fiction and the language of realism. Seattle and London: University of Washington Press, 1988.
AMANCIO, M. Dois palhaços e uma alcachofra: uma leitura do romance A ressurreição de Adam Stein, de Yoram Kaniuk. São Paulo: Nankin Editorial, 2001.
AMANCIO, M. (org.) Ato de presença: hineni (homenagem a Rifka Berezin). São Paulo: Humanitas, 2005.
AMANCIO, M. “Para bagunçar a Bíblia: Yehuda Amichai e a reinvenção da tradição”. In: AMICHAI, Y. Terra e paz: antologia poética. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018, pp. 9-15.
AMICHAI, Y. Terra e paz: antologia poética. (trad. Moacir Amâncio). Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018.
APPELFELD, A. Expedição ao inverno. (trad. Luis Krausz). São Paulo: Perspectiva, 2011.
APPELFELD, A. Badenheim 1939. (trad. Moacir Amâncio). Barueri, SP: Amarilys, 2012.
BEREZIN, R. (org.) O novo conto israelense. São Paulo: Símbolo, 1978.
BEREZIN, R. “Meu Michel – um romance de Jerusalém”. In: OZ, A. Meu Michel. São Paulo: Summus, 1982, pp. 5-8.
BEREZIN, R (org.). A Geração da Terra: contos israelenses. São Paulo: Summus, 1983.
COELHO, S. “O Apaixonado, O Abandonado, O Justo”. In: AGNON, Sch. Contos de amor. São Paulo: Perspectiva, 1996, pp. 277-280.
FLUSSER, V. “Agnon ou o engajamento no rito”. In: AGNON, Sch. Novelas de Jerusalém. São Paulo: Perspectiva, 1967, pp. 7-15.
GRUSS, N. “Vida e obra de Schmuel Yosseph Agnon”. In: AGNON, Sch. Noivado e outros contos. Rio de Janeio: Opera Mundi, 1973, pp. 27-47.
GUINSBURG, J. “Panorama da literatura Judaica”. In ORTIZ, C.; GUINSBURG, J., Antologia Judaica, p. 15-24.
GUINSBURG, J (org.). Nova e velha pátria. São Paulo: Perspectiva, 1966.
GUINSBURG, J. “Tradição e modernidade em Sch. I. Agnon”. In: AGNON, Sch. Novelas de Jerusalém. São Paulo: Perspectiva, 1967, pp. 43-55.
GUINSBURG, J (org.). Quatro mil anos de poesia. São Paulo: Perspectiva, 1969.
GUINSBURG, J (org.). O judeu e a modernidade. São Paulo: Perspectiva, 1970.
GUINSBURG, J. Guia histórico da literatura hebraica. São Paulo: Perspectiva, 1978.
KRAUSZ, L. “A tradução hebraica de um conflito europeu”. In: APPELFELD A. Expedição ao inverno. São Paulo: Perspectiva, 2011, pp. 231-269.
KRAUSZ, L. Ruínas recompostas: Aharon Appelfeld e os rastros do judaísmo centro-europeu. São Paulo: Humanitas, 2013.
KRAUSZ, L. “A cidade em ruínas de Sch. I. Agnon”. In: AGNON, Sch. Hóspede por uma noite. São Paulo: Perspectiva, 2014, pp. 557-564.
KURZWEILL, B. “A religião na obra de Agnon”. In: AGNON, Sch. Novelas de Jerusalém. São Paulo: Perspectiva, 1967, pp. 23-42.
MENDA, L. Rindo do trágico: o humor na literatura israelense contemporânea. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2016.
NASCIMENTO, L.; NAGAE, N. Desafios críticos: literaturas estrangeiras em pauta. Belo Horizonte: Quixote-Do Editoras Associadas, 2018.
NASCIMENTO, L. Despertar para a noite e outros ensaios sobre a Shoah. Belo Horizonte: Quixote+Do Editoras Associadas, 2018.
OLMOS, A. (org.) Literaturas estrangeiras: percepções do real e representação na contemporaneidade. São Paulo: Todas as Musas, 2018.
ORTIZ, C. “Introdução”. In: Ortiz, C.; Guinsburg, J. (orgs.) Antologia Judaica: Era rabínica e Era moderna. São Paulo: Editora Rampa, 1948, p. 9-13.
ORTIZ, C.; GUINSBURG, J. (orgs.) Antologia Judaica: Era rabínica e Era moderna. São Paulo: Editora Rampa, 1948.
OLIVEIRA, L. O Sr. Máni, A. B. Yehoshua: considerações sobre a identidade judaico-israelense. São Paulo: Humanitas, 2014.
OZ, A. Meu Michel. (trad. Rifka Berezin, Sonia Boguchwal e Nora Rosenfeld). São Paulo: Summus, 1982.
ROZENCHAN, N. “Literatura israelense com sotaque brasileiro”. Cadernos de Língua e Literatura Hebraica, São Paulo, n. 3, p. 311-320, 2001.
ROZENCHAN, N. Literatura hebraica: vertentes do século XX. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2004.
ROZENCHAN, N. “Saudação por ocasião do cinquentenário da criação do curso de graduação de hebraico”. Revista Vértices, São Paulo, v. 15, p. 1-6, 2013. Disponível em http://www.revistas.fflch.usp.br/vertices/article/view/1509. Acesso em 11/mar/2019.
SHAKED, G. “A ficção hebraica após a Guerra da Independência (1948)”. In: BEREZIN, R. (org.) O novo conto israelense. São Paulo: Símbolo, 1978, pp. 13-27.
SHAKED, G. Modern Hebrew fiction. (trad. Yael Lotan). Bloomington: Indiana University Press, 2000.
WALDMAN, B. Linhas de força: escritos sobre literatura Judaica. São Paulo: Humanitas, 2004.
WALDMAN, B. “Apresentação”. In: AGNON, Sch. Hóspede por uma noite. São Paulo: Perspectiva, 2014, pp. 17-25.
WALDMAN, B.; KIRSCHBAUM, S. (orgs.) Ensaios sobre literatura israelense contemporânea. São Paulo: Humanitas, 2011.
Publicado
2019-10-13
Como Citar
Kirschbaum, S., & Waldman, B. (2019). Recepção da literatura hebraica no Brasil. Revista Criação & Crítica, 1(24), 35-50. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i24p35-50