Transficcionalidade e crítica de arte

  • André Soares Vieira Universidade Federal de Santa Maria

Resumo

Partindo do conceito de transficcionalidade proposto por Richard Saint-Gelais (2011), segundo o qual toda obra opera a partir da possibilidade de expansão da ficção, seja em forma de continuações (sequels), seja em forma de narrativas anteriores (prequels) à ficção apresentada, este trabalho focaliza o modo como Gonzaga Duque extrapola os limites da materialidade dos quadros, inserindo a ficção em descrições picturais de suas críticas de arte. Farei algumas reflexões acerca dos modos como o escritor e crítico de arte brasileiro descreve e narra de forma transficcional os quadros que comenta, valendo-se de uma linguagem a meio caminho entre a ficção e a crítica narrativa.Construídas em torno do referente, suas críticas de arte são elaboradas a partir do assunto da tela, remetendo, no entanto, a ações exteriores ao quadro. Trata-se de imaginar literariamente, seguindo os passos de Daunais (1997), as continuações do tema representado, evocando cenas não representadas, mas supostamente contidas na imagem, e sugerindo um outro tempo, anterior ou posterior, colocando espectador da pintura e leitor da crítica de arte diante de dois objetos culturais complementares, em que um é a medida do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Soares Vieira, Universidade Federal de Santa Maria
Professor associado do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Área de concentração: Literatura comparada.

Referências

Referências:

DAUNAUS, Isabelle. Les récits de la critique d’art, entre naturalisme et modernisme. Littérature, n. 107, Récits anterieurs, pp. 20-34, 1997. Disponível em: Acesso em 02 maio 2018.

DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e escultores. Rio de Janeiro: Typographia Benedito de Souza, 1929.

DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

DUQUE, Gonzaga. Graves & frívolos (por assuntos de arte). Rio de Janeiro: Sette Letras/FCRB, 1997.

DUQUE, Gonzaga. Helios Seelinger. Kosmos. Fevereiro, 1908.

GENETTE, Gérard. Palimpsestes, la littérature au second dégré. Paris: Seuil, 1982.

LINS, Vera. Novos pierrôs, velhos saltimbancos: os escritos de Gonzaga Duque e o final do século XIX carioca. 2. ed. Rio de Janeiro: Eduerj, 2009.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. Textos selecionados. Col. Os Pensadores. Trad. Marilena Chauí. São Paulo: Victor Civita, 1984.

RAJEWSKY, Irina. Intermidialidade, intertextualidade e ‘remediação’: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In: DINIZ, Thais F. N. (Org.) Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

SAINT-GELAIS, Richard. Fictions transfuges: la transficcionnalité et ses enjeux. Paris: Seuil/Poétique, 2011.

STAROBINSKI, Jean. L’œil vivant. Paris: Gallimard, 1961.
Publicado
2019-12-27
Como Citar
Vieira, A. (2019). Transficcionalidade e crítica de arte. Revista Criação & Crítica, 1(25), 36-47. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i25p36-47